O televisionamento do mundo

Movimentos no tempo entre o dentro e o fora da televisão

Palavras-chave: Historicidade, Televisionamento, Televisão

Resumo

A televisão historicamente vem sendo pensada por meio de uma série de relações dicotômicas, que propõem um “dentro” e um “fora” bem delimitados e pacificados. Em contraposição a essa perspectiva, neste artigo, buscamos desenvolver um exercício reflexivo e historicizante sobre modos de entendimento da TV, a partir de um termo que já foi muito usado, mas que vem caindo em desuso nos últimos anos: trata-se do substantivo “televisionamento”. A partir da recuperação da força dessa metáfora e da exploração de certos fenômenos midiáticos atuais (advindos da TV “convencional” e do YouTube, por exemplo), propomos um passeio sobre diferentes textualidades televisivas, abordando algumas de suas transformações, questionando perspectivas autocentradas. Concluímos ressaltando a importância de se abandonar análises midiacêntricas a fim de se compreender a formação e a experiência dos telespectadores atuais, bem como as novas realidades que estão sendo construídas em meio a esse televisionamento do mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Souza Leal, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Professor titular do Departamento de Comunicação/FAFICH e pesquisador permanente do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte, MG, Brasil.

Phellipy Jácome, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Doutor em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte, MG, Brasil; professor do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais, em Belo Horizonte, MG, Brasil.

Felipe Borges, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Doutorando e mestre em Comunicação e Sociabilidade Contemporânea pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte, MG, Brasil.

Referências

ABELL, John C. Nielsen: the past, the present, but not the future of TV. Reuters. 22 fev. 2013. Disponível em: http://blogs.reuters.com/mediafile/2013/02/22/nielsen-the-past-the-present-but-not-the-future-of-tv/. Acesso em: 15 dez. 2018.

ABRIL, Gonzalo. Análisis crítico de textos visuales. Madrid: Síntesis, 2007.

ÁLVAREZ MONZONCILLO, José María. Las nuevas televisiones: personalización e individualización. In: ÁLVAREZ MONZONCILLO, José María. La televisión etiquetada: nuevas audiencias, nuevos negocios. Madrid: Fundación Telefónica, 2011.

ALZAMORA, Geane; SALGADO, Tiago; DIAS, Emmanuelle. Estranhar os Algoritmos: Stranger Things e os Públicos de Netflix. Revista Geminis, [s. l.], v. 8, p. 40-59, 2017.

ANTUNES, Elton; VAZ, Paulo. “Mídia: um halo, um aro, um elo”. In: FRANÇA, V.; GUIMARÃES, C. (org.). Narrativas do cotidiano. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. p. 43-60.

ANTUNES, Elton; MAFRA, Rennan; JÁUREGUI, Carlos. Mídia em trânsito, mídia em transe: textualização, epifania e distanciação. In: LEAL, Bruno; CARVALHO, Carlos Alberto; ALZAMORA, Geane. (org.). Textualidades midiáticas. 1ed. Belo Horizonte: PPGCom/UFMG, 2018. v. 1, p. 35-57.

ANDERSON, C. W.; BELL, Emily; SHIRKY, Clay. Jornalismo pós-industrial – adaptação aos novos tempos – Relatório para o Tow Center for Digital Journalism da Columbia Journalism School. Revista de Jornalismo ESPM, [s. l.], abr./jun. 2013. tradução de Ada Felix.

CALDWELL, John T. Televisuality. Nova York: Rutgers University Press, 1995.

CARLÓN, Mario. ¿Autopsia a la televisión? Dispositivo y lenguaje en un fin de una era. In: CARLÓN, Mario; SCOLARI, Carlos. El fin de los medios masivos: El comienzo de un debate. Buenos Aies, Ed. La Crujía, 2009.

CASETTI, Francesco; ODIN, Roger. De la paléo- à la néo-télévision: approche sémiopragmatique. Communications, [s. l.], n. 51. 9-26, 1990. https://doi.org/10.3406/comm.1990.1767.

CHADWICK, Andrew. The hybrid media system. Oxford: Oxford University Press, 2013.

DALBEN, Silvia. Cartografando o jornalismo automatizado: redes sociotécnicas e incertezas na redação de notícias por “robôs”. 2018. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

DEARO, Guilherme. 95% dos brasileiros acessam a internet enquanto assistem à televisão. Exame. São Paulo, maio. 2018. Disponível em: https://exame.abril.com.br/marketing/95-dos-brasileiros-acessam-a-internet-enquanto-assistem-a-televisao/. Acesso em: 15 dez. 2018.

ECO, Umberto. Tevê: a transparência perdida. In: ECO, Umberto. Viagem na irrealidade cotidiana. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984. p. 182-204.

LIFE apresenta estudo sobre os Trending Topics do Twitter. Adnews. 02 maio 2016. Disponível em: https://adnews.com.br/internet/elife-apresenta-estudo-sobre-os-trending-topics-do-twitter/. Acesso em: 15 dez. 2018.

