A categoria Video of the Year do VMA como construtora das convenções do videoclipe

  • Ariane Diniz Holzbach Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Videoclipe, Audiovisual, Comunicação

Resumo

O artigo pretende compreender de que maneira uma categoria de premiação atua na consolidação das características estruturais do videoclipe. Para tanto, a proposta é analisar os 30 primeiros vencedores (1984-2014) da categoria Video of the Year, do Video Music Awards (VMA), a mais importante premiação do videoclipe, no intuito de perceber convenções que a premiação ajudou a consolidar. Como argumento central, considera-se que a categoria é um elemento fundamental do desenvolvimento do videoclipe especialmente em duas frentes: 1) ela potencializa que o videoclipe seja percebido como produto artístico e 2) ajuda a naturalizar características relacionadas à linguagem do gênero. Contudo, essa consolidação acontece através de variadas estratégias executadas pela MTV, criadora da premiação, visando a sua própria legitimação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ariane Diniz Holzbach, Universidade Federal Fluminense
Professora adjunta de Estudos de Mídia da Universidade Federal Fluminense. Doutora em Comunicação pela UFF com pós doutorado em História pela UERJ.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Questões de Literatura e de Estética: A Teoria do Romance. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

BANKS, Jack. Monopoly Television: MTV’s Quest to Control the Music. Colorado: Westview Press, 1996.

BOURDIEU, Pierre. As Regras da Arte: gênese e estrutura do campo literário. Lisboa: Presença, 1996.

BURGESS, Jean; GREEN, Joshua. YouTube e a revolução digital: Como o maior fenômeno da cultura participativa está transformando a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009.

DENISOFF, R. Serge. Inside MTV. New Brunswick: Transaction Publishers, 1988.

ELIAS, Norbert. Mozart: Sociologia de um Gênio. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

ENGLISH, James. The Economy of Prestige: Prizes, Awards, and The Circulation of Cultural Value. Cambridge: Harvard University Press, 2005. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4159/9780674036536

Acesso em: 23 nov. 2015.

FERNANDES JUNIOR, Aroldo Santos. Eu Venho Perdendo Você: O Desaparecimento nos Vídeos-Performance “Madimoizele Gessyu – Sorte” e “Single Man Dances to Single Ladies”. Revista Gambiarra, Rio de Janeiro, n. 4, p. 15-21, 2012.

FRITH, Simon. Performing Rites: on the value of popular music. Cambridge/ Massachusetts: Harvard University Press, 1996.

GOODWIN, Andrew. Dancing in the Distraction Factory: Music Television and Popular Music. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1992.

HOLZBACH, Ariane Diniz. Smells Like Teen Spirit: a consolidação do videoclipe como gênero áudio-visual. Tese (Doutorado em Comunicação Social). Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2013.

______. O Video Music Awards e a consolidação do videoclipe como gênero. Revista Fronteiras, São Leopoldo, v. 16, n. 2, p. 91-103, maio/agosto 2014. Disponível em: http://goo.gl/nINbYF

Acesso em: 9 jun. 2016.

KAPLAN, Elizabeth Ann. Rocking Around The Clock: Music Television, Postmodernism and Consumer Culture. London: Methuen, 1987.

LIESENBERG, Susan. O processo de celebrificação na internet: O caso de Stefhany do Crossfox. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação). Programa de Pós-graduação em Comunicação e Informação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2012.

WATSON, Mary; ANAND, N. Award ceremony as an arbiter of commerce and canon in the popular music industry. Popular Music, Cambridge, v. 25, n. 1, p. 41-52, jan. 2006. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1017/S0261143005000747

Acesso em: 10 jun. 2016.

Publicado
2017-01-02
Como Citar
Holzbach, A. D. (2017). A categoria Video of the Year do VMA como construtora das convenções do videoclipe. Revista FAMECOS, 24(1), ID24311. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2017.1.24311
Seção
Televisão