Comunicação em demasia mata a informação

  • Michel Moatti Universidade Paul Valéry – Montpellier III
Palavras-chave: Mídia, jornalismo, história

Resumo

Com o crescimento incontrolável das ciências e técnicas da comunicação, a França vive, há mais de 20 anos, uma espécie de neurose comunicacional. Todos querem comunicar. Mas corre-se o risco de um discurso laudativo. Esta idéia se fortalece paralelamente ao descrédito do profissional de jornalismo, cuja função investigativa parece ter dado lugar à propaganda institucionalizada. É isto que o artigo pontua, a confusão entre informar e comunicar: jornalistas que antes promoviam o debate agora se transformaram em storytellers.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michel Moatti, Universidade Paul Valéry – Montpellier III
Professor de Sociologia na Universidade Paul Valéry – Montpellier III

Referências

BARTHES, R. Mythologies. Paris: Seuil, 1957.

CHARON, J.M. La presse en France. Paris: Seuil, 1991.

COT, J.P ; MOUNIER J.P. Pour une sociologie politique. Paris: Seuil, 1974.

HABERMAS, J. L’Espace public. Paris: Payot, 1976.

HALIMI, S. Les Nouveaux chiens de garde. Paris: Liber, 1997.

NEVEU, E. Sociologie du journalisme. Paris: La Découverte, 2001.

RIEFFEL, R. Que sont les médias? Paris: Gallimard, Folio- Actuel, 2005.

Publicado
2008-09-13
Como Citar
Moatti, M. (2008). Comunicação em demasia mata a informação. Revista FAMECOS, 15(35), 31-36. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2008.35.4090
Seção
Dossiê IX: Seminário Internacional da Comunicação