Telegrafia e modernização da imprensa nas crônicas de Machado de Assis

  • Jussara Menezes Quadros Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio)
Palavras-chave: Machado de Assis, Crônicas, Telegrafia, Século XIX, Literatura e Tecnologia.

Resumo

O artigo analisa as críticas de Machado de Assis (1839-1908) à telegrafia e sua resistência à informação telegráfica como novo paradigma do discurso jornalístico. Em 1875, um ano apenas após a inauguração do cabo submarino transatlântico, a agência Havas-Reuter abria seus escritórios no Brasil, marcando o início da incorporação do país a uma rede global de comunicações telegráficas. As crônicas do escritor, publicadas entre 1870- 1890, mostram que a modernização tecnológica da imprensa gerou tensões e controvérsias, ameaçando desestabilizar os fortes vínculos entre a literatura e o jornalismo. As invectivas irônicas de Machado de Assis contra a agência Havas revelam seu engajamento nas políticas da imprensa local, por oposição à acelerada internacionalização do mercado de notícias na segunda metade do século XIX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jussara Menezes Quadros, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio)
Professora de Literatura Brasileira da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Doutora em Teoria Literária (Unicamp). Foi Professora Assistente de Estudos Brasileiros na Universidade de Princeton de 2000 a 2009.

Referências

ASSIS, Machado de. Correspondência (1860-1869). Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2008.

______. História de Quinze Dias. Org. John Gledson e Lúcia Granja. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

______. Obra Completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1959.

______. Bons Dias! São Paulo: Hucitec, 1990.

______. Balas de Estalo. Org. Heloisa Helena Paiva De Luca. São Paulo: Annablume, 1998.

______. Notas Semanais. Org. Leonardo Affonso de Miranda Pereira. São Paulo: Editora da Unicamp, 2009.

BALZAC, Honoré de. Oeuvres Complètes. Paris: Michel Lévy Frères, 1868.

BERTHOLD, Victor M. History of the Telephone and Telegraph in Brazil, 1851-1921. New York: American Telephone and Telegraph Company, 1922.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis Historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

Falas do trono: desde o ano de 1823 até o ano de 1889, acompanhadas dos respectivos votos de graça. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1977.

LEFEBVRE, Antoine. Havas: les arcannes du pouvoir. Paris: Grasset, 1992.

MAGALHÃES JR., Raimundo. Machado de Assis, vida e obra. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 2008.

MATTELART, Armand. Networking the World, 1794-2000. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2000.

NABUCO, Joaquim. A Revolução Estrangeira durante a Revolta de 1893. v. 21. Brasília: Edições do Senado Federal, 2003.

NELBACH, Alex. The Software of Empire: Telegraphic News Agencies and Imperial Publicity – 1865-1914. In: CODEL, Julie F. Imperial co-histories, national identities and the British, and the colonial news. Associated University Presses, 2003.

READ, Donald. The Power of News: The History of Reuters 1849-1989. Oxford: Oxford University Press, 2000.

REID, James J. Crisis of the Ottoman Empire: prelude to collapse 1839-1878. Stuttgart: Steiner, 2000.

SCHWARZ, Roberto. Um Mestre na Periferia do Capitalismo: Machado de Assis. São Paulo: Duas Cidades, 1990.

SOUSA, Irineu Evangelista de Sousa. Autobiografia (‘Exposição aos credores e ao público’) seguida de ‘O Meio Circulante do Brasil’. Rio de Janeiro: Zélio Valverde, 1942.

WINSECK, Dwayne; PIKE, Robert. Communication and Empire, Media, Market, and Globalization 1860-1930. Durham: Duke University Press, 2007.

Publicado
2014-01-14
Como Citar
Quadros, J. M. (2014). Telegrafia e modernização da imprensa nas crônicas de Machado de Assis. Revista FAMECOS, 20(3), 756-775. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2013.3.14249
Seção
Jornalismo