As novas configurações do tempo e do espaço e seus efeitos para o labor jornalístico

  • Jeana Laura da Cunha Santos Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Palavras-chave: História do jornalismo, Trabalho, Crônica

Resumo

Este trabalho analisa três passagens no espaço efetuadas pelo jornalista em diferentes tempos com o objetivo de refletir sobre a precarização da atividade profissional na atualidade. A primeira passagem remonta ao passado para investigar a saída do literato do espaço da casa para a rua, prefigurando o surgimento do jornalista. A segunda traz à luz a formação dos primeiros gabinetes, numa transposição do espaço da rua para o espaço de trabalho. E a terceira sugere que os problemas da metrópole moderna e os novos fluxos comunicacionais desalojam o jornalista da rua ou do gabinete para trazê-lo novamente para casa, não sem prejuízo para sua saúde. Como protocolo metodológico, utiliza uma pesquisa de natureza teórica que abarca a História do Jornalismo, a Filosofia e a Sociologia. Espera-se que contribua para ampliar os fundamentos teóricos e epistemológicos do Jornalismo e permita refletir sobre a prática, a saúde e a vida mental do jornalista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jeana Laura da Cunha Santos, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Jeana Laura da Cunha Santos é jornalista formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Literatura e Pós-Doutora em Antropologia Social também pela UFSC. Como jornalista, trabalhou como apresentadora e repórter no SBT-SC, RBS TV e TV Barriga Verde. Foi assessora de imprensa junto à Associação dos Professores da UFSC e Secretaria da Educação do Estado de Santa Catarina. Atuou como professora na Unisul, Estácio de Sá, Ielusc e UFSC. Atualmente, desenvolve estudos de pós-doutorado junto ao Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da UFSC, onde participa do grupo de pesquisa objETHOS. É autora dos livros A Estética da Melancolia em Clarice Lispector (Edufsc), O colecionador de Histórias Miúdas: Machado de Assis e o Jornal (Insular) e Crônicas das Cidades Partidas (Edufsc), esse último ganhador do prêmio Maura de Senna Pereira.

Referências

ANTUNES, Ricardo. “Século XXI: nova era da precarização estrutural do trabalho?” In: ANTUNES, Ricardo ; BRAGA, Ruy. (org.) Infoproletários: degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo, p. 231-238, 2009.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

BARRETO, Lima. Recordações do escrivão Isaías Caminha. São Paulo: Ática, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

_______. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1994a.

______. Rua de mão única: obras escolhidas volume II. São Paulo: Brasiliense, 1994b.

COUTINHO, Afrânio (org.). Machado de Assis: Obra Completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1959.

DUBY, Georges. História da Vida Privada 2: da Europa Feudal à Renascença. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FIDALGO, Joaquim. Notas sobre ‘O lugar da Ética e da Auto Regulação na Identidade Profissional dos Jornalistas’. Revista Comunicação e Sociedade, Minho, vol. 11, p. 37-56, 2007.

FONSECA, Juliane Figueiredo. A contribuição da ergonomia ambiental na composição cromática dos ambientes construídos de locais de trabalho de escritório. 2004. 292f. Dissertação (Mestrado em Design) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC, Rio de Janeiro, 2004.

FREUD, Sigmund. “O mal-estar na civilização (1930[1929])”. In: Edição standard brasileira das obras completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1974. vol. XXI, p. 110-11.

GLEDSON, John. Bons Dias! Crônicas (1888-1889) Machado de Assis. São Paulo: Hucitec, 1996.

JOÃO DO RIO. A alma encantadora das ruas. São Paulo: Companhia de Bolso, 2011.

KOTSCHO, Ricardo. A prática da reportagem. São Paulo: Ática, 1986.

MORIN, Edgar. Cultura de Massas no Século XX: o Espírito do Tempo – 2: necrose. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1977.

MOROZOV, Evgeny.A segunda morte do flâneur: o facebook está matando a ideia de flanar pela internet. O Estadão (09/02/2012): São Paulo. Disponível em: http:// www.estadao.com.br Acesso em: 12 nov. 2014.

NEEDELL, Jeffrey D. Belle époque tropical: sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SALAVERRÍA, Ramón; NEGREDO, Samuel. Periodismo integrado: convergência de medios y reorganización de redacciones. Barcelona: Editorial Sol90, 2008.

SALAVERRÍA, Ramón. Diezaños de logros y retos em la prensa digital. Revista Comunicação e Sociedade, Minho, v. 9, n. 10, p. 129-137, 2006.

SANTOS, Jeana. Narrativas sobre a cidade: entre o medo e o fascínio. Revista Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo, v. 11, n. 31, p. 83-98, maio/ago. 2014.

______. Experiências pioneiras de Machado de Assis sobre o jornal. 2002. 261f. Tese (Doutorado em Literatura) – Programa de Pós-Graduação em Literatura, UFSC, Florianópolis, 2002.

SEVCENKO, Nicolau (org.). História da vida privada no Brasil República: da Belle Époque à Era do Rádio. São Paulo: Companhiadas Letras, 1998.

TAVARES, Elaine. Por que os jornalistas estão adoecendo mais. Observatório de Imprensa, 24 de ago. 2010. Disponível em: http://www. observatoriodaimprensa.com.br Acesso em: 22 out. 2013.

TOZZI, Elisa. Escritório: história de produtividade, desconforto e poder. Revista Você S/A, 26 jun. 2014. Disponível em: http://exame.abril.com.br/revista-voce-sa Acesso em: 3 mar. 2015.

VIRILIO, Paul. O espaço crítico e as perspectivas do tempo real. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.

Publicado
2016-07-07
Como Citar
Santos, J. L. da C. (2016). As novas configurações do tempo e do espaço e seus efeitos para o labor jornalístico. Revista FAMECOS, 23(3), ID22607. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2016.3.22607
Seção
Jornalismo