Entre a editorialização e a riqueza informativa: o papel dos implícitos no texto jornalístico informativo.

Palavras-chave: Gênero informativo, editorialização, significado implícito

Resumo

A identificação de conteúdos implícitos em textos jornalísticos do gênero informativo pode ser tratada como editorialização, expressão indevida e/ou escusa de conteúdos opinativos. O objetivo do artigo é mostrar que os textos do gênero informativo são constituídos a partir de vários e diferentes tipos desses conteúdos, gerados a partir da relação do uso da linguagem natural e de contextos específicos. A partir de um estudo bibliográfico e documental, avalia-se uma notícia, formato representativo do gênero informativo, e mostra-se que esses significados implícitos de fato têm um papel importante na construção da riqueza informacional e na constituição de uma textualidade eficiente dos textos, sem necessariamente caracterizar um processo de editorialização

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberta Sartori Luso de Carvalho, Escola Superior de Propaganda e Marketing
Doutora e mestre pela Pontíficia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Professora, orientadora de iniciação científica e de trabalhos de conclusão; coordenadora de Área de Linguagem e coordenadora do Núcleo de Idiomas e Cultura da ESPM-Sul.

Referências

ASSIS, Francisco de. Fundamentos para a compreensão dos gêneros jornalísticos. Revista ALCEU, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 16-33, jul./dez. 2010. Disponível em: http://revistaalceu.com.puc-rio.br/media/Alceu21_2.pdf. Acesso em: 15 ago. 2016.

BAHIA, Juarez. Jornal: história e técnica. 4. ed. São Paulo: Ática, 1990.

CAMPOS. Jorge. Leitura, cognição e inferência. In: PEREIRA, Vera Wannmacher et al. Leitura e cognição: teoria e prática nos anos finais do ensino fundamental. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

CHAPARRO, Manuel Carlos. Pragmática no jornalismo: buscas práticas para uma teoria da ação jornalística. São Paulo: Summus, 1994.

COSTA, Jorge Campos da. A relevância da pragmática na pragmática da relevância. Porto Alegre, 1984. 188 p. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Letras e Artes, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 1984.

COSTA, Jorge Campos da. Ciências da linguagem: comunicação, cognição e computação. In: AUDY, Jorge Luis Nicolas; MOROSINI, Marília Costa (Orgs.). Inovação e interdisciplinaridade na universidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2007. p. 345-376.

_____. Diálogos: questões interdisciplinares. In: FIGUEIREDO, Débora de Carvalho et al. (Orgs.). Sociedade, Cognição e Linguagem: apresentações do IX CELSUL, 2012. p. 149-169.

______. A retórica inferencial do discurso político. Disponível em: http://www.jcamposc.com.br/textos_disciplinas/aretoricainferencialdodiscursopolitico.pdf. Acesso em: 24 jul. 2016.

DIAS, Stéphane Rodrigues. O processo inferencial na interface texto/imagem. In: IX Encontro do CELSUL, 2010, Palhoça. Anais... Palhoça: Celsul, 2010. Disponível em: http://www.celsul.org.br/Encontros/09/artigos/Stephane%20Dias.pdf. Acesso em: 15 jul. 2016.

DOUGLAS, Joaquim. Jornalismo: a técnica do título. Rio de Janeiro: Agir, 1966.

GRICE, Paul. Logic and conversation. In: GRICE, Paul, Studies in the way of words. New York: Harvard University, 1991. p. 22-40.

HICKS, Wynford. English for journalists. New York: Routledge, 1998.

KEEBLE, Richard. The newspapers handbook. New York: Routledge, 2001.

KUNCZIK, Michael. Conceitos de jornalismo: norte e sul. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 2002.

LEVINSON, Stephen C. Pragmatics. New York: Cambridge, 1983.

LEVINSON, Stephen C. Presumptive Meanings: the theory of generalized conversational implicature. Cambridge: MIT Press, 2000.

LUSTOSA, Elcias. O texto da notícia. Brasília: Editora UnB, 1996.

MARQUES DE MELO, José. Jornalismo opinativo: gêneros opinativos no jornalismo brasileiro. 3. ed. Campos do Jordão: Mantiqueira, 2003.

MARQUES DE MELO, José. Gêneros jornalísticos: conhecimento brasileiro. In: MARQUES DE MELO, José; ASSIS, Francisco de (Orgs). Gêneros jornalísticos no Brasil. São Paulo: UMESP, 2011. p. 23-42.

MARTINS, Eduardo. Manual de redação e estilo de O Estado de S. Paulo. 3. ed. São Paulo: O Estado de S. Paulo, 1997.

MENNA BARRETO, Fernanda. As implicaturas conversacionais generalizadas na interface entre a semântica e a pragmática. 2003. 159 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Faculdade de Letras, PUCRS, Porto Alegre, 2003.

PEUCER, Tobias. Os relatos jornalísticos. Comunicação & Sociedade, São Bernardo do Campo, ano 22, n. 33, p. 199-214, 1º sem. 2000. Disponível em: http://revistas.univerciencia.org/index.php/estudos/article/viewFile/5958/5427. Acesso em: 26 jul. 2016.

SARTORI, Roberta. A relevância da inferência relevante: uma abordagem da significação implícita via teoria das implicaturas. 1999. 160 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Faculdade de Letras, PUCRS, Porto Alegre, 1999.

SARTORI, Roberta. O mundo dos implícitos no debate político-jurídico da eleição presidencial norte-americana de 2000 através do discurso jornalístico: uma abordagem pragmático-lógico-cognitiva da inferência na interface com a comunicação. 2015. 548 f. Tese (Doutorado em Linguística) - Faculdade de Letras, PUCRS, Porto Alegre, 2015.

SHANNON, Claude Elwood; & WEAVER, Warren. The Mathematical Theory of Communication. Urbana: University of Illinois Press, 1949.

SILVEIRA, Jane Rita Caetano da; FELTES, Heloísa Pedroso de Moraes. Pragmática e cognição: a textualidade pela relevância. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

SPERBER, Dan; WILSON, Deidre. Relevance: communication and cognition. Harvard University Press. Cambridge: Massaschusetts, 1995.

SUZUKI, Anik Ferreira. A herança lítero-jornalística da reportagem impressa para o próximo milênio. In: HAUSSEN, Doris Fagundes (org.). Mídia, imagem e cultura. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1999. p. 59-76.

Publicado
2017-08-01
Como Citar
Sartori Luso de Carvalho, R. (2017). Entre a editorialização e a riqueza informativa: o papel dos implícitos no texto jornalístico informativo. Revista FAMECOS, 24(3), ID25333. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2017.3.25333
Seção
Jornalismo