Novos caminhos da informação

Mediação e visibilidade nos protestos brasileiros de 2013

Palavras-chave: Mídias sociais, Protesto, Visibilidade, Mediação, Democracia

Resumo

Os protestos brasileiros de 2013 foram não apenas um momento marcante da vida política do país, mas também delinearam uma mudança importante na produção, difusão e consumo de informações políticas. O que propomos neste texto é abordar essas mudanças em dois sentidos: compreender o papel dos novos processos de mediação e discutir quem está realmente ganhando visibilidade nesse novo ambiente de comunicação. Entendemos que, se por um lado as mídias sociais abrem espaço para o surgimento de novos mediadores de informação, no outro há uma desigualdade de visibilidade extremamente forte entre eles. O que nos interessa é entender quais são as diferenças a) no processo de mediação e b) na dinâmica de visibilidade neste novo ambiente midiático em relação ao modelo de broadcast. Baseamos nossa análise em um corpus de 97 mil tweets coletados em torno de uma das principais hashtags usadas durante as manifestações. Nossos resultados apontam para um processo de mediação mais complexo, porém menos visível. Em termos de dinâmica de visibilidade, os padrões que encontramos na conversa sobre os protestos de 2013 mostram que o modelo de broadcast não é reproduzido, mas o tamanho do público continua influenciando no acesso à arena da visibilidade. Em ambos os casos, a principal diferença está relacionada ao papel que a sociabilidade desempenha na determinação dos caminhos pelos quais uma informação pode ou não passar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nina Santos, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA, Brasil.

Doutora em ciências da comunicação e da informação pela Université Panthéon-Assas/Paris II, França; mestre em comunicação e cultura contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), em Salvador, BA, Brasil; pós-doutoranda no Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital e pesquisadora associada do Centre d’Analyse et de Recherche Interdisciplinaires sur les Médias, na Université Paris II.

Referências

ARENDT, H. The Human Condition. Chicago: The University of Chicago Press, 1958.

BENNETT, W. L.; SEGERBERG, A.; YANG, Y. The Strength of Peripheral Networks: Negotiating Attention and Meaning in Complex Media Ecologies. Journal of Communication, [S. I.], v. 68, n. 4, p. 659-684, ago. 2018. https://doi.org/10.1093/joc/jqy032.

BOULLIER, D. Plates-formes de réseaux sociaux et répertoires d’action collective. In: NAJAR, S. (ed.). Les réseaux sociaux sur internet à l’heure des transitions démocratiques. Paris: Editions Karthala, 2013.

CAMMAERTS, B. Technologies of self-mediation: affordances and constraints of social media for protest movements. In: ULDAM, J.; VESTERGAARD, A. (ed.). Civic engagement and social media: political participation beyond the protest. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2014.

CARDON, D. Réseaux sociaux de l’Internet. Communications, [S. I.], p. 141-148, 2011.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CHAGAS, Viktor et al. Political memes and the politics of memes: a methodological proposal for content analysis of online political memes. First Monday, [S. l.], v. 24, n. 2, fev. 2019. https://doi.org/10.5210/fm.v24i2.7264.

CRESCI, S. et al. A Fake Follower Story: improving fake accounts detection on Twitter. In: CONSIGLIO NAZIONALE DELLE RICERCHE, 2014. Anais [...]. [S. I.], 2014. p. 1-13.

EDELMAN. Trust Barometer. 2018. Retrieved from: https://www.slideshare.net/EdelmanInsights/2018-edelman-trust-barometer-brasil-report. Acesso em: 7 out. 2021.

FERRARI, E. Fake accounts, real activism: Political faking and user- generated satire as activist intervention. New Media & Society, [S. I.], v. 20, n. 6, p. 2208-2223, 2018. https://doi.org/10.1177/1461444817731918.

GOMES, W. “Nós somos a rede social!’: o protesto político entre as ruas e as redes”. In: MENDONÇA, R. F.; PEREIRA, M. A., FILGUEIRAS, F. Filgueiras (ed.). Democracia digital: publicidade, instituições e confronto político. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2016. p. 45-77.

GITLIN, T. The whole world is watching: mass media in the making and unmaking of the new left. Berkley: University of California Press, 1980.

