Estratégias de aprendizagem na educação a distância: revalidação de uma escala

Palavras-chave: educação, ensino a distância, estratégias de aprendizagem.

Resumo

Frente a uma nova realidade educacional, o ensino a distância atesta suas contribuições aos processos formativos de modo que compreender o padrão de uso das estratégias de aprendizagem online torna-se fundamental para o aperfeiçoamento do planejamento educacional pois favorece o reconhecimento dos processos individuais de aprendizagem bem como dos procedimentos instrucionais adequados. Este artigo objetiva contribuir com o campo educacional ao verificar evidências de validade da ferramenta “Estratégias de Aprendizagem”. Participaram do estudo 126 alunos inscritos em cursos a distância ofertados por instituições de ensino do interior paulista. Após coleta de dados foram efetuadas análises estatísticas de Componentes Principais e Fatoriais, e de consistência interna (alfa de Cronbach). Após validação estatística a escala apresentou quatro fatores: Monitoramento da compreensão, 14 itens (α = 0,87); Estratégias autorregulatórias, 7 itens (α = 0,80); Busca de ajuda interpessoal, 3 itens (α = 0,82); Estratégias cognitivo-comportamentais, 7 itens (α = 0,78). Os resultados indicam que a escala é estatisticamente válida e confiável. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elienay Eiko Rodrigues Umekawa, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP.

Mestre em Psicologia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP, Ribeirão Preto, SP, Brasil), analista com formação em Psicologia do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em Ribeirão Preto, SP.

Thaís Zerbini, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP.

Doutora em Psicologia pela Universidade de Brasília (UnB, Brasília, DF, Brasil), docente – professora associada da Universidade de São Paulo (USP) em Ribeirão Preto, SP.

Referências

Alliprandini, P. M. Z., Lima, C. F., Oliveira, D. E. B., & Schiavoni, A. (2012). Diferenças entre gênero no uso de estratégias de aprendizagem na educação a distância. Trabalho apresentado no IX ANPED SUL. Caxias do Sul. Anais do IX Anped Sul, p. 1-14.

Azevedo, A. S., Dias, P. C., Salgado, A., Guimarães, T., Lima, I., & Barbosa, A. (2012). Relacionamento Professor-Aluno e Auto-Regulação da Aprendizagem no 3º Ciclo do Ensino Médio Português. Paidéia, 22(52), 197-206. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2012000200006.

Beluce, A. C., & Oliveira, K. L. (2016). Escala de estratégias e motivação para aprendizagem em ambientes virtuais. Revista Brasileira de Educação, 21(66), 593-610. https://doi.org/10.1590/S1413-24782016216631.

Beluce, A. C., & Oliveira, K. L. (2012). Ambientes virtuais de aprendizagem: das estratégias de ensino às estratégias de aprendizagem. Trabalho apresentado no IX ANPED SUL. Caxias do Sul. Anais do IX Anped Sul, p. 1 14.

Bjork, R. A., Dunlosky, J., & Kornell, N. (2013). Self-Regulated Learning: Beliefs, Techniques, and Illusions. Annu. Rev. Psychol., 64, 417- 444. https://doi.org/10.1146/annurev-psych-113011-143823.

Boruchovitch, E. (2014). Autorregulação da aprendizagem: contribuições da psicologia educacional para a formação de professores. Psicol. Esc. Educ., 18(3), 401- 409. https://doi.org/10.1590/2175-3539/2014/0183759.

Boruchovitch, E. (2006). Avaliação psicoeducacional: desenvolvimento de instrumentos à luz da Psicologia Cognitiva baseada na teoria do processamento da informação. Avaliação Psicológica, 5(2), 145-152.

Boruchovitch, E., & Santos, A. A. A. (2006). Estratégias de aprendizagem: conceituação e avaliação. In A. P. P. Noronha, & F. F. Sisto (Org), Facetas do fazer em avaliação psicológica (pp. 107-124). São Paulo: Vetor.

Brandão, H. P., & Borges-Andrade, J. E. (2011). Desenvolvimento e Validação de uma Escala de Estratégias de Aprendizagem no Trabalho. Psicologia: Reflexão e Crítica, 24(3), 448- 457. https://doi.org/10.1590/S0102-79722011000300005.

Carrasco, T. S., & Silva, F. M. (2017). Informal learning at work context: a meta-study of brazilian scientific production. Revista de Administração Mackenzie-RAM (Mackenzie Management Review), 18(4), 137-163. 3 https://doi.org/10.1590/1678-69712017/administracao.v18n4p137-163.

Costa, E. R. (2016). As estratégias de aprendizagem como forma de promover a interdisciplinaridade e o aprender a aprender: investigando as estratégias de aprendizagem de universitários dos cursos de história e Psicologia. Revista EdaPECI, 16(3), 486-500.

Costa, E. R., Boruchovitch, E. (2009). As estratégias de aprendizagem e a produção de textos narrativos. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(2), 173-180. https://doi.org/10.1590/S0102-79722009000200002.

Gureckis, T. M., & Markant, D. B. (2012). Self-Directed Learning: A Cognitive and Computational Perspective. Perspectives on Psychological Science, 7(5), 464-481, 2012. https://doi.org/10.1177/1745691612454304.

Iglesias, M., Salgado, J. F. (2012). Effectiveness of Occupational Training Through Videoconferencing: Comparison with Classroom Training and Individual Differences. Revista de Psicología del Trabajo y de las Organizaciones,

(3), 183-188. https://doi.org/10.5093/tr2012a15.

