Sobre lugares de crimes e castigos: periferia e imaginário colonial

  • Ada Cristina Machado da Silveira Universidade Federal de Santa Maria Programa de Pós-graduação em Comunicação
  • Isabel Padilha Guimarães Universidade Federal de Santa Maria Programa de Pós-graduação em Comunicação
Palavras-chave: Jornalismo, periferia, narrativa

Resumo

A discussão do imaginário promove uma aproximação com valores, seus mecanismos subjetivos e afetivos em textos midiáticos de gêneros distintos como o noticiário e o cinema. Trabalha-se a pertinência da categoria de cronotopo para abordar a forma específica de tratar narrativas sobre acontecimentos ocorridos em espaços periféricos, ao mesmo tempo em que se busca subverter a premissa da objetividade na sua produção. No caso do noticiário jornalístico e filmes nacionais sobre as periferias nacionais e metropolitanas há uma exploração de sua espacialidade enquanto lugares que recorrentemente evocam crimes e uma suposta prescrição de correspondentes castigos. Como resultado, encontramos a precedência do imaginário colonial enquanto mediação necessária e fonte de dotação de sentido nos textos midiáticos, o qual permite por em cheque a sua unicidade e a sua linearidade aparentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ada Cristina Machado da Silveira, Universidade Federal de Santa Maria Programa de Pós-graduação em Comunicação

Departamento de Ciências da Comunicação

Graduada em Jornalismo pela Unisinos, Mestre em Extensão Rural, Magister em Comunicação e Doutura em Jornalismo pela Universitat Autònoma de Barcelona. 

Isabel Padilha Guimarães, Universidade Federal de Santa Maria Programa de Pós-graduação em Comunicação
Graduação em Jornalismo pela Famocs/PUCRS, mestre e doutora em Comunicação Social pela Famecos/PUCRS

Referências

A EXPLOSÃO da periferia. Revista Veja, São Paulo, Editora Abril, p. 86-96, 24 jan. 2001. Disponível em: http://veja.abril.com.br/acervo/home.aspx Acesso em: 10 jan. 2011.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório da CPI das armas. Rio de Janeiro, 2011.

AUMONT, Jacques et. al. A estética do filme. Campinas: Papirus, 2002.

BAIERL, Luzia F. Medo social: da violência visível ao invisível da violência. São Paulo: Cortez, 2004.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética. A teoria do romance. São Paulo: Annablume, 2002.

BAUMAN, Zigmunt. Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BERNIS, Jeanne. A imaginação. Do sensualismo epicurista à psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1987.

BORGES, Wilson do C. Criminalidade no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Revan, 2006.

CALDEIRA, Teresa P. R. A política dos outros: o cotidiano dos moradores da periferia e o que pensam do poder e dos poderosos. São Paulo: Brasiliense, 1984.

DURAND, Gilbert. Campos do imaginário. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

_____. O imaginário: ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. Rio de Janeiro: DIFEL, 2001.

FERRO, Marco. Cinema e história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

GUIMARÃES, Isabel P. A imagem da violência urbana no documentário cinematográfico brasileiro na contemporaneidade. Tese (Doutorado em Comunicação Social) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, pucrs, Porto Alegre, 2010.

HAMBURGUER, Esther. Violência e pobreza no cinema brasileiro recente: reflexões sobre a ideia de espetáculo, Novos estudos - CEBRAP, São Paulo, n. 78, julho 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002007000200011&Ing=en&nrm=iso Acesso em: 13 fev. 2012.

JAMESON, Fredric. Espaço e imagem. Rio de Janeiro: UFRJ, 1995.

JOLY, Martine. Introdução à análise da imagem. Campinas: Papirus, 2003.

KUNCZIK, Michel. Conceitos de jornalismo. Norte e sul. São Paulo: Edusp/Com-Arte, 2002.

MACHADO, Juremir As tecnologias do imaginário. Porto Alegre: Sulina, 2003.

MAFFESOLI, Michel. No fundo das aparências. Petrópolis: Vozes, 1996.

_____ O imaginário é uma realidade: entrevista [20 de março de 2001]. Revista Famecos. Porto Alegre, Entrevista concedida a Juremir Machado da Silva.

_____ A comunicação sem fim (teoria pós-moderna da comunicação). Revista Famecos, Porto Alegre, n. 20, p. 13-20, abril 2003.

METZ, Christian. O significante imaginário: psicanálise e cinema. Lisboa: Livros Horizonte, 1980.

OLIVEN, Ruben G. Violência e cultura no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1986.

RAMOS, Fernão P. Narcisismo às avessas. Folha de São Paulo, Caderno Mais, São Paulo, p.14-15, 03 ago 2003.

SHOHAT, Ella; STAM, Robert. Crítica da imagem eurocêntrica. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

SODRÉ, Muniz Sociedade, mídia e violência. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006.

ZALUAR, Alba. Integração perversa. Pobreza e tráfico de drogas. Rio de Janeiro, FGV, 2004.

_____. Dilemas da segurança pública no Brasil. In: Desarmamento, segurança pública e cultura de paz. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, v. 3, 2005. Disponível em: http://www.ims.uerj.br/nupevi/desarmamento.pdf Acesso em: 13 fev. 2012.

Filmografia:

BRÓDER. Direção: Jeferson De. São Paulo: Sony Pictures, 2010.

CIDADE de Deus. Direção: João Moreira Salles. Produção: Kátia Lund. Rio de Janeiro: Imagem Filmes, 2002.

CIDADE dos Homens. Direção: César Charlone, Eduardo Tripa, Fernando Meirelles, Kátia Lund, Paulo Morelli, Regina Casé. Rio de Janeiro: Som Livre, 2003. Série de TV.

FALA Tu. Direção: Guilherme Coelho. Rio de Janeiro: Vídeofilmes, 2003.

NOTÍCIAS de uma guerra particular. Direção: João Moreira Salles. Produção: Kátia Lund. Rio de Janeiro: Vídeofilmes, 1999.

ÔNIBUS 174 ,Direção: Felipe Lacerda e José Padilha. Rio de Janeiro: Vinny Filmes, 2002.

TROPA de Elite. Direção: José Padilha. Rio de Janeiro: Paramount/Universal, 2007.

Publicado
2015-11-11
Como Citar
Machado da Silveira, A. C., & Padilha Guimarães, I. (2015). Sobre lugares de crimes e castigos: periferia e imaginário colonial. Revista FAMECOS, 23(1), ID20928. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2016.1.20928
Seção
Tecnologias do Imaginário