Tempo, mídia e processos sociopolíticos no Brasil do século XXI: Perspectivas sociossemióticas

Palavras-chave: Temporalidade. Processos sociopolíticos. Sociossemiótica.

Resumo

A partir de uma releitura dos conceitos de acidente de Eric Landowski e de explosão de Jurij M. Lotman, este artigo analisa as correlações entre o tempo mediático e o tempo sociopolítico do processo que levou das jornadas de junho de 2013 ao impeachment de Dilma Rousseff. As hipóteses defendidas são: (i) junho de 2013 constitui um evento acidental/explosivo que projeta o Brasil em um presente atemporal amorfo e imprevisível, o qual se estende, ao menos, até o impedimento da ex-presidente; (ii) tal regime temporal define-se por um elevado grau de indeterminação semântica e por um elevado grau de carga estésica, isto é, de tensões e forças sensíveis que se alastram no corpo social; e (iii) as mídias sociais cumprem, nesse percurso, um papel catalítico: são elas que engendram a indeterminação e a carga estésica que dão corpo ao novo regime temporal. Almejase, assim, contribuir à construção de quadros teóricos capazes de dar conta da natureza semiótica do tempo no campo da Comunicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paolo Demuru, Universidade Paulista, São Paulo (SP).

Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Paulista. Pós-Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco. Doutor em Semiótica pela Universidade de Bologna e doutor em Semiótica e Linguística Geral pela Universidade de São Paulo. Autor do livro Essere in gioco. Calcio e cultura tra Brasile e Itália (Bononia University Press, 2014) e de diversas publicações científicas internacionais, atua principalmente nas seguintes áreas: semiótica e estudos da linguagem, teoria da comunicação, estudos culturais e história da cultura, privilegiando análises relativas à comunicação política, à cidade e à construção das identidades sociais e culturais via esporte. Membro da Associazione Italiana di Studi Semiotici e do Laboratorio Romano de Semiotica, graduou-se em Scienze della Comunicazione pela Universidade de Roma “La Sapienza”, com estagio de pesquisa realizado no Centro de Pesquisa Sociossemióticas da PUC de São Paulo, do qual é ainda pesquisador ativo.

Referências

ALENCASTRO, Catarina. Dilma é vaiada na abertura da Copa das Confederações. O Globo, Rio de Janeiro, 15 jun. de 2013. Disponível em: https://oglobo.globo.com/brasil/dilma-vaiada-na-abertura-da-copa-das-confederacoes-8701173. Acesso em: 27 set. 2018. https://doi.org/10.5585/rdb.v3i2.33

BARBOSA, Marialva Carlos. Tempo, tempo histórico e tempo midiático. In: MUSSE, Christina Ferraz; VARGAS, Herom; Nicolau, Marcos (org.). Comunicação, Mídias e Temporalidades. Salvador: EDUFBA, 2017, p. 19-36.

BBC Brasil. BRASIL vive noite de protestos. 17 jun. 2013. Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/130617_protestos_live.shtml. Acesso em: 12 dez. 2017.

BUCCI, Eugênio. Forma bruta dos protestos. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

BUTLER, Judith. Notes toward a Performative Theory of Assembly. Cambridge: Harvard University Press, 2015.

CARVALHO, Carlos A.; BRUCK, Mohazir S. Vazamentos como acontecimento jornalístico: notas sobre performatividade mediática de atores sociais. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 25, n. 3, p. 1-20, setembro, outubro, novembro e dezembro, 2018: ID29713. DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-3729.2018.3.29713.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Tradução de Roneide Venâncio Majer. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

FECHINE, Yvana. Televisão e presença. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2008.