Joly M. C. R. A., Silva, D. V., Ferreira-Rodrigues, C. F., Bueno, J. M. P., & Almeida, L. S. (2015). Competência de estudo para uma amostra universitária da área de exatas. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 19(1), 23-29. https://doi.org/10.1590/2175-3539/2015/0191790.

Martins, L. B. (2012). Aprendizagem em ações educacionais a distância: fatores influentes no desempenho acadêmico de universitário. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão

Preto, Universidade de São Paulo).

Martins, L. B. (2016). Impacto do treinamento no trabalho: determinantes individuais e contextuais em cursos corporativos a distância. 2016. (Tese de Doutorado). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Martins, L. B., & Zerbini, T. (2014a). Educação a distância em instituições de ensino superior: uma revisão das

pesquisas. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 14(3), 271-282.

Martins, L. B., & Zerbini, T. (2014b). Escala de Estratégias de Aprendizagem: evidências de validade em contexto

universitário híbrido. Psico-USF, 19(2), 317-328. https://doi.org/10.1590/1413-82712014019002007.

Mello, C. G. (2017). Estratégias de aprendizagem em ações educacionais à distância: relação com características da clientela e reações ao curso. (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Meneses, P. P. M., Abbad, G., Zerbini, T., & Lacerda, E. (2006). Medidas de características da clientela em avaliação de TD&E. In J. E. Borges-Andrade, G. Abbad, & L. Mourão (Org.), Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas (pp. 422-442). Porto Alegre: Artmed.

Oliveira, K. L., Boruchovitch, E., & Santos, A. A. A. (2011). Estratégias de aprendizagem no ensino fundamental:

análise por gênero, série escolar e idade. Psico, 42(1), 98-105.

Pasquali, L. (2004). Análise fatorial para pesquisadores. Petrópolis: Vozes.

Prates, K. C. R., Lima, R. F., & Ciasca, S. M. (2016). Estratégias de aprendizagem e sua relação com o desempenho escolar em crianças do Ensino Fundamental I. Revista de psicopedagogia, 33(100), 19-27.

Santoro, S. & Bido, D. S. (2017). Estratégias de aprendizagem informal no trabalho utilizadas por gerentes em uma Instituição Financeira Pública. Rev. Elet. Gestão e Serviços, 8(1), 1878-1901. https://doi.org/10.15603/2177-7284/regs.v8n1p1878-1901.

Salas, E., Tannenbaum, S. I., Kraiger, K., & Smith-Jentsch, K. (2012). The Science of Training and Development in Organizations: What Matters in Practice. Psychological Science in the Public Interest, 13(2), 74-101. https://doi.org/10.1177/1529100612436661.

Santos, A. A. A., & Boruchovitch, E. (2001). Escala de avaliação de estratégias de aprendizagem em universitários. Universidade São Francisco: Bragança Paulista.

Santos, A. A. A., Boruchovitch, E., Primi, R., Zenorini, R. P. C., & Bueno, J. M. H. (2004). Escala de avaliação de estratégias de aprendizagem para universitários (EAP-U): aplicação do Modelo de Rasch de créditos parciais. Psicologia: Teoria, Investigação e Prática, 9(2), 227-242.

Sousa, A. A. D. (2018). Preditores da aprendizagem e instrumentos de transferência de treinamento: um estudo com profissionais da saúde pública. (Tese de Doutorado). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Souza, L. F. N. I. (2010). Estratégias de aprendizagem e fatores motivacionais relacionados. Educar, 36, 95-107.

https://doi.org/10.1590/S0104-40602010000100008.

Tabachinick, B.G., & Fidell, L.S. (2001). Using multivariate statistics. New York: Harper-Collins College Publishers.

Warr, P., & Allan, C. (1998). Learning strategies and occupational training. Internacional Review of Industrial and

Organizational Psychology, 13, 83-121.

Zerbini, T. (2007). Avaliação da transferência de treinamento em curso a distância. (Tese de doutorado). Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.

Zerbini, T., & Abbad, G. (2008). Estratégias de aprendizagem em curso a distância: validação de uma escala. Psico-USF, 13, 177-187. https://doi.org/10.1590/S1413-82712008000200005.

Zerbini, T., Abbad, G., Mourão, L., Martins, L. B. (2015). Estratégias de Aprendizagem em Curso Corporativo a Distância: como Estudamos Trabalhadores?. Psicologia, Ciência e Profissão, 35(4), 1024-1041.

https://doi.org/10.1590/1982-3703000312014.

Zerbini, T., Carvalho, R. S., Abbad, G. (2005). Treinamento a distância via internet: construção e validação de escala de estratégias de aprendizagem. Trabalho apresentado no XXIX ENANPAD Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Brasília.

Zerbini, T., Abbad, G., Mourão, L., & Martins, L. B. (2015). Estratégias de Aprendizagem em curso corporativo a distância: como estudam os trabalhadores?. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(4), 1024-1041. https://doi.org./10.1590/1982-3703000312014.

Zimmerman, B. J., & Martinez-Pons, M. (1986). Development of a structured interview for assessing student use of self-regulated learning strategies. American Educational Research Journal, 23, 614-628. https://doi.org/10.3102/00028312023004614

Publicado
2020-02-12
Como Citar
Umekawa, E. E. R., & Zerbini, T. (2020). Estratégias de aprendizagem na educação a distância: revalidação de uma escala. Psico, 51(2), e29638. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2020.2.29638
Seção
Artigos