Jornalistas e tecnoatores: a negociação de culturas profissionais em redações on-line

  • João Canavilhas Universidade da Beira Interior (Portugal)
  • Ivan Satuf Universidade da Beira-Interior (UBI)/Portugal.
  • Diógenes de Luna Universidade Federal do Cariri
  • Vitor Torres Universidade Federal da Bahia
  • Alciane Baccin Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Alberto Marques Universidade Católica de Brasília
Palavras-chave: Jornalismo online. Tecnoatores. Cultura profissional.

Resumo

Este artigo investiga a crescente influência de designers e programadores no trabalho jornalístico em redações on-line. Descritos como “tecnoatores”, estes profissionais conquistam visibilidade pelo domínio de conhecimentos especializados decisivos na produção da notícia. O objetivo é investigar como jornalistas, designers e programadores estabelecem negociações durante as rotinas produtivas. O estudo empírico está delimitado a seis redações on-line – três brasileiras e três portuguesas – onde foram feitas 17 entrevistas semiestruturadas com integrantes das categorias profissionais em questão. A análise qualitativa das entrevistas é composta de quatro eixos temáticos: 1) processos de negociação; 2) conceito de notícia; 3) distância física versus distância epistêmica; 4) hibridismo profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Canavilhas, Universidade da Beira Interior (Portugal)

Doutor em Comunicação, Cultura e Educação pela Universidade de Salamanca. É Professor Associado na Universidade da Beira Interior e investigador na unidade de investigação Labcom.IFP – Comunicação, Filosofia e Humanidades. 

Ivan Satuf, Universidade da Beira-Interior (UBI)/Portugal.
Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade da Beira Interior. Mestre em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais(UFMG). Áreas de investigação: Jornalismo e novas tecnologias, convergência midiática, ensino de Jornalismo.
Diógenes de Luna, Universidade Federal do Cariri
Professor do curso de Jornalismo da Universidade Federal do Cariri (UFCA). Doutorando em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior (UBI). Investigador do Labcom.IFP. Bolsista do Cnpq (processo 201933/2014-4)
Vitor Torres, Universidade Federal da Bahia
Doutorando  da  Universidade  Federal  da  Bahia  (UFBA/Brasil). Fez estágio doutoral em regime de cotutela na Universidade da Beira Interior (UBI/Portugal). Investigador do Grupo de Pesquisa em Jornalismo Online (Gjol) e membro do Laboratório de Jornalismo Convergente da  UFBA (Labjor). Bolsista CNPq de doutorado. 
Alciane Baccin, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutoranda em Comunicação e Informação na UFRGS e em Ciências da Comunicação na UBI (Portugal). Mestre em Ciências da Comunicação na Unisinos. Especialista em Comunicação Midiática na UFSM. Jornalista
Alberto Marques, Universidade Católica de Brasília
Professor da Universidade Católica de Brasília, com atuação nas áreas de pesquisa, extensão e ensino. Tem interesse em assuntos relacionados à cibercultura, com foco em jornalismo digital, comunicação organizacional e comunicação pública. É doutorando em comunicação pela Universidade de Brasília.

Referências

ANANNY, Mike. Press-Public collaboration as infrastructure: Tracing news organizations and programming publics in application programming interfaces. American Behavioral Scientist, v. 57, n. 5, p. 623-642, 2012. DOI: 10.1177/0002764212469363.

ANANNY, Mike; CRAWFORD, Kate. A Liminal Press: Situating news app designers within a field of networked news production. Digital Journalism, v. 3, n. 2, p. 192-208, 2015. DOI: 10.1080/21670811.2014.922322.

ANDERSON, Christopher W. Towards a sociology of computational and algorithmic journalism. New Media & Society, v. 15, n. 7, p. 1005-1021, 2013. DOI: 0.1177/1461444812465137.

BARBOSA, Suzana Oliveira; TORRES, Vitor. O paradigma “Jornalismo Digital em Base de Dados”: modos de narrar, formatos e visualização para conteúdos. Galáxia. Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da PUCSP, v. 25, p. 152-164, 2013.

BELL, Emily. It’s time we fought back. British Journalism Review, v. 26, n. 1, p. 34-41, 2015. DOI: 10.1177/0956474815575453.

