Irresolução, luto e elaboração em Orestes

uma proposição histórica

Palavras-chave: Cinema, Memória, Violência, Elaboração

Resumo

Na trilha proposta pelo historiador alemão Andreas Huyssen (2014), que identifica uma preocupação central com a memória na cultura ocidental contemporânea, propomos, neste artigo, uma aproximação ao filme Orestes, atenta a seu esforço de rememoração crítica do período da ditadura militar no Brasil, entendido como força que age no presente (perpetuando um histórico de arbitrariedades e violências policiais). Sem desconsiderar suas singularidades — notadamente o uso da tragédia como máquina de compreensão histórica —, o filme de Rodrigo Siqueira nos permite examinar e especificar algumas hipóteses que desenhamos no contato com a produção fílmica contemporânea mais abrangente. Em especial a aposta em uma “estética da elaboração”: sob a sombra de um “passado que não passa”, o presente ganha centralidade nessa obra em que o próprio trabalho de elaboração da experiência, assumido em sua processualidade, encaminha a narrativa. Metodologicamente, buscamos “historicizar a estética”, como propõe Naara Fontinele dos Santos (2020): ao analisar as imagens, enredá-las na complexidade de processos históricos mais abrangentes de que os filmes participam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Cardoso Mesquita, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Possui graduação em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG — 1992), em Belo Horizonte, MG, Brasil, mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP — 2002), em São Paulo, SP, Brasil, e doutorado em Ciências da Comunicação pela USP (2006), em São Paulo, SP, Brasil. Foi documentarista do Centro de Estudos da Metrópole, em São Paulo, SP, Brasil, professora da Universidade Federal de Santa Catarina, em Florianópolis, SC, Brasil, e atualmente é professora associada da Universidade Federal de Minas Gerais, em Belo Horizonte, MG, Brasil.

Referências

AB’SÁBER, Tales. Cabra marcado para morrer, cinema e democracia. In: OHATA, Milton. (Org.). Eduardo Coutinho. São Paulo: Cosac & Naify, 2013. p. 505-522.

AB’SÁBER, Tales. Ordem e violência no Brasil. In: KUCINSKI, Bernardo. (Org.). Bala perdida: a violência policial no Brasil e os desafios para sua superação. São Paulo: Boitempo, 2015. p. 97-102.

BATISTA, Vera M. Estado de polícia. In: KUCINSKI, Bernardo (org.). Bala perdida: a violência policial no Brasil e os desafios para sua superação. São Paulo: Boitempo, 2015. p. 91-96.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1986.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra – quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2015.

BUTLER, Judith. Vida precária – os poderes do luto e da violência. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

BRASIL. Mortos e desaparecidos políticos. Relatório da CNV, v. 3. Brasília: Comissão Nacional da Verdade, 2014. Disponível em: http://cnv.memoriasreveladas.gov.br/images/pdf/relatorio/volume_3_digital.pdf

DARA, Danilo; SILVA, Débora M. Mães e familiares de vítimas do Estado: a luta autônoma de quem sente na pele a violência policial. In: KUCINSKI, Bernardo. (Org.). Bala perdida: a violência policial no Brasil e os desafios para sua superação. São Paulo: Boitempo, 2015. p. 83-90.

FREUD, Sigmund. Recordar, repetir, elaborar: novas recomendações sobre a técnica da psicanálise II. In: FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud [ESB]. Vol. 12. Rio de Janeiro: Imago, 1996. p. 163-171.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. Memória, história, testemunho. In: GAGNEBIN, Jeanne-Marie. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. O preço de uma reconciliação extorquida. In: SAFATLE, Vladimir; TELES, Edson. (Orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010. p. 177-186.

GODARD, Jean-Luc; ISHAGHPOUR, Youssef. Archéologie du cinéma et mémoire du siècle (dialogue). Tours: Farrago, 2000.

HUYSSEN, Andreas. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio

de Janeiro: Contraponto, 2014.

KEHL, Maria R. Duas chacinas em São Paulo – a mesma polícia, o mesmo governo. In: KUCINSKI, Bernardo. (Org.). Bala perdida: a violência policial no Brasil e os desafios para sua superação. São Paulo: Boitempo, 2015. p.75-81.

KEHL, Maria R. Tortura e sintoma social. In: SAFATLE, Vladimir; TELES, Edson. (Orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010. p. 123-132.

KUCINSKI, Bernardo. (Org.). Bala perdida: a violência policial no Brasil e os desafios para sua superação. São Paulo: Boitempo, 2015.

MESQUITA, Cláudia. Orestes: luto incompleto e estética da elaboração. In: VALE, Glaura. (Org.). Catálogo do forumdoc.bh – festival do filme documentário e etnográfico de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Filmes de Quintal, 2015.

MESQUITA, Cláudia. O presente como história – estéticas da elaboração no cinema brasileiro contemporâneo. Anais da COMPÓS XXVII, 2018, Belo Horizonte. Disponível em: http://www.compos.org.br/data/arquivos_2018/trabalhos_arquivo_2NKMPPW1CFX14EJ10BEJ_27_6219_26_02_2018_07_23_01.pdf

MINGARDI, Guaracy. Apresentação. In: KUCINSKI, Bernardo. (Org.). Bala perdida: a violência policial no Brasil e os desafios para sua superação. São Paulo: Boitempo, 2015. p. 13-17.

MORENO, Jacob L. O teatro da espontaneidade. São Paulo: Summus, 1984.

PANH, Rithy. Sou um agrimensor de memórias e A palavra filmada. In: MAIA, Carla; FLORES, Luis F. (Orgs.). O cinema de Rithy Panh. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2013.

PINTO, Antônio C.; MARTINHO, Francisco C. (Orgs.).Um passado que não passa – a sombra das ditaduras na Europa do Sul e na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

REZENDE, Patrick A. Corpos sem nomes, nomes sem corpos – desconhecidos, desaparecidos e a constituição da pessoa. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

SAFATLE, Vladimir; TELES, Edson. (Orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010.

SANTOS, Naara F. Lorsque le cinéma s ́occulte et s´étend au coeur du desordre – puissances critiques du documentaire brésilien (1960-1976) (Tese de Doutorado em Estudos Cinematográficos e Audiovisuais) – Paris 3/Universidade Federal de Minas Gerais, Paris/Belo Horizonte, 2020.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. O local do testemunho. Tempo e argumento, v. 2, n. 1, p. 3-20, 2010. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/download/1894/1532

SIQUEIRA, Rodrigo. (Direção). Orestes. São Paulo: 7Estrelo Filmes, 2015. 1 DVD (93 min.), color.

SOARES, Luiz Eduardo. Desmilitarizar. São Paulo: Boitempo, 2019.

WILLIAMS, Raymond. Tragédia moderna. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

Publicado
2021-09-03
Como Citar
Mesquita, C. C. (2021). Irresolução, luto e elaboração em Orestes: uma proposição histórica. Revista FAMECOS, 28(1), e38799. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2021.1.38977