Trabalhar imagens, reparar o visível

A política da imagem como prática reparadora

Palavras-chave: Política da imagem, Prática reparadora, Estética e política, Cinema queer brasileiro, Os últimos românticos do mundo

Resumo

Esse artigo, de caráter especulativo, ensaia uma aproximação entre as noções de política da imagem, formulada por Jacques Rancière, e prática reparadora, de Eve Sedgwick. Defendemos que a política da imagem, ao liberar-se da dimensão da denúncia e do conteúdo prescritivo orientado para causar indignação no espectador, pode ser qualificada como uma prática reparadora. O trabalho apresenta dois movimentos: o primeiro busca estabelecer relações entre o que Sedgwick considera uma postura paranoica assentada na “hermenêutica da suspeita” e o regime representativo da imagem descrito por Rancière. Em seguida, explora a proposição da política da imagem como prática reparadora refletindo sobre os modos como a imagem pode estar aberta à indeterminação, ao dissenso e a formas outras de organização do visível, do audível e do dizível. Como desdobramento desses dois movimentos, é apresentada uma análise breve do filme Os últimos românticos do mundo (Henrique Arruda, 2020), obra queer que produz um gesto de reparação concedendo prazeres visuais e produzindo uma rasgadura provisória no que tradicionalmente se concebeu como imagem política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Machado Ramos de Almeida, Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), São Paulo, SP, Brasil.

Doutora em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Professora titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), em São Paulo, SP, Brasil. 

Dieison Marconi, Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), São Paulo, SP, Brasil.

Doutor em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Pós-doutorando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), em São Paulo, SP, Brasil.

Referências

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? São Paulo: Civilização Brasileira, 2017.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2003.

DEL RIO, Elena. Deleuze and the cinemas of performance: powers of affection. Edimburgh: Edimburgh University Press, 2008.

KATZ, Jonathan. A invenção da heterossexualidade. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996.

HALBERSTAM, Jack. A arte queer do fracasso. Recife: Cepe, 2020.

GALT, Rosalind. Lindo: teoria do cinema, estética e a história da imagem incômoda. Eco-Pós, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, p. 42-65, 2015. Disponível em: https://revistaecopos.eco.ufrj.br/eco_pos/article/view/2762/2339. Acesso em: 2 ago. 2021.

LOPES, Denilson. Estéticas do Artifício, Estéticas do Real. In: MARGATO, Izabel; GOMES, Renato Cordeiro (org.). Novos Realismos. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2012. p. 147-162.

MARCONI, Dieison. Ensaios sobre autorias queer no cinema brasileiro contemporâneo. 2020. 142 fls. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/206808/001113764.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 30 jan. 2021.

MARKS, Laura. Loving a disappearing image. Cinemas: revue d’etudes cinematographiques / Cinemas: Journal of Film Studies, [S. l.], v. 8, n. 1-2, p. 93-111, 1997.

NGAI, Sianne. The Cuteness of the Avant-Garde. Critical Inquiry, Chicago, n. 31, 2005.

NGAI, Sianne. Our aesthetic categories: an interview with Siane Ngai. Cabinet Magazine, Canadá, n. 43, 2011.

RAMALHO, Fabio. Para habitar um mundo de imagens e sons: práticas minoritárias no audiovisual. Imagofagia, Buenos Aires, n. 17, p. 499-521, 2018. Disponível em: http://www.asaeca.org/imagofagia/index.php/imagofagia/article/view/1547/1285. Acesso em: 12 fev. 2021.

RANCIÈRE, Jacques. O dissenso. In: NOVAES, Adauto. (org.). A crise da razão. São Paulo: Cia. das Letras, 1996. p. 367-382.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. São Paulo: Editora 34, 2009.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012a.

RANCIÈRE, Jacques. As distâncias do cinema. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012b.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Editora 34, 2018.

SEDWICK, Eve. Touching feeling: affect, pedagogy, performativity. Durham and London: Duke University Press, 2003.

SEDGWICK, Eve. Epistemologia do armário. Cadernos Pagu, Campinas, n. 28, p. 19-54, 2007.

SEDGWICK, Eve. Leitura paranoica e leitura reparadora, ou, você é tão paranoico que provavelmente pensa que este ensaio é sobre você. Remate de Males, Campinas, SP, v. 40, n. 1, p. 389-421, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8658630. Acesso em: 20 fev. 2021.

Publicado
2022-08-22
Como Citar
Almeida, G. M. R. de, & Marconi, D. (2022). Trabalhar imagens, reparar o visível: A política da imagem como prática reparadora. Revista FAMECOS, 29(1), e41827. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2022.1.41827