As Imagens no jardim da técnica:

dispositivos, cinema e subjetividades no pensamento de Walter Benjamin

Palavras-chave: Walter Benjamin. Dispositivos. Montagem cinematográfica.

Resumo

O artigo realiza a investigação de textos do filósofo Walter Benjamin, tais como “Experiência e pobreza” (1933), “O Narrador” (1935) e “A Obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica” (1936), e aqueles diretamente sobre o tempo e a teoria do conhecimento, como o Konvolut N, de as Passagens (1929-1940), a fim de elucidar a “imagem técnica” no pensamento desse autor a partir da categoria “dispositivo midiático” em sua colaboração para a reflexão sobre a produção de subjetividades. Esses elementos possuem como base o “princípio construtivo” da montagem cinematográfica, em direta conjunção com as vanguardas culturais 1920/1930, a experiência estética moderna e o pensamento freudiano, o que evidencia no modelo epistemológico proposto por Benjamin uma peculiar e original conjunção entre estética e conhecimento. O texto foi preparado com método de revisão bibliográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaison Castro Silva, Instituto Federal do Piauí, Campo Maior, PI, Brasil.

Doutor em História pela Universidade Federal do Ceará (UFC), com doutorado sanduíche de um ano nos Estados Unidos (Bloomington, Indiana University), contando com bolsa Fulbright - CAPES. Mestre em História do Brasil pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), Bolsa CAPES. Graduado em Licenciatura plena em História pela Universidade Estadual do Piauí (2003) e em Comunicação Social Habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Piauí (2003). Possui experiência na área de Pesquisa no meio audiovisual, com ênfase nas relações Cinema e História, Cinema brasileiro, análise de filmes e análise da imagem. Dedica-se a pesquisas relacionadas a imagem cinematográfica e a atividades docentes, obtendo a conclusão do projeto de pós-doutorado vinculado ao PNPD/CAPES-UFPI, em janeiro de 2017. Atua como professor-colaborador do Mestrado em História do Brasil - UFPI, co-coordenou o Doutorado Interinstitucional (DINTER) entre o IFPI e a UFRGS na área de história (2017/2018) . Atualmente, realiza Pós-Doutorado em Comunicação, dedicando-se também a teoria da história e estética, coordenando o Grupo de pesquisas Walter Benjamin - história e estética da exceção, com parecer do CNPQ, voltado ao debate sobre os textos do filósofo alemão, vanguardas, artes, teoria e filosofia da história. De Outubro a Dezembro de 2018, participou, a convite da Prof. Susan Buck-Morss, do Seminário "Globalização e Mudança social" (Globalization and social changes), em CUNY (City University of New York), coordenado pelo prof. Gary Wilder, que promoveu debates engajando professores da comunidade novaiorquina em torno de temas relevantes da teoria, história e política contemporâneas, guiados pela palavra-chave "tradução" (translation) a partir de uma inspiração benjaminiana, uma oportunidade única de refinar teoricamente o olhar sobre Benjamin e subjetividades, assim como outras questões fundamentais. A participação no seminário se deu graças ao apoio do Prof. Gustavo Fortes Said, supervisor de pós-doutorado, e do PPGCOM/CAPES. Estuda também outras áreas da imagem, história em quadrinhos e desenvolvimento de roteiros (escrita visual).

Referências

ADORNO, Theodor. O Fetichismo na música e a regressão da audição. In: Os Pensadores: Benjamin, Habermas, Horkheimer e Adorno. Rio de Janeiro: Nova Cultural, 1983, p. 167-191.

ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

ADORNO, Theodor; BENJAMIN, Walter. Cartas 1928-1940. São Paulo: Unesp, 2012.

AGAMBEN, Giorgio. Infância e história. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

AGAMBEN, Giorgio. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007.

AGAMBEN, Giorgio. O que é dispositivo. In: ______. O que é o contemporâneo e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2011, p. 9-16.

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo. In: ______. O que é o contemporâneo e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2011, p. 17-49.

AGAMBEN, Giorgio. Estâncias. Belo Horizonte: UFMG, 2012.

AGAMBEN, Giorgio. O reino e a glória. São Paulo: Boitempo, 2012.

ALBERA, François; TORTAJADA, Maria (orgs). Cine-dispositives: essays in Epistemology, across media. Amsterdam: Amsterdam Press, 2015.