EM MEIO à pandemia, novelas repetidas são campeãs de audiência. Exame, São Paulo, 12 maio. 2020. Disponível em: https://exame.com/estilo-de-vida/em-meio-a-pandemia-novelas-repetidas-sao-campeas-de-audiencia/. Acesso em: 15 jun. 2020.

FELTRIN, Ricardo. Na quarentena, TV paga perde 55 mil assinantes em abril. Uol. 31 mai. 2020. Disponível em:

https://tvefamosos.uol.com.br/noticias/ooops/2020/05/31/na-quarentena-tv-paga-perde-55-mil-assinantes-em-abril.htm. Acesso em: 15 jun. 2020.

FLINT, Joe. Netflix’s Sarandos on Nielsen: Ratings are Irrelevant. The Wall Street Journal. New York, 07 jan. 2015. Disponível em: https://blogs.wsj.com/cmo/2015/01/07/netflixs-sarandos-on-nielsen-ratings-are-irrelevant/. Acesso em: 15 dez. 2018.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Modernização dos Sentidos. São Paulo: Ed. 34, 1998.

GUTMANN, Juliana. Entre tecnicidades e ritualidades: formas contemporâneas de performatização da notícia na televisão. Galáxia, São Paulo, v. 14, p. 108-120, 2014a. https://doi.org/10.1590/1982-25542014216654.

GUTMANN, Juliana. Quando ruptura é convenção: O programa Gordo a Go-Go como espaço de experiência do talk show. Contracampo (UFF), Rio de janeiro, v. 31, p. 61-78, 2014b. https://doi.org/10.22409/contracampo.v0i31.702.

HARDY, Jonathan. Critical political economy of the media: An introduction. Abingdon: Routledge, 2014. https://doi.org/10.4324/9780203136225.

HEPP, Andreas. Cultures of mediatization. Cambridge, Polity Press, 2013.

HEISLER, Yoni. Why Nielsen’s Netflix ratings are complete trash. BGR. [s. l.], 20 nov. 2017. Disponível em:

https://bgr.com/2017/11/20/netflix-ratings-popular-shows-nielsen-inaccurate/. Acesso em: 15 dez. 2018.

HILL, Annette. Restyling reality TV. Londres: Routledge, 2007. https://doi.org/10.4324/9780203099735.

HINDMAN, Matthew. The myth of digital democracy. Princeton: Princeton University Press, 2008.

IMBÉRT, Gerárd. El zoo visual. Barcelona: Gedisa, 2003.

JÁCOME, Phellipy. A constituição moderna do jornalismo no Brasil. 1. ed. Curitiba: Appris, 2020. v. 1.

JORNAL Nacional antigo - 1976. Mauro Veiga. 2010. 1 vídeo (2 min), mono, color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=u0rmps9lLVg. Acesso em: 21 jun. 2019.

JORNAL Nacional, Íntegra 06/06/2019. GloboPlay. [S. l.]: Globo, 2019. 1 vídeo (44 min), widescreen, color. Disponível em: https://globoplay.globo.com/v/7673907/. Acesso em: 21 jun. 2019.

JENNER, Mareike. Netflix and the re-invention of television. Nova York: Palgrave McMillan, 2018. https://doi.org/10.1007/978-3-319-94316-9.

KILPP, Suzana. Tele-visões em interfaces contemporâneas. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 25, p. 28757, 2018. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2018.3.28757.

LEAL, Bruno. A experiência do telejornal: a âncora naturalista. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 36, p. 54-60, 2008. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2008.36.4415.

LEAL, Bruno; JÁCOME, Phellipy. Mundos possíveis entre a ficção e a “não-ficção”: aproximações à realidade televisiva. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 18, p. 855-876, 2011. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2011.3.9426.

LEAL, Bruno; MANNA, Nuno; JÁCOME, Phellipy. O extracampo na TV: rachaduras no mundo televisivo. Galáxia, São Paulo, n. 21, p. 92-101, jun. 2011.

LEAL, Bruno; CARVALHO, Carlos; ALZAMORA, Geane (org.). Textualidades Mediáticas. Belo Horizonte: Selo PPGCOM, 2018.

LUDMER, Josefina. “Literaturas pós-autônomas”. In: Sopro. Panfleto Político-Cultural. Trad. Flávia Cera. Desterro: Cultura e Barbárie, janeiro, 2010.

MCCHESNEY RW, NICHOLS J. The death and life of American journalism: the media revolution that will begin the world again. Philadelphia, Pa: Nation Books, 2010.

MACHADO, Arlindo. A arte do vídeo. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

MACHADO, Arlindo. A televisão levada a sério. 2.ª ed. São Paulo: Senac, 2001.

MASSAROLO, João Carlos; MESQUITA, DARIO. Fluxos sob demanda nas plataformas televisivas: um estudo do Globo Play. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 26., 2017, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Compós, 2017. v. 1. p. 1-21.

