A comunicação de crise em situações de catástrofe

O caso português do incêndio de Pedrógão Grande

Palavras-chave: Relações públicas, Crise, Comunicação de crise, Catástrofe, Pedrógão Grande

Resumo

Este artigo explora o papel da comunicação de crise em situações de catástrofe partindo do caso do incêndio de Pedrógão Grande, em junho de 2017. A extensão territorial do incêndio e, acima de tudo, o elevado número de vítimas mortais, tornaram o evento bastante mediatizado, colocando as organizações envolvidas perante uma crise que afetou a sua imagem e credibilidade. Neste sentido, pretendeu-se analisar em que medida a comunicação de crise em Pedrógão Grande correspondeu às expectativas dos diferentes públicos. Por um lado, foi averiguada a forma como as diversas entidades envolvidas geriram a comunicação face ao incêndio de Pedrógão Grande, sob o ponto de vista das instituições. Por outro, avaliou-se a perceção de alguns dos jornalistas que cobriram o evento relativamente ao acesso à informação sobre o caso. Neste trabalho reflete-se ainda sobre as perceções da opinião pública relativamente às ações tomadas pelas autoridades no âmbito da comunicação. Para atingir esses objetivos recorreu-se a uma triangulação metodológica que cruzou instrumentos de recolha de dados quantitativos e qualitativos (inquérito por questionário, entrevistas centradas e pesquisa documental). Os resultados obtidos neste trabalho sugerem que as entidades, sobretudo de âmbito nacional, não estão disponíveis para falar sobre a temática da comunicação. A análise do caso do incêndio de Pedrógão Grande revelou uma ausência de planos de comunicação de crise, falta de estratégia e falhas na preparação, o que demonstra um desfasamento entre a teoria e a prática dessa área. Perante uma catástrofe, o comandante das operações de socorro e/ou o oficial de relações públicas deveriam estar familiarizados com os princípios da comunicação de crise e a divulgação de informação operacional, por parte das autoridades políticas, deveria ter sido evitada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Fonseca Ribeiro, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Vila Real, Portugal.

Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho, em Braga, Portugal; professor auxiliar do Departamento de Letras, Artes e Comunicação da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, em Portugal.

Daniela Fonseca, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Vila Real, Portugal.

Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade da Beira Interior, Portugal. Professora Auxiliar na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Portugal.

Sara Tapa, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Vila Real, Portugal

Doutoranda do Departamento de Economia, Sociologia e Gestão da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

Referências

ANPC, Associação Nacional de Proteção Civil. Relatório do incêndio de Pedrógão Grande. 2017. Disponível em: https://www.portugal.gov.pt/media/31381809/20170707-relatorio-da-anpc-sobre-incendio-de-pedrogao-grande.pdf. Acesso em: 14 jul. 2018.

ANPC, Associação Nacional de Proteção Civil. Relatório Final do Processo de Inquérito nº 12/2017. 2017. Disponível em: http://www.ministeriopublico.pt/sites/default/files/documentos/pdf/relatorio_anpc.pdf. Acesso em: 14 jul. 2018.

BITTAR, D. O poder da assessoria de comunicação nos momentos de crise. 2012. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/bittar-danielle-o-poder-da-assessoria-de-comunicacao.pdf> Acesso em: 14 jul. 2018.

COOMBS, W. The Handbook of Crisis Communication. Singapura: Graphicraft Limited, 2010.

CTI, Comissão Técnica Independente. Análise e apuramento dos factos relativos aos incêndios que ocorreram em Pedrógão Grande, Castanheira de Pera, Ansião, Alvaiázere, Figueiró dos Vinhos, Arganil, Góis, Penela, Pampilhosa da Serra, Oleiros e Sertã, entre 17 de junho e 24 de junho de 2017. 2017. Disponível em: https://www.parlamento.pt/Documents/2017/Outubro/Relat%C3%B3rioCTI_VF%20.pdf. Acesso em: 2 maio 2018.

FEARN-BANKS, K. Crisis communications: a casebook approach. Nova Jérsia: Lawrence Erlbaum Associates, Inc., Publishers, 2007.

Lei n.º 27/2006, de 3 de julho (alterada pela Lei Orgânica n.º 1/2011, de 30 de novembro e pela Lei n.º 80/2015, de 3 de agosto, que republica o diploma). Lei de Bases da Proteção Civil. Diário da República, 149, Série I.

LOPES, M. Incêndio em Pedrógão Grande, há um ano, matou 66 pessoas, feriu 253 e atingiu 261 habitações. 2018. Disponível em: https://observador.pt/2018/06/14/incendio-em-pedrogao-grande-ha-um-ano-matou-66-pessoas-feriu-253-e-atingiu-261-habitacoes/. Acesso em: 22 de julho de 2018.

REYNOLDS, B. Crisis and Emergency Risk Communication: By Leaders for Leaders. Atlanta: Centers for Disease Control and Prevention. 2004.

REYNOLDS, B. Crisis and Emergency Risk Communication. Atlanta: Center for Disease Control and Prevention. 2014.

XX Governo Constitucional. Incêndio de Pedrógão Grande: relatório e prejuízos. 2017. Disponível em: http://www.portugal.gov.pt/media/30394726/20170703-mpi-relatorio-prejuizos.pdf. Acesso em: 7 jul. 2018.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Ribeiro, F. F., Fonseca, D., & Tapa, S. (2020). A comunicação de crise em situações de catástrofe: O caso português do incêndio de Pedrógão Grande. Revista FAMECOS, 27, e39496. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2020.1.39496
Seção
Jornalismo