Representação do punk rock paulista em capas de disco

Palavras-chave: Punk rock, Capa de disco, Representação

Resumo

A proposta deste artigo é analisar as formas de representação do punk rock de São Paulo e da região do ABC paulista nas imagens das capas de discos long playing (LP). As noções de representação e cultura, a partir de Stuart Hall (2016), e texto cultural e semiosfera, de Iuri Lotman (1996), serão as bases para oentendimento da capa enquanto elemento cultural de mediação. 26 discoscompõem o corpus analisado, sendo três coletâneas seminais do movimento e 23 lançados por sete bandas paulistas importantes na década de 1980 e início de 1990: Cólera, Garotos Podres, Inocentes, Mercenárias, Olho Seco, Ratos de Porão e Restos de Nada. As representações ocorrem em imagens figurativas e abstratas de quatro maneiras básicas: colagem e estética “suja”; figuração do personagem punk; imagens de violência, abjeção e tensão; críticas ao capitalismo e à sociedade de consumo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Herom Vargas, Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), São Bernardo do Campo, SP, Brasil.

Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), em São Paulo, SP, Brasil; professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social (PósCom) da Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), em São Bernardo do Campo, SP, Brasil.

Renan Marchesini de Quadros Souza, Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), São Bernardo do Campo, SP, Brasil.

Doutorando em Comunicação pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), em São Bernardo do Campo, SP, Brasil.

Referências

ALLEYNE, M. After the Storm: Hipgnosis, Storm Thorgerson, and the rock album cover. Rock Music Studies, Tennessee, v. 1, n. 3, p. 251-267, jul. 2014. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/271757849_After_the_Storm_Hipgnosis_Storm_Thorgerson_and_the_Rock_Album_Cover. https://doi.org/10.1080/19401159.2014.949553

AUMONT, J. A imagem. Campinas: Papirus, 1993.

BARCINSKI, A. João Gordo: viva la vida tosca. Rio de Janeiro: DarkSide Books, 2016.

BIVAR, A. O que é punk. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1988.

BORGES, L. F. R. Revista Pop e suas páginas coloridas: consumo e estética. Revista ECO-PÓS, Rio de Janeiro, RJ, v. 8, n. 1, p. 86-99, jan./jul. 2005. Disponível: https://revistas.ufrj.br/index.php/eco_pos/article/view/1097.

CARDOSO, R. Design para um mundo complexo. São Paulo: Ubu, 2016.

DE VILLE, N. Album: style and image in sleeve design. London: Mitchell Beazley, 2003.

DONDIS, D. A. Sintaxe da linguagem visual. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

GOZZI, R.; BELINTANI, D. Kid Vinil: um herói do Brasil. São Bernardo do Campo: Edições Ideal, 2015.

HALL, S. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Apicuri/ PUC-Rio, 2016.

INGLIS, I. “Nothing you can see that isn’t shown”: the album covers of the Beatles. Popular Music, London, v. 20, n. 1, p. 83-97, 2001. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/853696?seq=1. https://doi.org/10.1017/S0261143001001325

JONES, S.; SORGER, M. Covering music: a brief history and analysis of album cover design. Journal of Popular Music Studies, California, v. 11, n. 1, p. 68-102, 1999. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1533-1598.1999.tb00004.x. https://doi.org/10.1111/j.1533-1598.1999.tb00004.x

LOTMAN, I. La semiosfera I. Semiótica de la cultura y del texto. Madrid: Ediciones Cátedra, 1996.

MCNEIL, L.; MCCAIN, G. Mate-me por favor: uma história sem censura do punk - vol. II. Porto Alegre: L&PM, 2004.

MELNICK, M. A.; MEYER, F. Na estrada com os Ramones. São Bernardo do Campo: Edições Ideal, 2013.

MESTRINER, F. Design de embalagem: curso avançado. São Paulo: Makron Books, 2002.

NASCIMENTO, C. T.; PAIVA, M. R. Meninos em fúria: e o som que mudou a música para sempre. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2016.

NEGUS, K. Producing pop: culture and conflict in the popular music industry. Londres: Edward Arnold, 1992.

O’HARA, C. A filosofia do punk: mais do que barulho. São Paulo: Radical Livros, 2005.

REZENDE, André Neves de. Da Lapa para a capa: estudo intersemiótico das capas de discos de samba vinculadas à imagem do malandro. 2006. 111 f. Dissertação (Mestrado em Educação, Arte e História da Cultura). Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), São Paulo, 2006.

RODRIGUES, J. L. C. Tinindo, trincando: o design gráfico no tempo do desbunde. Conexão – Comunicação e Cultura, Caxias do Sul, RS, v. 5, n. 10. p. 72-102, jul./dez. 2006. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/conexao/article/view/217.

SASTRE, R. M.; MARTEL, M. Do vinil ao MP3: análise evolutiva das embalagens de discos no Brasil. Arcos Design, Rio de Janeiro, RJ, v. 9, n. 1, p. 121-136, 2016. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/arcosdesign/article/view/13586. https://doi.org/10.12957/arcosdesign.2016.13586

VARGAS, Herom; BRUCK, Mozahir S. Memória visual e representação do rock e da jovem guarda nas capas de discos LP (1959-1970). E-Compós, São Bernardo do Campo, SP, v. 23, p. 1-26, 2020. https://doi.org/10.30962/ec.2007

VICENTE, E. Da vitrola ao iPod – uma história da indústria fonográfica no Brasil. São Paulo: Alameda, 2014.

Audiovisual

BOTINADA: A origem do Punk no Brasil. Direção: Gastão Moreira. São Paulo: Toro Company Productions, 2006. Documentário (76 min), son., cor. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=22lSR-o4n98 Acesso em: 7 jun. 2019.

GUIDABLE: a verdadeira história do Ratos de Porão. Direção: Fernando Rick e Marcelo Appezzato, 2008. São Paulo: Black Vomit, 2008. Documentário (121 min), son., cor. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=DDHlCywn0nA. Acesso em: 7 jun. 2019.

Publicado
2020-12-22
Como Citar
Vargas, H., & Souza, R. M. de Q. (2020). Representação do punk rock paulista em capas de disco. Revista FAMECOS, 27, e36731. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2020.1.36731
Seção
Mídia e Cultura