A comunicação dissidente e os atos que falam

  • Jacques Alkalai Wainberg Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Comunicação dissidente, Atuação, Discurso

Resumo

Este estudo aborda um caso especial de comunicação, o utilizado por atores sociais dissidentes para transmitir suas mensagens através de encenações dramáticas. Casos são examinados e comparados. A comunicação dissidente é um tipo especial de discurso persuasivo. Ele almeja afetar o clima de opinião pública através de certo tipo de cenas, as que permitem enquadrar as emoções humanas que expressam a rebeldia e a crítica. Elas também permitem enviar a um públicoalvo específico uma mensagem política implícita. O significado é inferido dos gestos que se interligam no “jogo de cenas” da dramatização da mesma forma que um intérprete entende uma frase a partir do “jogo das palavras” no contexto da oração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jacques Alkalai Wainberg, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da PUCRS

Referências

AUSTIN, John. How to do things with words. Cambridge: Harvard University. 1975.

BOORSTIN, Daniel. The Image: A Guide to Pseudo-Events in America. Vintage. 1992.

BURKE, Kenneth. A Grammar of Motives. Berkeley: Universidade da California, 1969.

CANETTI, Elias. Massa e Poder. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

FREUD, S. A Psicologia das Massas e Análise do Eu. Porto Alegre: L&PM Editores, 2013.

GASSET, José Ortega. A Rebelião das Massas. Rio de Janeiro: Livro Ibero-Americano, 1971.

GENDRON, Renée. ‘The Meanings of Silence during Conflict.’ Journal of Conflictology, v. 2, n. 1, 2011.

GOFFMAN, Erving. A Representação do Eu na Vida Cotidiana. Rio de Janeiro: Vozes, 1989.

GRICE, H. Paul. Logic and Conversation. In: Syntax and Semantics. New York, v. 3, p. 41-58, 1975. Disponível em: http://www.sfu.ca/~jeffpell/Cogs300/GriceLogicConvers75.pdf

Acesso em: 3 mar. 2016.

JAKOVLJEVIC, Michel B.Shatterede Back Wall: Perfomative Utterance ofa Doll’s Hous. Theatre Journal 54(3): 431-48, 2002.

KAHNEMAN, Daniel. Thinking, Fast and Slow. Londres: Penguin Books. 2012 .

LE BON, Gustave. Psicologia das multidões. São Paulo: WMF Martins Flores, 1895.

LEECH, Geoffrey. Principles of Pragmatics. London: Longman, 1983.

MADONIK, Barbara. I hear what you say, but what are you telling me? The strategic use of nonverbal communication in mediation. São Francisco, CA: Jossey-Bass, 2001.

MANN, Douglas. A Survey of Modern Social Theory. Canada: Oxford University Press, 2008.

MARTIN, Brian. Varieties of dissent. In Stephen P. Banks. Dissent and the Failure of leadership. Cheltenham: Edward Elgar, p. 22-36, 2008.

PAIL, Daisy Batista. A retórica da polidez e dos palavrões nas redes sociais: uma abordagem por interfaces. Porto Alegre: ediPUCRS, 2011.

PINKER, Steve. Do que é feito o pensamento: a língua como janela para a natureza humana. São Paulo: Cia das Letras, 2008.

PINTO, Paulo Roberto Margutti. Iniciação ao Silêncio. São Paulo: Edições Loyola. 1998.

ROSE, Flemming. Why I Published Those Cartoons. Washington Post. 19/02/2006.

______. The Tyranny of Silence. Maryland: NATL Book Network. 2014.

SANI, Fabio e TODMAN, John. Should we stay or should we GO? A social psychological model of schisms in groups. Personality and Social Psychology Bulletin. Califórinia, v. 28, n. 12, p. 1647-1655, 2002.

SARTORI, Roberta. O mundo dos implícitos no debate político-jurídico da eleição presidencial norte-americana de 2000 através do discurso jornalístico: uma abordagem pragmático-lógico-cognitiva da inferência na interface com a comunicação. 2014. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Letras, PUCRS, Porto Alegre, 2014.

SHARP, Gene. Poder, Luta e Defesa. Porto Alegre: Paulinas, 1983.

______. Social Power and Political Freedom. Extending Horizon Books, 1980.

STREETER, Thomas. Policy, Politcs, and Discourse. Commnication, Culture & Critique. New Jersey, v. 6, n. 4, p. 488-501, 2013.

THOMAS, William. The Definition of the Situation. In: Self, Symbols, and Society: Classic Readings in Social Psychology, Lanham, MD: Rowman & Littlefield, p.103-115, 2002.

______. The behavior pattern and the situation. Papers and proceedings of the Twenty-Second Annual Meeting of the American Sociological Society, v. 22, 1928.

THOREAU, Henry David. Desobediência Civil. Porto Alegre: L&PM, 1999.

TROTTER, Wilfred. Instincts of the Herd in Peace and War. Nova York: FQ Legacy Books, 2010.

WATTS, Richard. Politeness. Cambridge: CUP, 2003.

WEHNER, Leslie; THIES, Cameron G. Role theory, narratives, and interpretation: the domestic contestation of roles. International Studies Review, v.16, n.3, p. 411- 436. 2014.

WITTEGENSTEIN, Ludwig. Investigações Filosóficas. São Paulo: Abril Cultural,1975.

Publicado
2017-01-02
Como Citar
Wainberg, J. A. (2017). A comunicação dissidente e os atos que falam. Revista FAMECOS, 24(1), ID23589. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2017.1.23589
Seção
Comunicação Política