Meios em mistura

Paradigmas para a articulação de comunicação, subjetividade e cultura

Palavras-chave: Cultura, Humano, Materialidade

Resumo

O artigo desenvolve uma discussão teórica sobre como articular meios de comunicação, subjetividades e culturas, discussão relevante para um momento em que o campo da teoria da comunicação deve lidar com o aparecimento de diversas novas mídias tributárias do digital. A partir da análise da leitura e da produção de sentido com textos, indica-se a importância da noção de mistura como conceito-chave para tal articulação. Sustenta-se que a noção de mistura permite que se apreenda de modo mais delicado e nuançado a relação entre meios, culturas e humanos do que as grandes caracterizações do tipo cultura oral, impressa ou digital, caracterizações francamente dependentes do determinismo tecnológico. Finalmente, desenvolve-se a proposta de que essa maior delicadeza teórica permite diferenciar contextos culturais que de outro modo seriam confundidos, como por exemplo o contexto europeu e o brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Souza Gonçalves, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Pós-doutor em Comunicação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); doutor e mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil, onde também se graduou em Psicologia. Professor associado da Faculdade de Comunicação Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil, onde desempenhou diversas funções de direção, coordenação e chefia tanto na graduação quanto na pós-graduação stricto senso.

Referências

BARBIER, Frédéric. L’Europe de Gutenberg – Le livre et l’invention de la modernité occidentale. Paris: Belin, 2006.

BARBOSA, Marialva. História da Comunicação no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

BARTHES, Roland. A morte do autor. In: BARTHES, Roland. O Rumor da Língua. Lisboa: Edições 70, 1987.

CHARTIER, Roger. Do livro à leitura. In: CHARTIER, Roger (org.). Práticas da leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.

CHARTIER, Roger. O livro e seus poderes (séculos XV a XVIII). In: COUTINHO, Granja Eduardo; GONÇALVES, Márcio Souza. Letra Impressa: Comunicação, Cultura e Sociedade. Porto Alegre: Sulinas, 2009.

DARNTON, Robert. “What is the history of books?” Revisited. Modern Intellectual History, v. 4, n. 3, p. 495-508, 2007. https://doi.org/10.1017/S1479244307001370.

EISENSTEIN, Elizabeth L. A Revolução da Cultura Impressa – os primórdios da Europa Moderna. São Paulo: Ática, 1998.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes – o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

FISH, Stanley. Is There a Text in This Class? The Authority of Interpretive Communities. Cambridge, MA: Harvard UP, 1980.

GONÇALVES, Márcio Souza; SAINT CLAIR, Ericson. Meios misturados: paradigmas para a reflexão sobre comunicação e cultura. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 22., 2013, Salvador. Anais [...]. Salvador: UFBA, 2013.

GONÇALVES, Márcio Souza; TIMPONI, Raquel. Suportes textuais de comunicação e processos cognitivos. In: REGIS, Fátima; ORTIZ, Anderson; AFFONSO, Luiz Carlos; TIMPONI, Raquel (org.). Tecnologias de Comunicação e Cognição. Porto Alegre: Sulina, 2012. v. 1, p. 52-78.

GONÇALVES, Márcio Souza. Discursos, sentidos, matérias: a materialidade dos meios e a comunicação. In: SANTOS, Goiamérico Felício dos; HOFF, Tânia Márcia César (org.). Poéticas da mídia: midiatizações, discursividades, imagens. Goiânia: Faculdade de Comunicação e Biblioteconomia, 2012. v. 1, p. 117-137.

HAVELOCK, Eric. A musa aprende a escrever – Reflexões sobre a oralidade e a literacia da Antiguidade ao presente. Lisboa: Gradiva, 1996a.

HAVELOCK, Eric. Prefácio a Platão. Campinas: Papirus, 1996b.

HAVELOCK, Eric. The Greek Concept of Justice – From its Shadow in Homer to its Substance in Plato. Cambridge: Harvard University Press, 1978.

JAUSS, Hans Robert. Pour une estéthique de la réception. Paris: Gallimard, 1993.

JOHNS, Adrian. The Nature of the Book: print and knowledge in the making. Chicago: The University of Chicago Press, 1998.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2001.

McKENZIE, Donald F. Making Meaning: “Printers of the Mind” and Other Essays. Edited by Peter D. McDonald & Michael F. Suarez, S. J. Amherst. Boston: University of Massachusetts Press, 2002.

McLUHAN, Marshall. A galáxia de Gutemberg: a formação do homem tipográfico. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1977.

McLUHAN, Marshal. Os meios de comunicação como extensão do homem. São Paulo: Cultrix, 1988.

MOLLIER, Jean-Yves. La lectura en Francia durante el siglo XIX, 1789-1914. México: Instituto Mora, 2009.

PEREIRA, Vinicius Andrade. Estendendo McLuhan: da Aldeia à Teia Global – Comunicação, Memória e Tecnologia. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SIMÕES, Marco Antonio. História da leitura: do papiro ao papel digital. São Paulo: Terceira Margem, 2008.

SIMONDON, Gilbert. Du mode d’existence des objets techniques. Paris: Aubier, 1958.

WATSON, Alexander John. Marginal Man: The Dark Vision of Harold Innis. Toronto: University of Toronto Press, 2006.

WIKIPEDIA, 2019. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura_digital. Acesso em: 31 jul. 2019

Publicado
2021-08-27
Como Citar
Gonçalves, M. S. (2021). Meios em mistura: Paradigmas para a articulação de comunicação, subjetividade e cultura. Revista FAMECOS, 28(1), e35313. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2021.1.35313