Implicações epistemológicas da pesquisa sobre novas práticas jornalísticas: por onde começar?

  • Myrian Regina Del Vecchio de Lima Universidade Federal do Paraná – UFPR Programa de Pós-Graduação em Comunicação – PPGCom Rua Bom Jesus, 650, térreo Bairro Juvevê CEP 80035-010 Curitiba/PR [email protected] [email protected] Tel: 41 3313 2005 http://orcid.org/0000-0002-1833-2332
  • Kati Eliane Caetano Universidade Tuiuti do Paraná - UTP Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Linguagens - PPGCom Rua Sydnei Antônio Rangel Santos, 238 Bairro Santo Inácio CEP 82010-330 Curitiba/PR [email protected] Tel: 41 3331 7706
Palavras-chave: Novas práticas jornalísticas. SBPJor. Jornalismo e cibercultura

Resumo

Este texto pergunta por onde começar uma pesquisa que busque definir as implicações epistemológicas sobre novas práticas jornalísticas, levando-se em conta que há quase duas década pesquisadores têm se dedicado a compreender os limites e características do jornalismo contemporâneo que responde por várias denominações, a maioria relacionada com os processos tecnológicos de digitalização e convergência de formatos/suportes. Ao buscar subsídios para a indagação inicial, parte do mapeamento de trabalhos relacionados à temática, apresentados em cinco eventos da Sociedade Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor). A pesquisa levantou até 2014 inúmeras denominações que designam as novas práticas; os resultados iniciais sinalizam para novas indagações no âmbito da discussão epistemológica sobre o fazer jornalístico contemporâneo, caracterizado pela hibridação de ambientes e fluxos informativos online e offline, dilatação de fontes e autorias e multiplicidade de dispositivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Myrian Regina Del Vecchio de Lima, Universidade Federal do Paraná – UFPR Programa de Pós-Graduação em Comunicação – PPGCom Rua Bom Jesus, 650, térreo Bairro Juvevê CEP 80035-010 Curitiba/PR [email protected] [email protected] Tel: 41 3313 2005

Jornalista. Doutora em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mestre em Comunicação pela Universidade Metodista de São Paulo. Professora do Departamento de Comunicação Social da UFPR. Integrante permanente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento da mesma universidade. Integrante da pesquisa internacional em jornalismo desenvolvida pelo Convênio de Cooperação em Jornalismo entre Brasil (IES do Paraná), França (Université Lyon II-Lumiére) e Líbano (Saint-Joseph University). Líder do Grupo de Pesquisa Click: Cultura Ciber e Comunicação.

Kati Eliane Caetano, Universidade Tuiuti do Paraná - UTP Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Linguagens - PPGCom Rua Sydnei Antônio Rangel Santos, 238 Bairro Santo Inácio CEP 82010-330 Curitiba/PR [email protected] Tel: 41 3331 7706

Doutora em Letras pela Universidade de São Paulo (1991). Pós-doutorado em Semiótica pela Université de Liège e Groupe de Recherches Sémiotiques da EHESS, de Paris, França e pós-doutorado em Ciências da Linguagem, na École Normale Supérieure de Lyon e Université de Paris VII, Paris. Professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Linguagens da Universidade Tuiuti do Paraná (UTP). Integrante da pesquisa internacional em jornalismo (Novas Práticas Jornalistas) desenvolvida pelo Convênio de Cooperação em Jornalismo entre Brasil (IES do do Paraná), França (Université Lyon II -Lumière) e Líbano (Saint-Joseph University). Líder do Grupo de Pesquisa Interações Comunicacionais, Imagens e Cultura Digital (Incom) e membro do Grupo de pesquisa Click: Cultura Ciber e Comunicação.

Referências

BORELLI, Viviane. O processo de midiatização do jornalismo: desafios e perspectivas da prática laboratorial. In: IV Sipecom (Seminário Internacional de Pesquisas em Comunicação, Estratégias e Identidades Midiáticas), 2011, Santa Maria, RS. Anais... Santa Maria: UFSM: 2011. Disponível em: http://coral.ufsm.br/sipecom/anais/artigos/gt3.html Acesso em 15 mai. 2014.

GOMEZ OROZCO, Jesús. Comunicação social e mudança tecnológica: um cenário de múltiplas desordenamentos. In: MOARES, Denis (org.). Sociedade midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006.

MARCONDES FILHO, Ciro. Ser Jornalista: o desafio das tecnologias e o fim das ilusões. São Paulo: Paulus, 2009.

MEDITSCH, E. & SEGALA, M. A pesquisa brasileira em jornalismo apresentada na SBPJor. In: II Congresso Nacional de Pesquisadores em Jornalismo, 2004, Salvador. Anais... Salvador: SBPJor, 2004.

MIELNICZUK, Luciana. Sistematizando alguns conhecimentos sobre o jornalismo na web. In: MACHADO, Elias; PALACIOS, Marcos. Modelos de jornalismo digital. Salvador, BA: Ed. GJOL: Calandra Ed., 2003. p. 37-54.

PISANI, Francis; PIOTET, Dominique. Como a web transforma o mundo: a alquimia das multidões. São Paulo: Senac, 2010.

RENÓ, Denis Porto; VIVAR, Jesús M.Flores. Periodismo transmedia: Reflexiones y técnicas para el ciberperiodista desde los laboratorios de medios interactivos. Madrid: Editorial Fragua, 2012.

RUELLAN, Denis e ADGHIRNI, Zélia Leal. O Jornalismo como invenção permanente: novas práticas, novos atores. 2011. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2009/resumos/R4-1559-1.pdf Acesso em: 14 mai. 2014.

STRELOW, Aline. O estado da arte da pesquisa em jornalismo no Brasil: 2000 a 2010. Intexto. Porto Alegre, UFRGS, v. 2, n. 25, p. 67-90, dez. 2011.

ZAMITH, Fernando. A Contextualização no ciberjornalismo. Tese. (Doutorado em Comunicação).Universidade do Porto, Portugal, 2011. Disponível em: http://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/57280/2/zamith000148443.pdf . Acesso em: 26 ago. 2014.

Publicado
2015-07-10
Como Citar
Del Vecchio de Lima, M. R., & Caetano, K. E. (2015). Implicações epistemológicas da pesquisa sobre novas práticas jornalísticas: por onde começar?. Revista FAMECOS, 22(3), 61-76. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2015.3.19898
Seção
Jornalismo