A arqueologia das mídias e uma nova agenda para os estudos de cinema

Palavras-chave: Arqueologia da mídia, História do cinema, Teoria cinematográfica, Thomas Elsaesser, Genealogia

Resumo

Resenha do livro Cinema como Arqueologia das Mídias, de Thomas Elsaesser, lançado em 2018. Trata-se de uma obra importante para a atual agenda dos estudos de cinema. Com um argumento consistente, Elsaesser sugere uma compreensão do impacto da tecnologia digital no cinema a partir de uma perspectiva arqueológica, a qual possui a descontinuidade histórica como um dos seus primados. Dessa forma, o autor revisita conceitos e metodologias essenciais dos estudos de cinema, tais como dispositivo, linguagem e narrativa, origem do cinema, pesquisas com espectadores e, até mesmo, o impacto do chamado “cinema de atrações”, no período do “primeiro cinema”. A cada revisão desses conceitos, Elsaesser aponta que o estudo de descontinuidades pode gerar um profundo impacto nos estudos de cinema contemporâneos. O autor alemão também apresenta o conceito de poética da obsolescência, ressaltando cineastas e artistas visuais com projetos estéticos afins à arqueologia da mídia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pablo Gonçalo, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil.

Doutor em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Pós-doutorado EM Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil. Professor da Universidade de Brasília (UnB), em Brasília, DF, Brasil.

Referências

CASSETI, Francesco. The Lumière Galaxy: seven keywords for the cinema to come. Nova York: Columbia University Press, 2015. https://doi.org/10.7312/columbia/9780231172431.001.0001

ELSAESSER, Thomas. Film History as Media Archeology: tracking digital cinema. Amsterdam: Amsterdam University Press, 2016. https://doi.org/10.2307/j.ctt1zxskjv

ELSAESSER, Thomas. Cinema como arqueologia das mídias. São Paulo: SESC Edições, 2018.

FOUCAULT, Michel: Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2014.

GUNNING, Tom. D. W. Griffith and the origins of the American narrative film: the early years at biograph. Chicago: University of Illinois Press, 1993.

HANSEN, Mirian. Babel and Babylon: spectatorship in American silent film. Boston: Harvard University Press, 1994.

MULVEY, Laura. Visual and other Pleasures. Londres: Palgrave Macmillan, 2009.

PARIKKA, Jussi. What is Media Archeology? Cambridge: Polity Press, 2012.

RODOWICK, David. The Virtual Life of Film. Boston: Harvard University Press, 2007. https://doi.org/10.4159/9780674042834

ZIELIENSKI, Siegfried. Arqueologia da Mídia: busca do tempo remoto do ver e do ouvir. São Paulo: Annablume, 2008.

Publicado
2020-12-17
Como Citar
Gonçalo, P. (2020). A arqueologia das mídias e uma nova agenda para os estudos de cinema. Revista FAMECOS, 27, e37720. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2020.1.37720
Seção
Resenha