G1. Seu Jorge canta música sobre manifestações no Brasil, 26 jun. 2013. Disponível em: http://g1.globo.com/musica/noticia/2013/06/seu-jorge-canta-musica-sobre-manifestacoes-no-brasil.html. Acesso em: 24 fev. 2018. https://doi.org/10.5380/mp.v5i2.32317

G1. Dilma é hostilizada durante abertura de Copa do Mundo em São Paulo. 12 jun. 2014. Disponível em: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2014/06/dilma-e-hostilizada-durante-abertura-da-copa-do-mundo-em-sao-paulo.html. Acesso em: 24 fev. 2018. https://doi.org/10.11606/d.16.2009.tde-22032010-163041

GREIMAS, Algirdas J. Da imperfeição. Tradução de Ana Claudia de Oliveira. São Paulo: Hacker Editores, 2002

GREIMAS, Algirdas J.; COURTÉS, Joseph. Dicionário de Semiótica. Tradução de Alceu Dias Lima e outros. São Paulo: Contexto, 2008.

HARTOG, François. Regime of Historicity: presence and experience of time. Tradução de Saskia Brown. New York: Columbia University Press, 2015.

LANDOWSKI, Eric. Interações Arriscadas. Tradução de Luisa Helena Oliveira da Silva. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2014.

LANDOWSKI, Eric. Populisme et esthesie. Presentation. Actes sémiotique. Limoges, n. 12, p. 1-19, 2018. Disponível em: http://epublications.unilim.fr/revues/as/6021. Acesso em: 27 set. 2018.

LOTMAN, Jurij M. Cercare la strada. Tradução de Nicoletta Marcialis. Modelli della cultura. Venezia: Marsilio: 1995.

LOTMAN, Jurij M. Culture and Expolosion. Tradução de Wilma Clark. Berlin-New York: De Gruyter Mouton, 2009.

MALINI, Fabio. A Batalha do Vinagre: por que o #protestoSP não teve uma, mas muitas hashtags. 14 jun. 2013. Disponível em: http://www.labic.net/cartografia-das-controversias/a-batalha-do-vinagre-por-que-o-protestosp-nao-teve-uma-mas-muitas-hashtags/. Acesso em: 26 set. 2018. https://doi.org/10.3726/978-3-653-03610-7/9

MALINI, Fabio. Um método perspectivista de análise de redes sociais: cartografando topologias e temporalidade em rede. XXV ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS. Anais… Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2016.

NOBRE, Marcos. Choque de democracia: razões da revolta. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

JABOR, Arnaldo. Amigos, eu errei. É muito mais do que 20 centavos. CBN, 17 jun. 2013. Seção comentaristas. Disponível em: <http://cbn.globoradio.globo.com/default.htm?url=/comentaristas/arnaldo-jabor/2013/06/17/AMIGOS-EU-ERREI-E-MUITO-MAIS-DO-QUE-20-CENTAVOS.htm> Acesso em: 19 dez. 2017. https://doi.org/10.14195/0874-6168_6.7-1_2

ROVELLI, Carlo. L’ordine del tempo. Milano: Adelphi, 2017.

SCHWARZ, Roberto. Sobre Cidades rebeldes. In: ROLNIK, Raquel et al. Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013. https://doi.org/10.11606/d.8.2017.tde-19012017-132254

SEDDA, Franciscu. Imperfette traduzioni. Roma: Nuova Cultura, 2012.

SINGER, André. O lulismo em crise: um quebra cabeça do periodo Dilma (2011-2016). São Paulo: Companhia das letras, 2018. https://doi.org/10.30612/el.v10i19.10074

SOUZA, Jessé. A radiografia do golpe. São Paulo: Leya, 2016.

UOL. Globo interrompe transmissão de novelas, e “JN” não tem edição para acompanhar protestos. 20 jun. 2013. Disponível em: https://televisao.uol.com.br/noticias/redacao/2013/06/20/globo-interrompe-transmissao-de-novelas-e-jn-nao-tera-edicao--para-acompanhar-protestos.htm. Acesso em: 19 dez. 2017. https://doi.org/10.12702/dc-000000001

Publicado
2019-12-17
Como Citar
Demuru, P. (2019). Tempo, mídia e processos sociopolíticos no Brasil do século XXI: Perspectivas sociossemióticas. Revista FAMECOS, 26(2), e32229. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2019.2.32229
Seção
Mídia e Cultura