Trajetórias profissionais de assessores de imprensa e jornalistas de mídia

Palavras-chave: Assessoria de Imprensa, Trajetória profissional, Campo jornalístico

Resumo

O objetivo do trabalho foi analisar a trajetória de jornalistas que atuam nas assessorias de imprensa da Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina (Alesc), na esfera política em interação com jornalistas de mídia, e as estratégias de legitimação utilizadas para demarcar o seu pertencimento ao campo jornalístico. A perspectiva teórica focalizada nos conceitos de campo, capital e habitus da sociologia bourdieusiana conduz a análise. As informações analisadas foram coletadas em questionário aplicado a 36 profissionais que atuam na Alesc. O perfil dos assessores se aproxima ao de jornalistas dos meios de comunicação caracterizado pela juvenilização, profissionalização e maior formação. O ingresso no subcampo da assessoria se dá mediante capitais advindos de concurso público ou da trajetória pessoal em mídias. A migração para o subcampo da assessoria de imprensa é justificada pelas compensações da visibilidade do campo político, estabilidade e segurança. O habitus adquirido na formação permite o compartilhamento de informações com os jornalistas de mídia e trânsito entre os campos da assessoria e do jornalismo. A legitimação e a demarcação de posições se efetuam pelo uso dos códigos do jornalismo midiático.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Louize Deliberali Rosso, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Ponta Grossa, PR, Brasil.

Doutora e mestre em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, SC, Brasil; professora colaboradora do Departamento de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa, em Ponta Grossa, PR, Brasil.

Jacques Mick, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil.

Doutor em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil; professor dos Programas de Pós-Graduação em Jornalismo e em Sociologia e Ciência Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, SC, Brasil.

Referências

ADGHIRNI, Z. L. O jornalista: do mito ao mercado. Estudos em Jornalismo e Mídia, Florianópolis, v. 2, n. 1, p. 45-57, 1. sem. 2005. DOI: https://doi.org/10.5007/%25x.

AUGUSTI, A. R. As relações de poder do campo jornalístico: reflexões sobre as notícias como construção social. Rebej: revista brasileira de encisono do jornalismo (Brasília), Brasília, DF, v. 1, p. 5-24, 2010.

BENEDETI, C. A. A qualidade da informação jornalística: do conceito à prática. Florianópolis: Insular, 2009.

BOURDIEU, P. As regras da arte: a gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

BOURDIEU, P. Homo academicus. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2011b.

BOURDIEU, P. O campo científico. In: ORTIZ, Renato (org.). Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática, 1983. (Coleção Grandes Cientistas Sociais, n. 39).

BOURDIEU, P. O Poder Simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 10. ed., 2007.

BRASIL, Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CES nº 1, de 27 de setembro de 2013. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Jornalismo, bacharelado, e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 27 de set. 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=14242-rces001-13&category_slug=setembro-2013-pdf&Itemid=30192.

CAZZAMATTA, R. Sobre o papel das agências de Relações Públicas durante guerras e conflitos. Estudos em Jornalismo e Mídia, Florianópolis, v. 14, n. 1, p. 25-38, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.5007/1984-6924.2017v14n1p25

CERQUEIRA, L. J. No espaço midiático digital, o indivíduo está bêbado de si mesmo (Entrevista realizada com Carlos Miguel Ruiz Caballero). Estudos de Jornalismo e Mídia, Florianópolis, v. 15, n. 1, p. 165-173, 2018. DOI: https://dx.doi.org/10.5007/19846924.2018v15n1p165

CHAPARRO, M. C. Cem anos de Assessoria de Imprensa. In: DUARTE, J. (org.). Assessoria de Imprensa e Relacionamento com a Mídia: teoria e técnica. São Paulo: Atlas, 2011, p. 33-51.

DEVILLARD, V. Les trajectoires des journalistes détenteurs de carte de presse entre 1990 et 1998. La montée de la précarité. Communication & Langages, Paris, v. 133, 2002 p. 21-32. Disponível em: https://www.persee.fr/doc/colan_0336-1500_2002_num_133_1_3152

DUARTE, J. A. M. Assessoria de Imprensa: o caso brasileiro. 2001. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. XXIV, n. 1, p. 79-105, 2001. Disponível em: http://www.portcom.intercom.org.br/revistas/index.php/revistaintercom/article/viewFile/1017/919.

FENAJ, Federação Nacional dos Jornalistas. Manual de assessoria de comunicação: Imprensa. Brasília: 2007.

FERRARETTO, E. K.; FERRARETTO, L. A. Assessoria de imprensa: teoria e prática. São Paulo: Summus, 2009.

FIALHO, F. M. As múltiplas definições do conceito de Capital Social. BIB: Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, São Paulo, n.º 65, p. 71-87, 1. sem. 2008.

FONSECA, V. P. S. Jornalismo, ação racional conforme os fins e os valores. E-Compós: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, Brasília, v. 19, n. 1, p. 1-14, jan./abr. 2016. DOI: https://doi.org/10.30962/ec.1149

FRISQUE, C Précarisation du journalisme et porosité croissante avec la communication. Les Cahiers du journalisme, [s. l.], n. o 26. p. 94-115, 2014. Disponível em: http://www.cahiersdujournalisme.net/pdf/26/06_FRISQUE.pdf

GOMES, W.; MAIA, R. C. M. Comunicação e democracia: problemas & perspectivas. São Paulo: Paulus, 2008.

