Segunda tela e a reconfiguração das práticas comunicacionais no processo de fruição de televisão

  • Ana Sílvia Lopes Davi Médola Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho - UNESP
  • Elissa Schpallir Silva Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho - UNESP
Palavras-chave: Televisão, Segunda Tela, Social TV

Resumo

O desenvolvimento de dispositivos móveis de acesso à internet, aliado a uma cultura de convergência de meios de comunicação estabelece as bases para a introdução da segunda tela no processo de fruição de conteúdos televisivos. O presente artigo trabalha com a hipótese de que o uso da segunda tela pelos telespectadores é um recurso emergente que reconfigura práticas de consumo de televisão já consolidadas no tocante às formas de interação, socialização e a busca por conteúdos complementares. Abordam-se esses três elementos e as diferentes maneiras como eles se manifestam em relação à televisão, confirmando que essa nova práxis não traz apenas inovações, mas se estabelece sobre práticas culturais antigas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Sílvia Lopes Davi Médola, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho - UNESP
Livre-docente em Comunicação Televisual. Doutorado em Comunicação e Semiótica. Docente do Departamento de Comunicação Social e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP. Diretora da TV UNESP e líder do GEA - Grupo de Estudos Audiovisuais.
Elissa Schpallir Silva, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho - UNESP
Mestre em Televisão Digital pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP. Possui graduação em Comunicação Social - Radialismo. Membro do GEA - Grupo de Estudos Audiovisuais (UNESP).

Referências

BECKER, V. et al. Júri Virtual I2TV: uma aplicação para TV digital interativa baseada em JavaTV e HyperProp. In: WEBMEDIA 2004, Ribeirão Preto. Proceedings Ribeirão Preto: WebMedia & LA-Web 2004, v. 2, 2004, p. 12-19.

BECKER, V.; MONTEZ, C. TV digital interativa: conceitos, desafios e perspectivas para o Brasil. Florianópolis: UFSC, 2. ed., 2005.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Comunicação Social. Pesquisa brasileira de mídia 2014: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Brasília: Secom, 2014.

ECGLOBAL. Pesquisa da eCGlobal Solutions mostra que 86% dos internautas brasileiros comentam sobre TV em redes sociais. 29 out. 2013. Disponível em: http://www.ecglobalsolutions.com/blog/brasil/pesquisa-da-ecglobal-solutions-mostra-que-86-dos-internautas-brasileiros-comentam-sobre-tv-em-redes-sociais/ Acesso em: 8 jan. 2014.

E. LIFE apresenta estudo sobre os trending topics do twitter adNEWS, abril, 2013. Disponível em: http://www.adnews.com.br/internet/elife-apresenta-estudo-sobre-os-trending-topics-do-twitter Acesso em: 11. abr. 2013.

GAWLINSKI, M. Interactive television production. Oxford: Focal Press, 2003.

GOSCIOLA, V. Roteiro para as novas mídias: do cinema às mídias interativas. São Paulo: Senac São Paulo, 2003.

IBOPE. No Brasil, 43% dos internautas assistem à TV enquanto navegam. 26 jun. 2012. Disponível em:http://www.ibope.com.br/pt-br/relacionamento/imprensa/releases/paginas/no-brasil-43-dos-internautas-assistem-a-tv-enquanto-navegam.aspx Acesso em: 10 maio 2013.

IBOPE MEDIA. A TV cada vez mais social. 2014. Disponível em: http://www.ibope.com.br/ptbr/conhecimento/artigospapers/Paginas/A-TV-cada-vez-mais-social.aspx Acesso em: 20 jun. 2014.

JENKINS, H. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

KLYM, N.; MONTPETIT, M. Innovation at the edge: social TV and beyond. In: MIT Communications Futures Program. Cambridge/MA, 2008. Disponível em: http://cfp.mil.edulpublications/index.shtml Acesso em: 21 jun. 2013.

LEMOS, A. Cibercultura, tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2. ed., 2007.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Loyola, 1998.

_____. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

LOPES, M. I. V. Narrativas televisivas e identidade nacional: o caso da telenovela brasileira. In: Congresso Anual em Ciência da Comunicação, XXV, Salvador, 2002. Anais eletrônicos... São Paulo: Intercom, 2002. Disponível em: http://www.portcom.intercom.org.br/pdfs/dee0dd0cbfe2629590b91abca6e57973.pdf Acesso em: 7 jun. 2014.

MANOVICH, L. The language of new media. London: The MIT Press, 2001.

PROULX, M.; SHEPATIN, S. Social TV: how marketers can reach and engage audiences by connecting television to the web, social media, and mobile. New Jersey: John Wiley & Sons, 2012.

SCOLARI, C. A. Ecologia de la hipertelevision. Complejidad narrativa, simulación y transmedialidad en la televisión contemporánea. In: SQUIRRA, S.; FECHINE, Y. (Org.). Televisão digital: desafios para a comunicação. Porto Alegre: Sulina, 2009.

SIGILIANO, D. Um marco na ‘social TV’ nacional. Observatório da Imprensa, n. 741, 09 abr. 2013. Disponível em: http://observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed741_um_marco_na_social_tv_nacional Acesso em: 12 abr. 2013.

TEIXEIRA, L. Televisão digital: interação e usabilidade. Goiânia: UCG, 2009.

VILCHES, L. Play it again, Sam. Revista Análisi, n. 9, Barcelona, p. 68, 1984.

WOLTON, D. Elogio do grande público: uma teoria crítica da televisão. São Paulo: Ática,1990.

______. Internet, e depois?: uma teoria critica das novas mídias. Porto Alegre: Sulina, 2007.

______. Pensar a comunicação. Brasília: Editora UNB, 2004.

Publicado
2015-05-27
Como Citar
Lopes Davi Médola, A. S., & Schpallir Silva, E. (2015). Segunda tela e a reconfiguração das práticas comunicacionais no processo de fruição de televisão. Revista FAMECOS, 22(1), 145-164. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2015.1.19107
Seção
Televisão