Contraponto audiovisual? De Eisenstein a Chion

  • Luíza Beatriz Alvim Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Contraponto, audiovisual, música

Resumo

Consideramos o termo musical “contraponto” tal como utilizado nos textos sobre cinema e teoria cinematográfica, a partir dos escritos de Eisenstein do final dos anos 20, passando por autores como Adorno e Eisler, Kracaeur e Jean Mitry até os estudos de som no audiovisual de Michel Chion. Temos como base o questionamento da possibilidade e pertinência ou não de sua aplicação às relações entre som e imagem em produtos audiovisuais, já que esta aplicação deu origem a diversos mal-entendidos, muitas vezes provocados por um uso genérico do termo. Fazemos referências a exemplos audiovisuais nos textos desses autores e acrescentamos outros, como o primeiro volume de As mil e uma noites (Miguel Gomes, 2015), Um filme como os outros (Jean-Luc Godard, 1968) e em filmes de Robert Bresson.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luíza Beatriz Alvim, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Comunicação pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), pós-doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Referências

ADORNO, Theodor; EISLER, Hanns. Musique de cinéma. Paris: L´Arche, 1972.

A GRANDE tesmunha (Au hasard Balthazar). Direção: Robert Bresson. França/ Suécia: Argos Films, Athos Films, Parc Films, 1966 (95 min).

ALEXANDRE Nevsky (Aleksandr Nevskiy). Direção: Sergei Eisenstein. União Soviética: Mosfilm, 1938. (112 min).

ALVIM, Luíza. Robert Bresson e a música. 2013. 324 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura) – Escola de Comunicação, UFRJ, Rio de Janeiro, 2013.

AS MIL e uma noites: Volume 1, O inquieto. Direção: Miguel Gomes. Portugal/ França/Alemanha/ Suíça: O Som e a Fúria, Shellac Sud, Komplizen Film, 2015 (125 min).

BOURDIEU, Pierre. Questões de Sociologia. Lisboa: Fim de Século, 2004.

BRESSON, ni vu ni connu. Direção: François Weyergans. França: 1994 [remontagem de 1965] (65 min).

CHION, Michel. Un art sonore, le cinéma. Paris: Cahiers du Cinéma, 2003.

______. A audiovisão: som e imagem no cinema. Lisboa: Texto & Grafia, 2011.

______. L´audio-vision. Paris: Nathan, 1994.

COHEN, Annabel. Film music from the perspective of cognitive science. In: NEUMEYER, David (org.). The Oxford Handbook of Film Music Studies. Oxford: Oxford University Press, 2014.

DESERTER (Dezertir). Direção: Vsevolod Pudovkin. União Soviética: Mezhrabromfilm, 1933 (105 min).

EISENSTEIN, Sergei. A forma do filme. Rio de Janeiro: Zahar, 2002a.

______ . O sentido do filme. Rio de Janeiro: Zahar: 2002b.

EISENSTEIN, Sergei; PUDOVKIN, Vsevolod; ALEXANDROV, Grigori. Declaração sobre o futuro do cinema sonoro. In: EISENSTEIN, Sergei. A forma do filme. Rio de Janeiro: Zahar, p. 225-227, 2002a.

______ . Declaração sobre o futuro do cinema sonoro (em russo). Disponível em: http://www.lib.ru/CINEMA/kinolit/EJZENSHTEJN/s_budushchee_zvukovoj_filxmy.txt Acesso em: 25 jul. 2016.

FORD, Fiona. The film music of Edmund Meisel (1894-1930). 2011. 346 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Universidade de Nottingham, 2011.

FROBENIUS, Wolf. Polyphony. In: GROVE Music Online. Disponível em: http://www.oxfordmusiconline.com Acesso em: 02 set. 2014.

GORBMAN, Claudia. Unheard melodies: narrative film music. Bloomington: Indiana University Press, 1987.

IVAN o terrível, parte I (Ivan Groznyy). Direção: Sergei Eisenstein. União Soviética: Mosfilm, 1945. (103 min).

IVAN o terrível, parte II (Ivan Groznyy. Skaz vtoroy: Boyarskiy zagovor). Direção: Sergei Eisenstein. União Soviética: Mosfilm, 1958. (88 min).

KRACAUER, Siegfried. Theory of film: the redemption of physical reality. New York: Oxford University Press, 1960.

KUHLE Wampe. Direção: Slaten Dudow. Alemanha: Prometheus-Film-Verleih, 1932 (80 min).

MAIA DE JESUS, Guilherme. Elementos para uma poética da música do cinema: ferramentas conceituais e metodológicas aplicadas na análise da música nos filmes Ajuste final e O homem que não estava lá. 2007. 283 f. Tese (Doutorado em Comunicação) – Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007.

MITRY, Jean. Esthétique et psychologie du cinéma. Paris: Cerf, 2001.

O CANTOR de jazz (The jazz singer). Direção: Alan Crosland. Estados Unidos da América: Warner Bros, 1927 (88 min).

PUDOVKIN, Vsevolod. Film Technique and Film Acting. New York: Grove Press, 1960.

SACHS, Klaus-Jürgen; DAHLHAUS, Carl. Counterpoint. In: GROVE Music Online. Disponível em: http://www.oxfordmusiconline.com Acesso em: 02 set. 2014.

SOLARIS (Solyaris). Direção: Andrei Tarkovski. União Soviética: Mosfilm, 1972 (167 min).

UM CONDENADO à morte escapou (Un condamné à mort s´est échappé ou le vent souffle où il veut). Direção: Robert Bresson. França: Gaumont, 1956 (99 min).

UM FILME como os outros (Un film comme les autres). Direção: Jean-Luc Godard. França: Anouchka Films, 1968 (120 min).

ZARLINO, Gioseffo. The Art of Counterpoint. New Haven: Yale University Press, 1968.

Publicado
2017-03-24
Como Citar
Alvim, L. B. (2017). Contraponto audiovisual? De Eisenstein a Chion. Revista FAMECOS, 24(2), ID24688. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2017.2.24688
Seção
Cinema