Gênero epistolar e redes sociais

Cartas para presos políticos no Brasil e na Catalunha

Palavras-chave: Carta, Meio digitais, Ação Política

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar um projeto de pesquisa sobre o gênero epistolar em tempos de internet cujo objeto são as campanhas para escrever cartas para presos políticos no Brasil – para o Lula – e na Catalunha, – para Jordi Cuixart e Jordi Sánchez, ativistas do movimento social pró-independência. Examinaremos a combinação entre a digitalidade e a materialidade da correspondência e os seus efeitos na esfera política. Partimos de um trabalho de campo baseado na reunião de mensagens nas redes sociais, na participação em oficinas para escritura de cartas para os presos e em uma visita ao Instituto Lula, além de entrevistas nos dois países. O acompanhamento on-line, a observação participante e as entrevistas possibilitaram, a partir da noção de correspondência e copresença, observar a imbricação do gênero epistolar com as novas formas comunicativas digitais e os modos de ação política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabel Siqueira Travancas, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutora em Literatura Comparada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; mestre em Antropologia Social pelo Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Professora associada do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura da Escola de Comunicação da UFRJ, no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Elisenda Ardévol Piera, Universitat Oberta de Catalunya (UOC), Barcelona (BCN), Espanha.

Doutora em Antropologia pela Universidad Autónoma de Barcelona. Professora Catedrática em Estudos de Artes e Humanidades da Universitat Oberta de Catalunya (UOC), Barcelona, Espanha.

Referências

ARDÈVOL, Elisenda; GÓMEZ-CRUZ, Edgar. Digital ethnography and media practices. In: DARLING-WOLF, Fabienne (ed.). The International Encyclopedia of Media Studies: Research methods in media studies. Hobeken: Wiley-Blackwell. 2013. v. 7, p. 498-518.

ARDÈVOL, Elisenda; TRAVANCAS, Isabel. Cartas para la libertad: afectos y acción política en tiempos digitales, Quaderns-e, Barcelona, v. 23, n. 2, p. 99-113, 2018.

ARDÈVOL, Elisenda; TRAVANCAS, Isabel. Materialidad digital y acción política: Las cartas a los presos políticos y su circulación en las redes sociales en Brasil y Catalunya. Etnografías Contemporanéas, 2019.

BEAULIEU, Anne. From co-location to co-presence: Shifts in the use of ethnography for the study of knowledge. Social Studies of Science, Londres, v. 40, n. 3, p. 1-18, 2010.

BETTO, Frei. Cartas da prisão. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

BEZERRA, Mirthyani. PT faz campanha para que Lula receba cartas na PF, mas nem tudo pode ser entregue. UOL. São Paulo, 17 abr. 2018. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2018/04/17/pt-faz-campanha-para-que-lula-receba-cartas-na-pf-mas-nem-tudo-pode-ser-entregue.htm. Acesso em: 13 out. 2019.

CARTAS do povo brasileiro ao presidente Lula. PT. São Paulo, 23 abr. 2018. Disponível em: https://www.pt.org.br/cartas-do-povo-brasileiro-ao-presidente-lula. Acesso em: 13 out. 2019.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: Movimentos sociais na era da internet. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CHARTIER, Roger. Formas e sentido – Cultura escrita: entre distinção e apropriação. Tradução de Meirelles Matencio. Campinas: Mercado de Letras, 2003.

COELHO, Maria Claudia Pereira. A experiência da fama. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1999.

COSTA, Diane. Preso político da ditadura fala sobre Central de Cartas a Lula. PT. São Paulo, 20 abr. 2018. Disponível em: https://pt.org.br/preso-politico-da-ditadura-fala-sobre-central-de-cartas-a-lula. Acesso em: 5 out. 2019

DI PROSPERO, Carolina. Antropología de lo digital: Construcción del campo etnografico en co-presencia. Virtualis, Zapopan, v. 8, n. 15, p. 44-60, jan./jun. 2017.

GARCIA-HERNANDORENA, Pepa. Els emigrants valencians als Estats Units d’Amèrica. Una aproximació des dels documents personals. Revista Valenciana d’Etnologia, Valencia, n. 9, p. 115-125, 2017.

GERBER, David. A. Authors of Their Lives: The Personal Correspondence of British Immigrants to North America in the Nineteenth Century. Nova Iorque: New York University Press, 2008.

GOMES, Angela de Castro (org.). Escrita de si, escrita da história. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

GRAMSCI, Antonio. Cartas do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

GUILLARD, Amandine Marie. Las cartas de la cárcel: una forma alternativa de testimoniar durante y después de la última dictadura argentina. Orbis Tertius, Hispanística XX, La Plata, v. 34, p. 63-78, dez. 2017.

HEYMANN, Luciana Quillet. Quem não tem padrinho morre pagão: fragmentos de um discurso sobre poder. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 13, n. 24, p. 325-350, 1999.

HINE, Christine. Etnografia virtual. Barcelona: Editorial UOC, 2004.

KEEN, Andrew. Vertigem digital: Por que as redes sociais estão nos dividindo, diminuindo e desorientando? Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

KOHLRAUSCH, Regina. Gênero epistolar: a carta na literatura, a literatura na carta, rede de sociabilidade, de escrita de si.... Letrônica, Porto Alegre, v. 8, n. 1, p. 148-155, jan./jun. 2015.

LUNA VILLALTA, Alfonso M; LÓPES GARCÍA, Julián. Cartas y cuentos desde las cárceles de Franco. Vínculos de Historia, Castilla de la Mancha, n. 4, p. 147-173, 2015.

MANDELA, Nelson; VENTER, Sahm; DLAMINI-MANDELA, Zamaswazi. Cartas da prisão de Nelson Mandela. São Paulo: Todavia, 2018.

MAUSS, Marcel. Sociologie et anthropologie. Paris: Quadrige PUF, 1985.

MILLER, Daniel; HORST, Heather A (ed.). Digital Anthropology. Oxford: Bergan Publishers, 2012.

PINK, Sara; ARDÈVOL, Elisenda; LANZENI, Dèbora. Digital Materialities: Design and Anthropology. London: Bloomsbury Academic, 2016.

POSTILL, John; PINK, Sarah. Social media ethnography: The digital researcher in a messy web. Media International Australia, [S. I.], v. 145, p. 123-134, nov. 2012.

ROVIRA, Guiomar. Activismo en red y multitudes conectadas: Comunicación y acción en la era de Internet. Barcelona: Icaria Antrazyt/ Universtidad Autónoma Metropolitana, 2017.

TIN, Emerson. Cartas e literatura: reflexões sobre pesquisa do gênero epistolar. In: SEMANA DE ESTUDOS DO CURSO DE LETRAS DA UNIVERSIDADE PAULISTA – UNIP, 4., 2005, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: UNIP, 20 set. 2005. Disponível em: https://www.unicamp.br/iel/monteirolobato/outros/Emerson02.pdf. Acesso em: 5 out. 2019.

Publicado
2021-06-21
Como Citar
Travancas, I. S., & Piera, E. A. (2021). Gênero epistolar e redes sociais: Cartas para presos políticos no Brasil e na Catalunha. Revista FAMECOS, 28(1), e39778. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2021.1.39778