MEYER, Philip. Os jornais podem desaparecer? Como salvar o jornalismo na era da informação. São Paulo: Contexto, 2007.

MISSIKA, Jean-Louis. La fin de la télévision. Paris: Seuil, 2006.

NOMBELA, Daniela. El campo vacío. Madri: Cátedra, 2007.

NORMAS de redação. Diário Carioca. Nov. 1970. Disponível em: http://www.serqueira.com.br/dc/manual-2.htm. Acesso e:m 15 dez. 2018. Manual não paginado.

OROZCO, Guillermo. Televisión y audiencias: un enfoque cualitativo. Madri: Ediciones de la Torre, 1996.

PANDEMIA aumenta audiência de canais fechados de notícia em mais de 50%; esporte perde público. Extra, [s. l.], 02 jun. 2020. Disponível em: https://extra.globo.com/tv-e-lazer/pandemia-aumenta-audiencia-de-canais-fechados-de-noticia-em-mais-de-50-esporte-perde-publico-24459509.html. Acesso em: 15 jun. 2020.

PEDROSA, Celia et al. (org.). Indicionário do contemporâneo. 1. ed. Belo Horizonte: UFMG, 2018.

PRISCO, Luiz. Audiência de streaming cresce 20% durante pandemia do coronavírus. Metrópoles, [s. l.], 12 mai. 2020. Disponível em: https://www.metropoles.com/entretenimento/audiencia-de-streaming-cresce-20-durante-pandemia-do-coronavirus. Acesso em: 15 jun. 2020.

RIBEIRO, Ana Paula Goulart. Imprensa e história no Rio de Janeiro dos anos 50. Rio de Janeiro: E-papers, 2006. v. 1. 362p.

ROSS, Sharon Marie. Beyond the box: Television and the internet. Hoboken: Wiley-Blackwell, 2008. https://doi.org/10.1002/9781444304817.

SACRAMENTO, Igor; BORGES, Wilson. A televisualidade midiatizada do testemunho: a dismorfia corporal num canal do YouTube. In: ENCONTRO NACIONAL DA COMPÓS, 26., 2017, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Compós, 2017

SANCHEZ, Leonardo. Streaming tem estouro de audiência com pandemia, mas pirataria também cresce. Folha, São Paulo, 21 mar. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2020/03/streaming-tem-estouro-de-audiencia-com-pandemia-mas-pirataria-tambem-cresce.shtml. Acesso em: 15 jun. 2020.

SANT’ANNA, Lourival. O destino do jornal: a Folha de S.Paulo, O Globo e O Estado de S. Paulo na sociedade da informação. Rio de Janeiro: Record, 2008.

SILVA, Fernanda Mauricio. Convenções históricas do talk show brasileiro: De 1950 a 1990. Revista Eco-Pós, v. 16, p. 191-204, 2013a.

SILVA, Fernanda Mauricio. Entrevista no telejornalismo: configurações históricas da vigilância em programas de entrevista. Rumores (USP), São Paulo, v. 7, p. 62-79, 2013b. https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2013.69430.

SILVA, Fernanda Mauricio. Em busca de um telejornalismo legítimo: critérios de qualidade nas críticas de Artur da Távola dos anos 1970. Significação: Revista de Cultura Audiovisual, São Paulo, v. 41, p. 57-78, 2014. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2014.83421.

SILVA, Fernanda Mauricio da; GUTMANN, Juliana. From Hebe to Encontro, what?s disputed? Matrices of the national talk show / De Hebe ao Encontro, o que se disputa? Matrizes do talk show nacional. Matrizes, São Paulo, v. 12, p. 235-257, 2018. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v12i2p235-257.

THOMSON, David. Television: a biography. Nova York: Thames and Hudson, 2016.

VERÓN, Eliseo. El cuerpo de las imágenes. Bogotá: Grupo Editorial Norma, 2001.

WELCOME to IGTV. Instagram Press. Instagram, 2018. Disponível em: https://instagram-press.com/blog/2018/06/20/welcome-to-igtv/. Acesso em: 15 dez. 2018.

WOLFF, Michael. Television is the new television. Nova York: Portfolio, 2015.

ZELIZER, Barbie (org.). Explorations in communication and history. New York: Routledge, 2008. https://doi.org/10.4324/9780203888605.

ZELIZER, Barbie. (org.). Why journalism’s changing faces matter. In: ZELIZER, Barbie (org.).The changing faces of journalism: tabloidization, technology and truthyness. New York: Routledge, 2009. https://doi.org/10.4324/9780203878453.

Publicado
2020-12-22
Como Citar
Leal, B. S., Jácome, P., & Borges, F. (2020). O televisionamento do mundo: Movimentos no tempo entre o dentro e o fora da televisão. Revista FAMECOS, 27, e36156. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2020.1.36156
Seção
Audiovisual