BREED, Warren. Social control in the newsroom: A functional analysis. Social Forces, v. 33, n. 4, p. 326-335, maio 1955. DOI: 10.2307/2573002.

CANAVILHAS, João, SATUF, Ivan, LUNA, Diógenes, TORRES, Vitor. Jornalistas e tecnoatores: dois mundos, duas culturas, um objetivo. Esferas, v. 3, n. 5, 2014.

CARLSON, M. (2015). Introduction: The many boundaries of journalism. In: CARLSON, Matt; LEWIS, Seth C. (ed.). Boundaries of journalism: Professionalism, practices and participation. Routledge, 2015.

CHARRON, Jean; DAMIAN-GAILLARD, Béatrice; TRAVANCAS, Isabel. Journalism’s “Invisibles”. Introduction. Sur le journalism About journalism Sobre jornalismo, v. 3, n. 1, p. 10-13, 2014.

COHEN, Sarah; HAMILTON, James T.; TURNER, Fred. Computational journalism: how computer scientists can empower journalists, democracy’s watchdogs, in the production of news in the publict interest. Communications of the ACM, v. 54, n. 10, p. 66–71, 2011. DOI: 10.1145/2001269.2001288.

ERICSON, Richard Victor; BARANEK, Patricia M.; CHAN, Janet .Visualizing deviance: A study of news organization. Toronto: University of Toronto, 1987.

GANS, Herbert J. Deciding what’s news: A study of CBS evening news, NBC nightly news, Newsweek, and Time. New York: Random House, 1979.

GARRISON, Bruce. Computer-assisted reporting near complete adoption.Newspaper Research Journal, v. 22, n. 1, p. 65–79, 2001.

KOVACH, Bill; ROSENSTIEL, Tom. Blur: How to know what’s true in the age of information overload. New York: Bloomsbury Publishing, 2011.

MANOVICH, Lev. The language of new media. Cambridge: MIT press, 2001.

MANOVICH, Lev. Software takes command: extending the language of new media. New York: Bloombury, 2013.

MERRIN, William. Media Studies 2.0. Abingdon: Routledge, 2014.

NIELSEN, RasmusKleis. How newspapers began to blog: Recognizing the role of technologists in old media organizations’ development of new media technologies. Information, Communication & Society, v. 15, n. 6, p. 959-978, 2012.

PARASIE, Sylvain; DAGIRAL, Eric.Data-driven journalism and the public good: “Computer-assisted-reporters” and “programmer-journalists” in Chicago. New Media & Society, v. 15, n. 6, p. 853–871, 2012. DOI: 1461444812463345.

PAVLIK, John. The impact of technology on journalism. Journalism Studies, v. 1, n. 2, p. 229-237, 2000.

QUADROS, Claudia; CAETANO, Kati; LARANGEIRA, Álvaro. Jornalismo e Convergência: Ensino e práticas profissionais. Covilhã: LabCom Books, 2011.

ROBINSON, Sue. Convergence crises: News work and news space in the digitally transforming newsroom. Journal of Communication, v. 61, n. 6, p. 1122-1141, 2011.

ROYAL, Cindy. The journalist as programmer: A case study of the New York Times interactive news technology department. In: InternationalSymposiumon Online Journalism. v. 2, n. 1, p. 5-24, 2012.

TRÄSEL, Marcelo. Aprendendo a se deixar guiar por dados: a formação dos jornalistas da equipe Estadão Dados. REBEJ - Revista Brasileira de Ensino de Jornalismo, v. 4, n. 14, p. 85-99, 2014.

TUCHMAN, Gaye. Making news: A study in the construction of reality. New York: The Free Press, 1978.

WESTLUND, Oscar. Producer-centric versus participation-centric: On the shaping of mobile media. Northern Lights: Film & Media Studies Yearbook, v. 10, n. 1, p. 107-121, 2012.

ZELIZER, Barbie. Taking journalism seriously: News and the academy. Thousand Oaks: Sage Publications, 2004.

Publicado
2016-07-07
Como Citar
Canavilhas, J., Satuf, I., de Luna, D., Torres, V., Baccin, A., & Marques, A. (2016). Jornalistas e tecnoatores: a negociação de culturas profissionais em redações on-line. Revista FAMECOS, 23(3), ID24292. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2016.3.24292
Seção
Jornalismo