HAUSTEIN, S. et al. Tweets as Impact Indicators: Examining the Implications of Automated “bot” accounts on Twitter. Journal of the Association for Information Science and Technology, [S. I.], v. 67, n. 1, p. 232-238, 2016. https://doi.org/10.1002/asi.23456.

HEPP, A. Deep Mediatization. Nova Iorque: Routledge, 2020.

JOUËT, J. Pratiques de communication et figures de la médiation. Réseaux, [S. I.], n. 11, p. 99-120, 1993.

LEMOS, A. Epistemologia da comunicação, neomaterialismo e cultura digital. Galáxia, São Paulo, v. 40, n. 43, p. 54-66, 2020.

LYCARIÃO, D. Internet e esfera pública: por uma abordagem teóricometodológica acerca dos usos da internet pela sociedade civil organizada. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA, 2009, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná,2009. p. 17-34.

MARTÍN-BARBERO, J. De los medios a las mediaciones. Comunicación, cultura y hegemonía. Signo y Pensamiento, [S. I.], v. 73, n. 1, 1987.

MERAZ, S.; PAPACHARISSI, Z. Networked gatekeeping and networked framing on #egypt. The International Journal of Press/Politics, [S. I.], v. 18, n. 2, p. 138-166, 2013. https://doi.org/10.1177/1940161212474472.

NEUMAYER, C.; ROSSI, L. Images of protest in social media: Struggle over visibility and visual narratives. New Media & Society, [S. I.], v.20, n.11, 2018. https://doi.org/10.1177/1461444818770602.

NEWMAN, T. P. Tracking the release of IPCC AR5 on Twitter: Users, comments, and sources following the release of the Working Group I Summary for Policymakers. Public Understanding of Science, [S. I.], v. 26, n. 7, 2016. https://doi.org/10.1177/0963662516628477.

RUEDIGER, M. A. Bots, social networks and politics in Brazil. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2017.

SANTOS, M. A. dos; LYCARIÃO, D.; AQUINO, J. A. de. The virtuous cycle of news sharing on Facebook: Effects of platform affordances and journalistic routines on news sharing. New Media and Society, [S. I.], v. 21, n. 2, 2018. https://doi.org/10.1177/1461444818797610.

SANTOS, Nina. The use of Twitter during the 2013 protests in Brazil: Mainstream media at stake. In: A.M. G. Solo (ed.). Handbook of Research on Politics in the Computer Age. Pennsylvania: IGI, 2020. p. 113-145.

SANTOS, Nina. Dinâmicas de visibilidade e sites de redes sociais: novas possibilidades democráticas? 2012. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Cultura Contemporâneas) – Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, 2012.

SEGERBERG, A.; BENNETT, W. L. Social Media and the Organization of Collective Action: Using Twitter to Explore the Ecologies of Two Climate Change Protests. The Communication Review, [S. I.], v. 14, n. 3, p. 197-215, 2011. https://doi.org/10.1080/10714421.2011.597250.

STIER, S.; SCHÜNEMANN, W. J.; STIEGER, S. Of activists and gatekeepers: Temporal and structural properties of policy networks on Twitter. New Media and Society, v. 20, n. 5, p. 1910-1930, 2018. https://doi.org/10.1177/1461444817709282.

THOMPSON, J. B. The New Visibility. Theory, Culture & Society, [S. I.], v. 22, n. 6, p. 31-51, 2005. https://doi.org/10.1177/0263276405059413.

VOIROL, O. Les luttes pour la visibilité. Esquisse d’une problématique. Réseaux, [S. I.], v. 1-2, n. 129-130, p. 89-121, 2005. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-reseaux1-2005-1-page-89.htm. Acesso em 7 de outubro de 2021.

WOJCIK, S. Prendre la démocratie électronique au sérieux : De quelques enjeux et controverses sur la participation politique en ligne. In: FOREY, E.; GESLOT, C. (ed.). La démocratie électronique. Paris: Harmattan, 2011. p. 83-104.

ZAGO, G. S.; RECUERO, R. C.; BASTOS, M. T. Quem Retuita Quem? Papéis de ativistas, celebridades e imprensa durante os #protestosbr no Twitter. Observatório, [S. I.], v. 9, n. 3, p. 67-83, 2015.

Publicado
2021-11-05
Como Citar
Santos, N. (2021). Novos caminhos da informação: Mediação e visibilidade nos protestos brasileiros de 2013. Revista FAMECOS, 28(1), e40365. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2021.1.40365