Evidência invisível – BlowJob, vanguarda, documentário e pornografia

  • Mariana Baltar Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Documentário, pornografia, Andy Warhol.

Resumo

Este artigo pretende traçar uma correlação entre o documentário e a pornografia a partir do princípio da máxima visibilidade, comum a ambos os domínios. Tal diálogo, sua força, limites e implicações, será analisado a partir do filme BlowJob (Andy Warhol, 1963/64) um objeto de vanguarda que, não sendo nem um nem outro, interage com ambos os gêneros. Catalisado pelo que Linda Williams define como o frenesi do visível, o princípio da máxima visiblidade é o elemento central para garantir o estatuto de real e com ele parte da eficácia da experiência estética das tradições genéricas. BlowJob, a um só tempo, reitera e problematiza esse princípio ao produzir o que chamaremos de uma evidência invisível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Baltar, Universidade Federal Fluminense
Professora no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense.

Referências

ABREU, Nuno Cesar. O olhar pornô: a representação do obsceno no cinema e no vídeo. Campinas: Mercado

das Letras, 1996.

ATTWOOD, F. ‘No Money Shot? Commerce, Pornography and New Sex Taste Cultures’. Sexualities, v. 10, n. 4, p. 441-456, 2007.

BALTAR, Mariana. Realidade lacrimosa: diálogos entre o universo do documentário e a imaginação melodramática. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Curso de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2007.

BARTHES, Roland. The Reality Effect. In: BARTHES, Roland. The Rustle of Language. NewYork: Hill and Wang, 1986.

COOK, Roger. Andy Warhol, Capitalism, Culture, and Camp. Space and Culture, v. 6, n. 1, 2003.

FOUCAULT. Michel. História da sexualidade 1. A vontade do saber. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

______. História da sexualidade 2. O uso dos prazeres. 12. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007.

GRUNDMANN, Roy. Andy Warhol’s Blow Job. Philadelphia: Temple University Press, 2003.

HUNT, Lynn A. Invenção da Pornografia. São Paulo: Hedra, 1999.

KENDRICK, Walter. The Secret Museum. Pornography in modern culture. Berkely: University of California Press, 1996.

MARTIN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: EdUFRJ,

MELENDEZ, Franklin. Video Pornography, Visual Pleasure and the return of the sublime. In: WILLIAMS, Linda (Org.). Porn Studies. Durham: Duke University Press, 2004.

MORAES, Eliane Robert. Lições de Sade. Ensaios sobre a imaginação libertina. São Paulo: Iluminuras, 2006.

NAVARRO, Vinicius. Ordinary Acts: performance in non fiction film. 1960-1967. Tese (Doutorado) – New York University, New York, 2005.

NICHOLS, Bill. Representing Reality. Bloomington: Indiana University Press, 1991.

______. Ideology and the Image. Social representation in the cinema e other media. Bloomington: Indiana University Press, 1981.

OSTERWEIL, Ara. Andy Warhol’s Blowjob: toward the recognition of a pornographic avant-garde. In: Williams, Linda (Org.). Porn Studies. Durham: Duke University Press, 2004.

SINGER, Ben.Melodrama and modernity. Early Sensational Cinema and Its contexts.New York: Columbia University Press, 2001.

SONTAG, Susan. A vontade radical. Rio de Janeiro: Cia. das Letras, 1987.

WILLIAMS, Linda. Hard Core: Power, pleasure and the frenzy of the visible. University of California Press, 1999 [1ª edição em 1989].

______. (Org.). Porn Studies. Durham: Duke University Press, 2004.

______. Film Bodies: gender, genre and excess. In: BRAUDY, Leo; COHEN, Marshall (Eds.). Film theory and criticism. Oxford University Press, 2004b [artigo escrito em 1991].

VILLIERS, Nicholas de. How much does it cost for cinema to tell the truth of sex? Cinéma vérité and sexography. Sexualities, v. 10, n. 3, p. 341-361, 2007.

Como Citar
Baltar, M. (2011). Evidência invisível – BlowJob, vanguarda, documentário e pornografia. Revista FAMECOS, 18(2), 469-489. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2011.2.9470