Da reportagem hipermídia ao feed do Facebookl

O processo de circulação de mensagens pós-recepção sobre o racismo no Brasil

Palavras-chave: Reportagem hipermídia, Midiatização, TAB

Resumo

Dentre os gêneros jornalísticos, a reportagem é o de maior aprofundamento. Quando ambientada na internet, passa a ser hipermidiática e, potencialmente, mais imersiva. No entanto, reportagens hipermídias são alocadas em ambientes fechados, o que faz com que seus produtores as distribuam em redes sociais digitais. Assim, como se daria o processo de recepção e pós-recepção de reportagens do tipo em tais situações? Para responder a essa questão, investigou-se o processo de pós-recepção a partir de mensagens de usuários do Facebook sobre dois vídeos extraídos de reportagem hipermídia veiculada pelo TAB. Foi utilizada a metodologia proposta por Braga (2006) para a análise do dispositivo social de resposta, bem como duas entrevistas, sendo uma em profundidade. Os resultados indicam que a hiperdistribuição das redes sociais amplifica o alcance das mensagens, mas há incompreensões inerentes ao processo, devido à existência de subsistemas distintos de recepção compartilhando omesmo espaço de pós-recepção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Liliane de Lucena Ito, Centro Universitário Sagrado Coração (UNISAGRADO), Bauru, SP, Brasil.

Doutora em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Bauru, SP, Brasil. Coordenadora e docente do curso de Jornalismo do Centro Universitário Sagrado Coração (Unisagrado), Bauru, SP, Brasil.

Referências

BERTOLOTTO, Rodrigo. Segregação à brasileira. UOL TAB [on-line], [s. l.], 2016. Disponível em: https://tab.uol.com.br/racismo/. Acesso em: 2 abr. 2020.

BOLTER, Jay David; GRUSIN, Richard. Remediation: understanding new media. Massachusetts: MIT Press, 2000.

BRAGA, José Luiz. A sociedade enfrenta sua mídia: dispositivos sociais de crítica midiática. São Paulo: Paulus, 2006.

CANAVILHAS, João; SATUF, Ivan; LUNA, Diógenes de; TORRES, Vitor. Jornalistas e tecnoatores: dois mundos, duas culturas, um objetivo. Revista Esferas, [s. l.], ano 3, n. 5, p. 85-95, jul./dez, 2014. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/esf/article/view/5690. Acesso em: 2 abr. 2020.

COSTA, Caio Túlio. Um modelo de negócios para o jornalismo digital. Revista de Jornalismo ESPM, [s. l.], v. 9, p. 51-115, 2014.

FAUSTO NETO, Antônio. Fragmentos de uma analítica da midiatização. Matrizes, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 89-105, abr. 2008. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/matrizes/article/view/38194/40938. Acesso em: 2 abr. 2020. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v1i2p89-105.

HJARVARD, Stig. Midiatização: teorizando a mídia como agente de mudança social e cultural. Matrizes, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 53-91, jan./jun. 2012. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/matrizes/article/view/38327/41182. Acesso em: 2 abr. 2020.

HEPP, Andreas. As configurações comunicativas de mundos midiatizados: pesquisa da midiatização na era da “mediação de tudo”. Matrizes, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 45-64, jan./jun. 2014. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/matrizes/article/view/82930/85964. Acesso em: 2 abr. 2020.

LARRONDO URETA, Ainara. La metamorfosis del reportaje en el ciberperiodismo: concepto y caracterización de un nuevo modelo narrativo. Comunicación y Sociedad, Navarra, v. XXII, n. 2, p. 59-88, 2009. Disponível em: https://revistas.unav.edu/index.php/communication-and-society/article/view/36258. Acesso em: 2 abr. 2020.

LONGHI, Raquel. O turning point da grande reportagem multimídia. Famecos, Porto Alegre, v. 21, n. 3, p. 897-917, set./dez. 2014. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/18660/12569. Acesso em: 2 abr. 2020. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2014.3.18660.

SANTAELLA, Lucia. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.

SODRÉ, Muniz. Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis: Vozes, 2002.

TRAQUINA, Nelson. O estudo do jornalismo no século XX. São Leopoldo: Unisinos, 2001.

VERÓN, Eliseo. Teoria da midiatização: uma perspectiva semioantropológica e algumas de suas consequências. Matrizes, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 13-19, jan./jun, 2014. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/matrizes/article/view/82928. Acesso em: 2 abr. 2020.

VERÓN, Eliseo. El cuerpo de las imágenes. Buenos Aires: Editorial Norma, 2001.

Publicado
2021-01-07
Como Citar
Ito, L. de L. (2021). Da reportagem hipermídia ao feed do Facebookl: O processo de circulação de mensagens pós-recepção sobre o racismo no Brasil. Revista FAMECOS, 27, e37546. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2020.1.37546
Seção
Jornalismo