Rosto na mídia e rosto como mídia: as contribuições de Hans Belting para o estudo do rosto

Palavras-chave: Rosto. Mídias. Imagem.

Resumo

Em 2013, o historiador da arte e estudioso da imagem Hans Belting publica Faces. Eine Geschichte des Gesichts, que pode ser compreendido como Faces – uma história do rosto. As pesquisas sobre o rosto, no entanto, já estavam presentes em outras obras, como Bild und Kult. Eine Geschichte des Bildes vor dem Zeitalter der Kunst (Imagem e culto: uma história das imagens antes da era da arte), de 1990; Bild- Anthropologie (traduzido para o português como Antropologia da imagem), de 2001, e Das echte Bild. Bildfragen als Glaubensfragen (A Verdadeira Imagem, na edição portuguesa da editora Dafne), de 2005. O rosto é uma das imagens mais significativas e onipresentes, quer do ponto de vista mercadológico, estético, político ou religioso (BELTING, 2015; AGAMBEM, 1996; DARWIN, 2014; COURTINE; HAROCHE, 2007) e mobiliza saberes que vão da Biologia à Psicanálise, passando pelas Ciências Políticas e Arte, mas com pouca, ainda, atenção da Comunicação Social. Este artigo reflete sobre o legado de Hans Belting para o estudo do rosto “na” mídia e do rosto “como” mídia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Reinaldo, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza (CE).

Doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP, professora do Instituto de Cultura e Arte (ICA) da Universidade Federal do Ceará (UFC) e realizou estágio pós-doutoral no Departamento de História da Arte da  Universidade de Cambridge, na Inglaterra. Coordena pesquisa sobre o rosto (intitulado As faces do rosto) no Imago - Laboratório de estudos de estética e imagem, ligado ao PPGCom-UFC.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Il volto: da “Mezzi senza fine - note sulla politica”. Disponível em: http://www.generativedesign.com/libri/ilvolto.htm. Acesso em: 2 nov. 2017. [Publicado originalmente em Mezzi senza fine. Note sulla politica. Bollati Boringhieri: Torino, 1996, p. 41-60].

AMARO, Danielle Rodrigues. “O fim da história da arte” segundo Hans Belting. 2009. Disponível em: https://www.academia.edu/30933980/_O_fim_da_história_da_arte_segundo_Hans_Belting. Acesso em: 1º jul. 2018.

BAITELLO JÚNIOR, Norval. A era da iconofagia: ensaios de comunicação e cultura. São Paulo: Hacker Ed., 2005. https://doi.org/10.31789/rpd-201808220033

BAITELLO JÚNIOR, Norval. A serpente, a maçã e o holograma: esboços para uma teoria da mídia. São Paulo: Paulus, 2010.

https://doi.org/10.31789/rpd-201808220030

BELTING, Hans. A verdadeira imagem. Porto: Dafne Editora, 2011.

BELTING, Hans. Antropología de la imagen. Buenos Aires: Katz Editores, 2007.

BELTING, Hans. Facce – una storia del volto. Roma: Carocci Editore, 2015.

BELTING, Hans. Florence and Baghdah – Renaissance art and Arab science. The Belknap Press of Harvard University Press, 2011.

BELTING, HansImagem, mídia e corpo: uma nova abordagem à iconologia. Ghrebh: Revista de Comunicação, Cultura e Teoria da Mídia, São Paulo, v. 1, n. 8, p. 32-60, jul. 2016. Disponível em:

http://www.cisc.org.br/portal/jdownloads/Ghrebh/Ghrebh-%208/04_belting.pdf. Acesso em: 1º fev. 2017. https://doi.org/10.31789/imscid-201819

BELTING, Hans. Likeness and presence: a History of the image before the Era of Art. Chicago: University of Chicago Press, 1996. https://doi.org/10.2307/3170525

BELTING, Hans. O fim da história da arte: uma revisão dez anos depois. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas. Magia e Técnica, Arte e Política. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1996.

COURTINE, Jean-Jacques e Courtine Haroche. L’Histoire du visage – exprimer et taire ses émotions (du XVIe siècle au début du XIXe siècle). Paris: Payot, 2007. https://doi.org/10.1515/9783111518558.33

CYRULNIK, Boris. O nascimento do sentido. Lisboa, Editora Piaget, 1995.

DARWIN, Charles. The expression of the emotions in man and animals. 1872. Disponível em: http://darwinonline.org.uk/contents.html#books. Acesso em: 1º fev. 2014.

FOUCAULT, Michel. “A escrita de si” em O que é um autor? Lisboa: Nova Vega, 2009.

GOMBRICH, E. H. Aby Warburg: an intellectual biography. London: The Warburg Institute University of London, 1970.

KUNDERA, Milan. L’art du roman. Paris: Éditions Gallimard, 1999.

LACAN, J. (1946) O estádio do espelho. In: LACAN, J. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.

LACAN, J. (1964). O seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Zahar,1989.

PEIRCE, Charles Sanders. The Collected Papers of Charles Sanders Peirce. Disponível em: https://colorysemiotica.files.wordpress.com/2014/08/peirce-collectedpapers.pdf. Acesso em: 1º jan. 2018. https://doi.org/10.1086/346988

PRICE, Simon & Emily Kearns (editors). The Oxford dictionary of classical myth and religion. Oxford: Oxford University Press, 2003. https://doi.org/10.1108/09504120410535164

SACKS, Oliver. O olhar da mente. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SACKS, Oliver. Sacks, Oliver. O homem que confundiu sua mulher com um chapéu. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

WARBURG, A. The Renewal of Pagan Antiquity. Los Angeles: Getty Research Institute, 1999.

WINNICOTT, D. (1971). O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

Publicado
2019-12-17
Como Citar
Reinaldo, G. (2019). Rosto na mídia e rosto como mídia: as contribuições de Hans Belting para o estudo do rosto. Revista FAMECOS, 26(2), e32442. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2019.2.32442
Seção
Mídia e Cultura