Os memes de Lula na Operação Lava Jato

Palavras-chave: Memes, Lula, Operação Lava Jato

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar memes sobre a condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2016. A fundamentação teórico-metodológica está ancorada na Análise do Discurso de linha foucaultiana. O corpus analisado, memes retirados de três sites noticiosos e de jornais online, desconstroem a imagem de Lula graças às suas filiações a formações discursivas opostas a ele. O campo simbólico das imagens torna-se uma arena para a confrontação ideológica e a disputa de sentidos, no contexto sócio-histórico de crise política instaurada pela Operação Lava Jato. Compreendemos que, no cenário da interatividade e da convergência midiática, o dito e o não dito coexistem na superfície dos memes, construindo significações a partir dos jogos de visibilidade e de invisibilidade das imagens. No movimento discursivo das imagens analisadas, observamos a construção de efeitos derrisórios calcados no corpo do petista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriano Charles da Silva Cruz, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Doutor em Letras – Linguagens e Cultura, pela Universidade Federal da Paraíba (UFFPB); pós-doutor em Comunicação pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo; mestre pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); especialista em Jornalismo Econômico (UFRN) e especialista em Ética (UFRN). Graduado em Comunicação Social – Habilitação em Jornalismo, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Coordena o Grupo de Pesquisa Cicult -Círculo de Cultura Visual (UFRN/CNPq).

Itamar de Morais Nobre, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); pós-doutor pelo Centro de Estudos Sociais (CES), Universidade de Coimbra/Portugal, mestre em Ciências Sociais (Cultura e Representações) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); graduado em Comunicação Social (Jornalismo) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), com especialização em Antropologia.

Referências

AQUINO, Ruth. Mente aberta. Época, 30 de março de 2012. Disponível em: http://revistaepoca.globo.com/Mente-aberta/ruth-de-aquino/noticia/2012/03/voz-de-lula.html. Acesso em: 20 jun. 2018.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BLACKMORE, Susan. The meme machine. Oxford: Oxford University Press, 2000.

BLOG BANDA B. Meme CC4. [S. l.: s. n.]: 2016. Disponível em: https://www.bandab.com.br/geral/176708/. Acesso em: 31 out. 2019.

BLOG BANDA B. Meme CC5. [S. l.: s. n.]: [201?]. Disponível em: https://www.bandab.com.br/geral/176708/. Acesso em: 31 out. 2019.

COURTINE, Jean-Jacques. Decifrar o corpo: pensar com Foucault. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

COURTINE, Jean-Jacques. O corpo anormal: História e antropologia culturais da deformidade. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges (org.). História do Corpo: 3. as mutações do olhar: o século XX. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

DAWKINS, Richard. O Gene Egoísta. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

DELEUZE, Gilles. Post Scriptum sobre as sociedades de controle. In: DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992.

EXTRA GLOBO. Meme CC 2. [S. l.: s. n.]: [201?]. Disponível em: https://glo.bo/2xPj4ZH. Acesso em: 31 out. 2019.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. Os Anormais. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

GOMES, Marcus Alan de Melo. Crítica à cobertura midiática da operação Lava Jato. Revista Brasileira de Ciências Criminais, São Paulo, v. 122, p. 229-253, 2016.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Trad. Enio Paulo Giachini. Petrópolis: Vozes, 2015.

HJARVARD, Stig. A midiatização da cultura e da sociedade. São Leopoldo: Unisinos, 2014.

KUJAWSKI, Gilberto de Mello. O linguajar de Lula. O Estado de São Paulo, 17 fev. 2005, Espaço Aberto, p. A2.

MERCIER, Arnaud. Pouvoirs de la dérision, dérision des pouvoirs. (Introduction) Hermés, Revue. Dérision, contestation, CNRS, n. 29, p. 9-18, 2001. https://doi.org/10.4267/2042/14482.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, 2009.

PAPIRO SÉC. XXI. Meme Lula/Jararaca. [S. l.: s. n.]: 2016. Disponível em: https://bit.ly/2OJuJ2u. Acesso em: 31 out. de 2019.

PRADELLA, Thiago. Leia o manifesto dos Advogados que comparam Lava Jato à inquisição. [S. l.: s. n.]: [201?]. Disponível em: https://pradella.jusbrasil.com.br/noticias/297190364/leia-o-manifesto-dos-advogados-que-comparam-lava-jato-a-inquisicao. Acesso em: 20 jul. 2018.

REVERBEL, Paula. Grupos pró e contra Lula se enfrentam. Folha de S. Paulo, São Paulo, 05 mar 2016, Poder, p. A11.

OLIVEIRA, Felipe Henrique Monteiro. Corpos diferenciados: a criação da performance ‘Kahlo em mim eu e(m) Kahlo’. Maceió: EDUFAL, 2013.

SHIFMAN, Limo. Memes in digital culture. Cambridge: MIT, 2014. https://doi.org/10.7551/mitpress/9429.001.0001.

SILVA, Marcos Sérgio. Um dedo de discórdia. Disponível em: https://revistatrip.uol.com.br/trip/um-dedo-de-discordia. Acesso em: 10 ago. 2018.

TRIBUNA PR. Meme CC. [S. l.: s. n.]: 2016. Disponível em: https://bit.ly/2DIyiVt. Acesso em: 31 de out. de 2019.

TRIBUNA PR. Meme CC 3. [S. l.: s. n.]: 2016. Disponível em: https://bit.ly/2DIyiVt. Acesso em: 31 de out. de 2019.

VEJA. Capa de Veja. São Paulo, edição 2409, ano 49, n. 11, 16 mar. 2016.

Publicado
2020-09-17
Como Citar
Cruz, A. C. da S., & Nobre, I. de M. (2020). Os memes de Lula na Operação Lava Jato. Revista FAMECOS, 27, e36275. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2020.1.36275
Seção
Cibercultura