Imagens endógenas e imaginação simbólica

Palavras-chave: Imaginário, Teoria da comunicação, energia psíquica

Resumo

O presente artigo trata do caráter endógeno da imagem, propondo que se considere as diferenças existentes entre imagem técnica e imagem simbólica e relacionando esta última aos processos do imaginário e da imaginação. Para além do interesse de propor uma classificação da imagem, o que se afigura claramente como um projeto inglório, o objetivo da reflexão é chamar a atenção para a dimensão imaginária presente na imagem simbólica, compreendendo imagem como agente de alteração no campo da energia psíquica. Valendo-se dos estudos da imagem realizados por Hans Belting, E. Morin, G. Durand, C. G. Jung, J. Hillman e demais autores que se debruçaram sobre o tema da imagem simbólica e da imaginação, a presente reflexão, ainda que seja um pequeno passo frente a um longo caminho que se insinua, representa a intenção de propor uma abordagem teórica que considere a integração entre os temas da imagem, do imaginário e da imaginação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Malena Segura Contrera, Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Midiática da Universidade Paulista

Malena Segura Contrera é professora titular do PPGCOM da UNIP, líder do Grupo de Pesquisas em Mídia e Estudos do Imaginário.

É doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP e pós-doutora em Comunicação pela UFRJ.

Referências

ADAMS, M. V.Hillman sozinho em busca da imaginação: A Psicologia do Bezerro de Ouro. Revista Rubedo – Revista de Psicologia Junguiana e Cultura, R. de Janeiro, 2008. Disponível em: http://www.rubedo.psc.br/artigosc/bezerro.htm

BAITELLO JR., N. A era da iconofagia. São Paulo: Hacker Ed., 2005.

______. A maçã, a serpente e o holograma. S. Paulo: Ed. Paulus, 2010.

_____; CONTRERA, M. S. Na selva das imagens – contribuições para uma arqueologia da imagem. Revista Significação, v. 33, n. 25, São Paulo, USP, 2006. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/significacao/article/view/65623

BAITELLO JR., N.; WULF, C.. Simpatia e Empatia – Mediosfera e Noosfera. Emoção e imaginação – os sentidos e as imagens em movimento. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2014.

BELTING, H. Antropologia de la imagen. Madri: Katz Ed., 2007.

BERMAN, M. El reencantamiento del mundo. Chile: Ed. Cuatro Vientos, 1987.

BERNARDI, C. O estatuto da imagem em Jung. Revista Rubedo – Revista de Psicologia Junguiana e Cultura. R. de Janeiro, 2008. Disponível em: http://www.rubedo.psc.br/artigosb/estaimag.htm

CASTORIADIS, C. L'institution imaginaire de la societé. Paris: Seuil, 1965.

CONTRERA, M.S. Mediosfera – meios, imaginário e desencantamento do mundo. S. Paulo: Ed. Annablume, 2010.

_____. Mediosphere and the crisis of sense. Filosofia da Mídia, v. VII, São Petersburgo, Universidade de S. Petersburgo, 2011.

_____. Emoção e imaginação – diferentes vínculos, diferentes imaginários. Revista Ghrebh, São Paulo, PUC/SP, 2012.

DURAND, G. A imaginação simbólica. Lisboa: Ed. 70, 1995.

FLUSSER, V. Filosofia da caixa preta. São Paulo: HUCITEC, 1985.

HILLMAN, J. Psicologia Arquetípica. S. Paulo: Cultrix, 1992.

_____. O sonho e o mundo das trevas. Petrópolis: Vozes, 2013.

JUNG, C. G. A energia psíquica. Petrópolis: Vozes, 1985.

_____. Símbolos da transformação. Petrópolis: Vozes, 1989.

_____. Aspectos do drama contemporâneo. Petrópolis: Vozes, 1990.

_____. Civilização em transição. Petrópolis: Vozes, 2011.

_____. O eu e o inconsciente. Petrópolis: Vozes, 2011a.

_____. Psicologia do inconsciente. Petrópolis: Vozes, 2011b.

MORIN, E. O método IV. Lisboa: Publ. Europa-América, 1988.

NAVRATIL, L. Esquizofrenia y Arte. Barcelona: Editorial Seix Barral, 1972.

WARBURG, A. El ritual de la serpiente. México: Sextopiso Editorial, 2004.

ZOJA, L. História da arrogância. São Paulo: Axis Mundi, 2000.

Publicado
2015-11-11
Como Citar
Contrera, M. S. (2015). Imagens endógenas e imaginação simbólica. Revista FAMECOS, 23(1), ID21350. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2016.1.21350
Seção
Tecnologias do Imaginário