Cultura: entre a arena de luta e o movimento Hip Hop

  • Tatiana Aparecida Moreira Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes
Palavras-chave: Cultura, Movimento Hip Hop, rapper

Resumo

Neste texto, vamos discutir o conceito de cultura a partir dos estudos de Stuart Hall (1989, 2001, 2003, 2004)a fim de evidenciar o caráter plural e, também, político de cultura e de modo a contextualizar o Movimento Hip Hop e seus elementos (MC/rapper, DJ, grafite, break) como culturais e ocupantes, sobretudo, do espaço urbano e da periferia, principalmente, no cenário brasileiro. Além do suporte teórico de Hall, também dialogaremos com outros autores, tais como Foucault (2014, 1995), Gonçalves (2010), Queiroz (2005), Bakhtin (2003), Kellner (2001), Shusterman (1998) e Silva (1998), que trazem contribuições importantes que nos possibilitam evidenciar o Hip Hop como cultura plural. Dos elementos do Hip Hop, daremos destaque à figura do MC (Mestre de Cerimônia) ou rapper por ser o responsável, em parceria com o DJ, pela produção e por cantar os raps, em cujas letras, comumente, são observados questionamentos e críticas a diversos segmentos da sociedade. Assim, trazemos algumas letras de raps para ilustrar a discussão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiana Aparecida Moreira, Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes
Doutora em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), com estágio de doutorado na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra/Portugal. Professora do Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Estética de Criação Verbal. Trad. Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

______. O Freudismo: um esboço crítico. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Perspectiva, 2009.

______. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Trad. Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 2010.

BARBOSA, Lúcia Maria de Assunção; GONÇALVES E SILVA, Petronilha Beatriz; SILVÉRIO, Valter Roberto (orgs.). De preto a afro-descendente: trajetos de pesquisa sobre o negro, cultura negra e relações étnico-raciais no Brasil. São Carlos: EDUFSCar, 2010.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural proferida no Collége de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. 24 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

______. Microfísica do Poder. 11. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2013.

______. O sujeito e o poder (1984). In: RABINOW, Paul: DREYFUS, Hubert. Michel Foucault: uma trajetória filosófica – para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Universitária, 1995, p. 231-249.

GONÇALVES, Luiz Alberto Oliveira. De preto a afro-descendente: da cor da pele a categoria científica. p. 15- 24. In: BARBOSA, Lúcia Maria de Assunção; GONÇALVES E SILVA, Petronilha Beatriz; SILVÉRIO, Valter Roberto (orgs.). De preto a afro-descendente: trajetos de pesquisa sobre o negro, cultura negra e relações étnico-raciais no Brasil. São Carlos: EDUFSCar, 2010.

HALL, Stuart. Notas sobre a desconstrução do popular. In: _____. Da diáspora: Identidades e mediações culturais. Ed. UFMG, 2003.

______. Quem precisa de identidade? In: Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. SILVA, Tadeu da (org.); HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004 [2000].

______. Que “negro” é esse na cultura popular negra? In: Lugar comum, n. 13-14, p. 147-159. 2001. Disponível em: <http://uninomade.net/wpcontent/files_mf/112410120245Que%20negro%20%C3%A9%20na%20cultura%20pop ular%20negra%20-%20Stuart%20hall.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2012.

______. Novas etnicidades. Trad. David Yann Chaigne. “New ethnicities”, em Kobena Mercer (org.), ICA Documents 7: Black Film, British Cinema, Londres, Institute of Contemporary Arts, 1989.

______. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 15-46, jul./dez. 1997. Disponível em: <http://www.gpef.fe.usp.br/teses/agenda_2011_02.pdf >. Acesso em: 22 out. 2008.

______. Entrevista com JB Stuart Hall. [15 de setembro, 2013]. Rio de Janeiro: Jornal do Brasil. Entrevista concedida a Heloisa Buarque de Hollanda. Disponível em: <http://www.heloisabuarquedehollanda.com.br/entrevista-jb-stuart-hall/> Acesso em: 11 out. 2013.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia – estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Trad. Ivone Castilho Benedetti. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

MV BILL; DEXTER. MV Bill e Dexter minam o campo periférico [31 de janeiro, 2014]. Revista Fórum. Entrevista concedida a Igor Carvalho. Disponível em: ˂http://www.revistaforum.com.br/blog/2014/01/mv-bill-e-dexter-minam-o-campo-periferico/˃. Acesso em: 10 abr. 2015.

MV BILL. Emiví. In: Declaração de guerra. Rio de Janeiro: Natasha Records e BMG, 2002. 1 CD.

QUEIROZ, Amarino Oliveira de. Griots, cantadores e rappers: do fundamento do verbo às performances da palavra. In: DUARTE, Zileide (org.). Áfricas de África. Recife: Programa de Pós-graduação em Letras/UFPE, 2005. p. 9-40.

RACIONAIS MC´s. Os quatro pretos mais perigosos do Brasil. Rolling Stone Brasil, ed. 86, p. 79-86, nov. 2013. Reportagem de André Caramante.

SILVA, José Carlos Gomes. Rap na cidade de São Paulo: música, etnicidade e experiência urbana. 1998. 285 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação do Departamento de Ciências Sociais do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.

______. Arte e Educação: A Experiência do Movimento Hip Hop Paulistano. In: ANDRADE, Elaine Nunes (org.). Rap e educação, rap é educação. São Paulo: Summus, 1999, p. 23-38.

SHUSTERMAN, Richard. Vivendo a arte: o pensamento pragmatista e a estética popular. Tradução de Gisela Domschke. São Paulo: Ed. 34, 1998.

UQQUIPEGA, Nikito. Rap Região Norte. Facebook, 2015. Disponível em: ˂https://www.facebook.com/groups/178548648964927/˃. Acesso em: 10 dez. 2015.

Publicado
2018-04-07
Como Citar
Moreira, T. A. (2018). Cultura: entre a arena de luta e o movimento Hip Hop. Revista FAMECOS, 25(2), ID27498. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2018.2.27498
Seção
Mídia e Cultura