ALPERS, Svetlana. A arte de descrever. São Paulo: Edusp, 1999.

ARAGON, Louis. O Camponês de Paris. São Paulo: Imago, 1996.

BENJAMIN, Walter. A origem do drama barroco alemão. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. 7ª. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BENJAMIN, Walter. Oeuvres I. Paris: Gallimard, 2000.

BENJAMIN, Walter. Passagens.São Paulo; Belo Horizonte: Imprensa oficial de SP; EDUFMG, 2009.

BUCK-MORSS, Susan. La origén de la dialética negativa: Theodor W. Adorno, Walter Benjamin e la escola de Frankfurt. Ciudade del Mexico: Siglo XXI ed., 1981.

BUCK-MORSS, Susan. The dialectics of seeing: Walter Benjamin and the Arcades project. Cambridge: MIT Press, 1991.

BUCK-MORSS, Susan. Estética e anestética: uma reconsideração de A obra de arte de Walter Benjamin. In: BENJAMIN e a obra de arte: técnica, imagem, percepção. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012, p. 155-204.

CRARY, Jonathan. Suspensões da percepção: atenção, espetáculo e cultura moderna.São Paulo: Cosac Naify, 2013.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. 2. ed. São Paulo: Ed. 34, 1998.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Image malgré tout. Paris: Editions de Minuit, 2003.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Quando as imagens tomam posição. Belo Horizonte: EDUFMG, 2017.

DIONÍSIO, Gustavo Henrique. O analista-olho: (Im)pertinências do inconsciente ótico. In: MACHADO, Carlos Eduardo Jordão; MACHADO JR., Rubens; VEDDA, Miguel (org.). Walter Benjamin: Experiência histórica e imagens dialéticas. São Paulo: Unesp, 2014, p. 263-272.

FREITAG, Bárbara. Teoria crítica, ontem e hoje. São Paulo: Brasiliense, 1986.

FREUD, Sigmund. Sobre o Narcisismo: uma introdução. In:______. Obras psicológicas completas: edições standard brasileira (v. XIV). Rio de Janeiro: Imago, 1977, p. 89-119.

FREUD, Sigmund. Luto e melancolia. In:______. Obras psicológicas completas: edições standard brasileira (v. XIV). Rio de Janeiro: Imago, 1977, p. 245-270.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e narração em Walter Benjamin. 2. ed. rev. São Paulo: Perspectiva, 2013.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Limiar, aura e rememoração: Ensaios sobre Walter Benjamin. São Paulo: ed. 34, 2014.

HANSEN, Miriam. Benjamin, cinema e experiências: a flor azul na terra da tecnologia. In: BENJAMIN e a obra de arte. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012, p. 205-255.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Loyola, 1991.

JAMESON, Fredric. Brecht e a questão de método. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

JAY, Martin. A Imaginação dialética. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

JAY, Martin. Cantos da experiencia. Buenos Aires: Paidós, 2009.

LAGES, Susana Kampff. Walter Benjamin: tradução e melancolia. São Paulo: Edusp, 2002.

LAMBOTTE, Marie-Claude. Estética da melancolia. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2000.

LÖWY, Michael. Romantismo e messianismo. São Paulo: Debates, 2008.

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra. Fontes visuais, cultura visual, história visual. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 23, n. 45, p. 11-36, 2003.

MITCHELL, W. J. T. Mostrar o ver: Uma crítica à cultura visual.Interin, v. 1, n. 1, Curitiba, p. 1-20, 2006.

MITCHELL, W. J. T. O que as imagens realmente querem. In: ALLOA, Emmanuel et all. Pensar a imagem. Belo Horizonte: Autêntica Ed, 2015, p. 165-190.

RANCIÈRE, Jacques. O conceito de anacronismo e a verdade do historiador. In: SALOMON, Marlon (org.). História, verdade e tempo. Chapecó, SC: Argos, 2011, p. 21-50.

RIVERA, Tânia. Cinema, Imagem e Psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

WITTE, Bernd. Walter Benjamin: uma biografia. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.
Publicado
2021-09-03
Como Citar
Castro Silva, J. (2021). As Imagens no jardim da técnica:: dispositivos, cinema e subjetividades no pensamento de Walter Benjamin. Revista FAMECOS, 28(1), e39117. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2021.1.39117
Seção
Pensamento Midiático Comunicacional