As redes sociais digitais e a humanização do parto no contexto das Epistemologias do Sul

  • Lia Hecker Luz Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Bolsista de Pós-Doutorado Capes (Proc. n. 0913-15-4).
  • Vânia de Vasconcelos Gico Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais.
Palavras-chave: Blogs. Humanização do parto. Epistemologias do Sul.

Resumo

A partir do contexto das Epistemologias do Sul, adota-se a sociologia das ausências e a sociologia das emergências para mostrar o movimento que se articula entre mulheres na blogosfera brasileira pela humanização do parto. Evidencia-se, a partir da análise do blog Cientista Que Virou Mãe, ancorada pela estratégica metodológica da cartografia simbólica, como essas ativistas estão usando esses espaços digitais na busca por uma assistência obstétrica mais humana e menos violenta. Conclui-se que as ferramentas da Internet têm permitido uma mobilização inédita em prol do respeito aos direitos reprodutivos das mulheres no Brasil, tornando as redes sociais digitais em tela em canais virtualmente hegemônicos para a emancipação feminina com um todo, e para o renascimento do parto, em particular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lia Hecker Luz, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Bolsista de Pós-Doutorado Capes (Proc. n. 0913-15-4).

Pós-doutoranda no Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, Portugal, e doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPGCS/UFRN), no Brasil. É pesquisadora do
Observatório Boa -Ventura de Estudos Sociais, uma parceria entre PPGCS/UFRN e o CES.

Vânia de Vasconcelos Gico, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais.

Doutora em Ciências Sociais pela PUC-São Paulo. Pós-doutora pela Universidade Nova de Lisboa, Portugal. Professora da Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPGCS-FRN) e do Centro Universitário do RN (UNI-RN). Coordenadora da Rede do Observatório Boa-Ventura de Estudos Sociais.

Referências

AMERICAN COLLEGE OF OBSTETRICIANS AND GYNECOLGISTS. Practice bulletin n. 115: Vaginal birth after previous cesarean delivery. ago 2010. Disponível em: http:// www.acog.org/Resources-And-Publications/Practice-Bulletins/Committee-on- Practice-Bulletins-Obstetrics/Vaginal-Birth-After-Previous-Cesarean-Delivery. Acesso em: 20 jan. 2016.

ANTUNES, João Lobo. A profissão de médico. Análise Social, Lisboa, v. 36, n.166, p. 77-99, 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº. 1.459, de 24 de junho de 2011. Brasília, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt0904_29_05_2013.html

Acesso em: 21 mar. 2014.

______. ______. Portaria nº. 904, de 29 de maio de 2013. Brasília, 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt0904_29_05_2013. html

Acesso em: 21 mar. 2014.

BOLAÑO, César Ricardo Siqueira; BRITTOS, Valério Cruz. Blogosfera, espaço público e campo jornalístico: o caso das eleições presidenciais brasileiras de 2006. Revista Intercom - Revista Brasileira de Ciências da Comunicação. São Paulo, v. 33, n. 1, p. 237-256, jan./jun. 2010.

BOYD, D. M.; ELLISON, N. B. Social network sites: Definition, history, and scholarship. In: Journal of computer mediated communication, v. 33, n. 1, p. 210-230, Oct. 2007.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

DAVIS-FLOYD, Robbie E. Birth as an american rite of passage. Berkeley: University of California Press, 1992.

______. The technocratic, humanistic and holistic paradigms of childbirth. International Journal of Gynecology and Obstetrics, Chicago, v. 75, n. 1, p. S5-S23, nov. 2001.

DAVIS-FLOYD, Robbie E. et al. Birth models that work. Berkeley: University of California Press, 2009.

DE VRIES, Raymond et al. The dutch obstetrical system vanguard of the future in maternity care. In: DAVIS-FLOYD, Robbie E. et al. Birth models that work. Berkeley: University of California Press, p. 31-53, 2009.

D’GREGORIO, R.P. Obstetric violence: a new legal term introduced in Venezuela. International Journal of Gynecology and Obstetrics, Chicago, v. 111, n.3, p. 201-202, 2010.

GOLDMANN, Lucien. Ciências Humanas e Filosofia: o que é sociologia? Disponível em: http://www.culturabrasil.org/goldmann.htm

Acesso em: 10 ago. 2010.

HERRING, Susan. C. Web content analysis: expanding the paradigm. In: HUNSINGER, Jeremy; KLASTRUP, Lisbeth; ALLEN, Matthew (Ed.).The International Handbook of Internet Research. Berlin: Springer Verlag, p. 233-249, 2010.

