Incongruências na prática jornalística

A (in)visibilidade das mulheres como fontes jornalísticas no programa Combate ao coronavírus

Palavras-chave: Cobertura jornalística, Mulheres, Fonte jornalística, COVID-19, Programa Combate ao Coronavírus

Resumo

O artigo discute a ausência na produção jornalística de práticas de inclusão com enfoque em gênero. O recorte do estudo é a invisibilidade de fontes femininas no programa Combate ao coronavírus, exibido pela Rede Globo de Televisão. Foram selecionadas todas as 49 edições e analisou-se as fontes consultadas e citadas diretamente. A discussão fundamenta-se no gênero como perspectiva analítica em interface com os estudos do jornalismo. O artigo percorre a promoção da invisibilidade de fontes de mulheres especialistas e constata que o programa não reconheceu o protagonismo feminino ao não recorrer às mulheres como fontes jornalísticas. A discussão aponta para a prevalência de fontes masculinas especialistas na construção da notícia, apesar da presença majoritária de profissionais mulheres na área da saúde no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Muriel Emídio Pessoa do Amaral, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Bauru, SP, Brasil.

Doutor em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp/Bauru), em Bauru, SP, Brasil; doutorado sanduíche em Estudos Culturais pela Universidade de Aveiro, Aveiro-Portugal; mestre em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp/Bauru), em Bauru, SP, Brasil. Pós-doutor em Jornalismo pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), em Ponta Grossa, PR, Brasil. Professor colaborador no Departamento de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), em Ponta Grossa, PR, Brasil.

Paula Melani Rocha, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Ponta Grossa, PR, Brasil.

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em São Carlos, SP, Brasil; com pós-doutorado em Jornalismo pela Universidade Fernando Pessoa, Porto-Portugal; mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos, (UFSCar), em São Carlos, SP, Brasil; graduado em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil; graduada em Jornalismo pela Faculdade Casper Líbero, em São Paulo, SP, Brasil. Professora associada do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo e da graduação em Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), em Ponta Grossa, PR, Brasil.

Referências

AMARAL, Muriel Emídio Pessoa do; ARIAS NETO, José Miguel. Política e perversão no impeachment de Dilma Rousseff. Chasqui – Revista Latinoamericana de Comunicación, Quito, n. 135, p. 55-70, 2017. https://doi.org/10.16921/chasqui.v0i135.3157.

ARENDT, Hannah A condição humana. Tradução de Roberto Raposo e revisão técnica e apresentação de Adriano Correia. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

ARENDT, Hannah. O que é política. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, 2018.

BORGES, Juliana. Prisões: espelhos de nós. São Paulo: Todavia, 2020.

BUTLER, Judith. Vida precária: os poderes do luto e da violência. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

CARVALHO, Laura. Curto-circuito: o vírus e a volta do Estado. São Paulo: Todavia, 2020.

ERBOLATO, Mário L. Técnicas codificação em jornalismo: redação, captação e edição no jornal diário. São Paulo: Editora Ática, 1991.

FOWLER, Roger. Language in the news: discourse and ideology in the press. London: Routledge, 1994.

GOMES, Wilson. Jornalismo, fatos e interesses: ensaios de teoria do jornalismo. Florianópolis: Insular, 2009. v. 1.

GLOBAL MEDIA MONITORING PROJETCT. Who makes the news. Brasil National Report. [S. l.]: Wacc Comunication for All, Code for Africa, 2020. Disponível em: https://whomakesthenews.org/wp-content/uploads/2021/07/1-Relatorio-GMMP-Brasil-portugues-12-07-21-completo-1.pdf. Acesso em: 3 nov. 2021.

HERNANDES, Elizabeth Sousa Cagliari; VIEIRA, Luciana. A guerra tem rosto de mulher: trabalhadoras da saúde no enfrentamento à COVID-19. In: ANESP. Brasília, DF, 2020. Disponível em http://anesp.org.br/todas-as-noticias/2020/4/16/a-guerra-tem-rosto-de-mulher-trabalhadoras-da-sade-no-enfrentamento-COVID-19. Disponível em: https://anesp.org.br/todas-as-noticias/2020/4/16/a-guerra-tem-rosto-de-mulher-trabalhadoras-da-sade-no-enfrentamento-covid-19#. Acesso em: 25 fev. 2020.

HOMEM, Maria. Lupa da alma: quarentena-revelação. São Paulo: Todavia, 2020.

LAGE, Nilson. Relacionamento do repórter com as fontes: procedimentos e teorias. Biblioteca Compós – Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação, 2000. p. 1-15. Disponível em: https://proceedings.science/compos-2000/papers/relacionamento-do-reporter-com-as-fontes--procedimentos-e-teoria?lang=pt-br. Acesso em: 24 fev. 2021.

PANORAMA LABORAL 2020. Lima: OIT / Oficina Regional para América Latina y el Caribe, 2020. 204 p. Disponível em: https://www.ilo.org/americas/publicaciones/WCMS_764630/lang--es/index.htm. Acesso em: 25 fev. 2020.

ROCHA, Paula Melani; DANCOSKY, Andressa Kikuti. A feminilização do jornalismo e a ausência de perspectiva de gênero nas editorias de tecnologia no Brasil. Intexto, Porto Alegre, n. 35, p. 119-136, 2016. https://doi.org/10.19132/1807-8583201635.119-136.

SAFFIOTI, Heleith I. B. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Caderno Pagu, Campinas, n. 16, p. 115-136, 2001.

SCHEFFER, M. et al. (coord.). Demografia Médica No Brasil 2018. São Paulo: Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo: Conselho Federal de Medicina, 2018. Disponível em: https://jornal.usp.br/wp-content/uploads/DemografiaMedica2018.pdf. Acesso em: 25 fev. 2020.

SCOTT, Joan. Gênero, uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 71-99, 1990.

SILVA, Marcia Veiga da. Masculino, o gênero do jornalismo: um estudo sobre modos de produção das notícias. 2010. Dissertação (Mestrado em Curso de Comunicação e Informação, Biblioteconomia e Comunicação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

TORRES, Carmen. Género y comunicación: el lado oscuro de los medios. Santiago: Ediciones de la Mujeres, 2000.

TUCHMAN, Gayle. Making news: a study in the construction of reality. New York: The Free Press, 1978.

VILAÇA, Aparecida. Morte na floresta. São Paulo: Todavia, 2020.

WOITOWICZ, Karina J.; ROCHA, Paula M. Estudos de gênero no Jornalismo: perspectivas de análise das mulheres jornalistas e das representações femininas. In. WOITOWICZ, Karina J.; ROCHA, Paula M. (org.). Marcas & discursos de gênero: produções jornalísticas, representações femininas e outros olhares. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014. p. 131-150.

Publicado
2022-08-22
Como Citar
Amaral, M. E. P. do, & Rocha, P. M. (2022). Incongruências na prática jornalística: A (in)visibilidade das mulheres como fontes jornalísticas no programa Combate ao coronavírus. Revista FAMECOS, 29(1), e42390. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2022.1.42390