HELOANI, R. O trabalho do jornalista: estresse e qualidade de vida. Interações, São Paulo, v. Xll, n. 22, p. 171-198, jul./dez. 2006. Disponível em: https://pesquisa-eaesp.fgv.br/sites/gvpesquisa.fgv.br/files/arquivos/35402208.pdf

HERMANO, R. T. C. Pierre Bourdieu: a teoria na prática. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, p. 27-55, jan/fev. 2006.

LELO, Thales Vilela. A precarização das condições de trabalho dos jornalistas de São Paulo segmentada por faixas etárias: Uma identidade profissional em risco? Tempo social, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 243-261, 2019. DOI: https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.146626

MAFEI, M. Assessoria de Imprensa: como se relacionar com a mídia. São Paulo: Contexto, 2008.

MARCHETTI, D. Les sous-champs specialises du journalisme. Réseaux, Mons, Belgica, BE, v. 111, n. 1, p 22-55, 2002. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-reseaux1-2002-1-page-22.htm

MARQUES, F. P. J. A.; MIOLA, E.; SIEBRA, N. Jornalismo, assessoria de imprensa e seus condicionantes organizacionais: uma reflexão a partir das teorias do jornalismo. Animus: Revista Interamericana de Comunicação Midiática, Santa Maria, RS, v. 13, n. 25, p. 145-166, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/217549779068

MARTELETO, R. M.; SILVA, A. B. de O. Redes e capital social: o enfoque da informação para o desenvolvimento local. Ciência da informação, Brasília, DF, v. 33, n. 3, p. 41-49, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-19652004000300006

MAURÍCIO. P. A desintegração do modelo de negócios do jornalismo e tentativas para financiar reportagens de qualidade na internet. ALCEU: Revista de Comunicação, Cultura e Política, Rio de Janeiro, v. 18, n. 35, p. 62-78, jul./dez. 2017. Disponível em: http://revistaalceu-acervo.com.puc-rio.br/media/A05_p62-78.pdf

MICK, J.; LIMA, S. (coord.). Perfil do jornalista brasileiro: Características demográficas, políticas e do trabalho jornalístico em 2012. Florianópolis: Insular Livros, 2013.

MIGUEL, L. F. Os meios de comunicação e a prática política. Lua Nova: Revista de Cultura Política, São Paulo, v. 56 p. 155-184, 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-64452002000100007

NASCIMENTO, L. Um diploma em disputa: a obrigatoriedade do diploma em jornalismo no Brasil. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 141-150, 2011. DOI: https://doi.org/10.5216/sec.v14i1.15688

ORTIZ, Renato (org.). Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática, 1983. (Coleção Grandes Cientistas Sociais, n. 39).

PETRARCA, Fernanda Rios. O jornalismo como profissão: recursos sociais, titulação acadêmica e inserção profissional dos jornalistas no Rio Grande do Sul. Tese (Doutorado) - UFRG, Porto Alegre, 2007. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/10761/000601473.pdf?sequence=1.

PORTES, A. Capital Social: origens e aplicações na sociologia contemporânea. Sociologia, Problemas e Práticas, [s. l.], n°33, p. 133-158, 2000. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/spp/n33/n33a06.pdf

RIBEIRO, V. O campo e o triângulo operacional da assessoria de imprensa. In: GONÇALVES, G.; GUIMARÃES, M. Fronteiras e Fundamentos Conceptuais das Relações Públicas. Covilhã: Livros LabCom, 2014. v. 1, p. 65-87.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Altas, 2009.

RUELLAN, D. Corte e costura do jornalismo. Líbero, [s. l.], Ano IX - nº 18 - Dez 2006, p. 31-40. DOI: http://casperlibero.edu.br/wp-content/uploads/2014/05/ Corte-e-costura-do-jornalismo.pdf.

SILVA, M. P. da. As dissonâncias cotidianas nas rotinas dos jornais: o habitus jornalístico e a atribuição de um sentido hegemônico às notícias. Estudos em Jornalismo e Mídia, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 69-84, 2013. DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2013v10n1p69

STANDING, G. O precariado: a nova classe perigosa. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

TAMBOSI, O. Informação e conhecimento no jornalismo. Estudos em Jornalismo e Mídia, Florianópolis, v. 2, n. 2, p. 31-37, 2005. DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

TORQUATO, G. Tratado de comunicação organizacional e política. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

TRAVANCAS, I. S. O mundo dos jornalistas. São Paulo: Summus editorial, 1992.

WEBER, M. H. O estatuto da Imagem Pública na disputa política. ECO-Pós, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, p. 11-26, 2009. DOI: https://doi.org/10.29146/eco-pos.v12i3.929

Publicado
2020-12-22
Como Citar
Rosso, A. L. D., & Mick, J. (2020). Trajetórias profissionais de assessores de imprensa e jornalistas de mídia. Revista FAMECOS, 27, e38661. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2020.1.38661
Seção
Jornalismo