HERRING, Susan. C. et al. A longitudinal content analysis of Weblogs: 2003-2004. In: TREMAYNE, Mark (Ed.). Blogging, citizenship and the future of media. London: Routledge, p. 3-20, 2006.

LUZ, Lia Hecker. O renascimento do parto e a reinvenção da emancipação social na blogosfera brasileira: contra o desperdício das experiências. 2014. 155 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.

_____. Ciberespaço cubano: uma forma de resistência ao poder e à censura. Revista Galáxia, São Paulo, v. 10, n. 20, p. 188-196, 2010.

LUZ, Lia; MORIGI, Valdir José. O ciberespaço e a reconfiguração da esfera pública: os blogs cubanos como prática de cidadania. In: MORIGI, Valdir José; TOURINHO, Ilza Maria; ALMEIDA, Cristóvão Domingos de (Orgs.). Comunicação, Informação e Cidadania: refletindo práticas e contextos. Porto Alegre: Sulina, p. 193-201, 2011.

NAGAHAMA, Elizabeth Eriko Ishida; SANTIAGO, Silvia Maria. A institucionalização médica do parto no Brasil. Ciênc. Saúde Coletiva [online], Manguinhos, v. 10, n. 3, p. 651-657, 2005.

NARDI, Bonnie; SCHIANO, Diane; GUMBRECHT, Michelle.Blogging as social activity, or, would you let 900 million people read your diary? In: CSCW ‘04: Proceedings of the 2004 ACM conference on Computer supported cooperative work, 2004. ACM.

ODENT, Michel. A cientificação do amor. Florianópolis: Saint Germain, 2002.

______. A cesariana: operação de salvamento ou indústria do nascimento? Lisboa: Miosótis. Tradução Freitas e Silva, 2005a.

______. O renascimento do parto. Franca (SP): Momento Atual, 2005b.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (1996). Assistência ao parto normal: um guia prático, 1996. Disponível em: http://www.abcdoparto.com.brAssistencia/AssistenciaPartoNormal-OMS.htm

Acesso em: 29 abr. 2009.

PRIMO, Alex. Os blogs não são diários pessoais online: matriz para a tipificação da blogosfera. Rev. FAMECOS, Porto Alegre, n. 36, p. 122-128, ago. 2008.

RATTNER, Daphne; AMORIM, Melania; KATZ, Leila. Implementação da humanização na atenção a partos e nascimentos pelo Ministério da Saúde. PROAGO, Porto Alegre: Artmed/Panamericana, Ciclo 10, v. 2, p. 95-145, 2013.

RATTNER, Daphne et al (2012). As cesarianas no Brasil: situação no ano de 2010, tendências e perspectivas. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2011: uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher. Brasília: Ministério da Saúde, v. 1, p. 371-397, 2012. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/arquivos/pdf/2013/Fev/21/saudebrasil2011_ parte2_cap16.pdf

Acesso em: 20 ago. 2013.

RATTNER, Daphne et al. Humanizing childbirth to reduce maternal and neonatal motality: a national effort in Brazil. In: DAVIS-FLOYD, Robbie E. et al. Birth models that work. Berkeley: University of California Press, p. 358-413, 2009.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, v. 63, p. 237- 280, out. 2002.

______. (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: ‘um discurso sobre as ciências’ revisitado. Porto: Afrontamento, p. 735-775, 2003.

______. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, v. 1, 2011.

______; MENEZES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SENA, Ligia Moreiras. “Entrevista para Rádio CBN e participação no Mamatraca”. Cientista Que Virou Mãe. Florianópolis, 27 jun. 2012. Disponível em: http://www.cientistaqueviroumae.com.br/2012/06/entrevista-para-radio-cbn-e.html

Acesso em: 23 mar. 2014.

_____. “A vida é assim (...) o que ela quer da gente é coragem”: Guimarães Rosa. Cientista Que Virou Mãe. Florianópolis, 24 jan. 2013a. Disponível em: http://www.cientistaqueviroumae.com.br/2013/01/a-vida-e-assim-o-que-ela-quer-da-gente.html

Acesso em: 23 mar. 2014.

______.“Quase um milhão de motivos para agradecer: novo layout do Cientista Que Virou Mãe”. Cientista Que Virou Mãe. Florianópolis, 19 jul. 2013b. Disponível em: http://www.cientistaqueviroumae.com.br/2013/07/um-milhao-de-motivos-para-agradecer.html

Acesso em: 22 mar. 2014.

Publicado
2017-01-02
Como Citar
Luz, L. H., & Gico, V. de V. (2017). As redes sociais digitais e a humanização do parto no contexto das Epistemologias do Sul. Revista FAMECOS, 24(1), ID24801. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2017.1.24801
Seção
Cibercultura