O valor do “egocard”: afetividade e violência simbólica na rede Fora do Eixo

Palavras-chave: Circuito Fora do Eixo, Violência simbólica, Imaginário

Resumo

A rede Fora do Eixo, constituída por coletivos de produtores culturais e ativistas atuantes no cenário alternativo brasileiro, tornou-se amplamente conhecida a partir de 2013 com a atuação da Mídia Ninja – experiência formulada no âmbito da rede. De que modo o imaginário de irmandade, união e cumplicidade entre o grupo pode ocultar o emprego de violência simbólica para forjar a imagem de coesão e intensificar as dinâmicas de organização e mobilização? Para analisar as tensões e contradições nas práticas colaborativas entre os integrantes, a pesquisa no campo interdisciplinar entre a Comunicação e a História Cultural emprega o método da análise documental sobre dados obtidos em entrevistas, observação participante, acompanhamento de listas de e-mail e redes sociais. Notamos que, em um ambiente de relações de trabalho informal baseadas em pactos de honra e dívidas de gratidão, a fabulação do imaginário de que eles constituem um movimento histórico e revolucionário, análogo ao modernismo e ao tropicalismo, representa a motivação central que legitima as violências simbólicas em nome da causa idealizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Azevedo da Fonseca, Universidade Estadual de Londrina (UEL)
Professor Adjunto no Depto. de Comunicação do Centro de Educação, Comunicação e Artes (CECA) da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Doutor em História (Unesp) com pós-doutorado no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC/UFRJ).

Referências

BACZKO, Bronislaw. Imaginação social. In: Enciclopédia Einaudi: Anthropos – Homem, v. 5. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1985. p. 296-332.

BARCELLOS, R. de M. R. de; DELLAGNELO, E. H. do L. O surgimento do Circuito Fora do Eixo sob a ótica da Teoria Política do Discurso: uma reflexão. ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM GESTÃO-SOCIAL, 6. São Paulo/SP. Anais do 6º Encontro Nacional de Pesquisadores em Gestão-social. Juazeiro do Norete, 2012. Disponível em: http://anaisenapegs.com.br/2012/dmdocuments/120.pdf Acesso em: 10 mar. 2014.

BERGER, Peter L.; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade. 4 ed. Petrópolis: Vozes, 1978.

BERNARDI, Tati. A gente não quer só cinema, a gente quer dinheiro. Folha de S. Paulo, São Paulo, 2 dez. 2013. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/tatibernardi/2013/12/1379447-a-gente-nao-quer-so-cinema-a-gente-quer-dinheiro.shtml Acesso em: 28 fev. 2014.

BLOCK, Marc. Apologia da história: ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 8 ed, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

______. Modos de dominação. In: A produção da crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. Porto Alegre: Zouk, 2006.

______. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp/Porto Alegre: Zouk, 2006.

BOCCHINI, Lino; LOCATELLI, Piero. Fora do eixo: ex-integrantes da entidade controladora do Mídia Ninja falam com exclusividade para Carta Capital e condenam práticas da organização. Carta Capital, São Paulo, 16 ago. 2013. Disponível em: http://www.cartacapital.com.br/sociedade/fora-do-eixo-6321.html Acesso em: 8 out. 2013.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Difel/Bertrand Brasil, 1985.

COSTA, Eliane. A causa coletiva: políticas públicas culturais para o cenário das redes sob a perspectiva da ecologia digital (a experiência brasileira). Cadernos Cenpec | Nova série, [S.l.], v. 1, n. 1, dez. 2011. Disponível em: http://wwwh.cadernos.cenpec.org.br/cadernos/index.php/cadernos/article/view/41/45 Acesso em: 10 mar. 2014.

DARNTON, Robert. O grande massacre dos gatos: e outros episódios da história cultural francesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

GARLAND, Shannon. “The Space, the Gear, and Two Big Cans of Beer”: Fora do Eixo and the Debate over Circulation, Remuneration, and Aesthetics in the Brazilian Alternative Market. Journal of Popular Music Studies, v. 24, n. 4, p. 509-531, 2012.

GLOSSÁRIO Fora do Eixo. Universidade Fora do Eixo/Fora do Eixo Letras. s/d. Disponível em: https://docs.google.com/document/d/1a3FFIkLjl0gZ_UW1xDsBDA2uF4JMfOc1wNdcTuCbtQ/edit?hl=en&ndplr=1# Acesso em: 10 jan. 2013.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades pós-modernas. Rio de Janeiro: Forense, 2006.

MOREIRA, Sonia Virginia. Análise documental como método e como técnica. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio. Métodos e técnicas de pesquisa em Comunicação. São Paulo: Atlas, 2005.

OLIVEIRA, Cláudio. Economia Solidária se fortalece e ganha espaço em Mato Grosso. Diário de Cuiabá, Cuiabá, 19 ago. 2008. Disponível em: http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=323898 Acesso em: 20 dez. 2013.

SILVA, Juliana Vaz da; BENEVIDES, Rubens de Freitas. O universo dos festivais independentes. Emblemas: Revista do Departamento de História e Ciências Sociais - UFG/CAC, v. 9, n. 2, 2012. Disponível em:http://www.revistas.ufg.br/index.php/emblemas/article/view/28542/16028 Acesso em: 10 mar. 2014.

SINGER, Paul. Introdução à economia solidária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2002.

WANDERLEI, Gustavo Tomé. Dinâmicas de espaços culturais independentes. In: VASCONCELOS, Ana; GRUMAN, Marcelo. Políticas para as artes: prática e reflexão. Rio de Janeiro: Funarte, 2012.

WEBER, Max. Ciência e política: duas vocações. São Paulo: Cultrix, 1993.

YÚDICE, George. Translator’s introduction. In: CANCLINI, Nestor Garcia. Imagined Globalization. Duke University Press, 2014. Disponível em: http://stage.dukeupress.edu/Assets/PubMaterials/978-0-8223-5473-4_601.pdf Acesso em: 25 fev. 2014.

Publicado
2015-05-27
Como Citar
Fonseca, A. A. da. (2015). O valor do “egocard”: afetividade e violência simbólica na rede Fora do Eixo. Revista FAMECOS, 22(1), 94-119. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2015.1.19461
Seção
Imaginário