Genealogia, comunicação e cultura somática

  • Maria Cristina Franco Ferraz Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Método genealógico, Filosofia antimetafísica, Mídia, Regimes de subjetivação, Cultura somática

Resumo

Explicitando certos pressupostos antimetafísicos implicados no método genealógico criado por Nietzsche e desenvolvido por Michel Foucault e Jonathan Crary, o artigo aponta possíveis rendimentos desse método no campo da Teoria da Comunicação. Em um primeiro movimento, salienta o enriquecimento da área propiciado pela ultrapassagem, operada pelo gesto genealógico, da metafísica da origem, da crença no sujeito e da lógica de causa/efeito. A seguir, para ressaltar o caráter produtivo dessa metodologia, propõe uma abordagem genealógica acerca da alteração do regime de subjetivação na contemporaneidade a partir de produtos culturais recentes, tomando-os como expressões do que chamamos de cultura somática. Enriquecida pela genealogia, a Teoria da Comunicação amplia seu espaço e relevância para a compreensão de horizontes culturais, sentidos e modos de vida em contínua transformação: eis a aposta que subjaz ao movimento deste texto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Franco Ferraz, Universidade Federal Fluminense
P

Referências

BERGSON, Henri. Matéria e memória. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BEZERRA JR, Benilton. O ocaso da interioridade e suas repercussões sobre a clínica. In: PLASTINO, Carlos Alberto (Org.). Transgressões. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2002.

CRARY, Jonathan. Suspensions of perception (attention, spectacle, and modern culture). 2. ed. Cambridge: MIT PRESS, 2000.

FERRAZ, Maria Cristina Franco. Be stupid: marketing e palavra de ordem. In: Revista NADA, n. 16. Lisboa: maio de 2012.

______. Variações atmosféricas da atual cultura somática. In: FERRAZ, Maria Cristina Franco e BARON, Lia (Orgs.). Potências e práticas do acaso: o acaso na filosofia, na cultura e nas artes ocidentais. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I (a vontade de saber). 3. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1980.

______. Microfísica do poder. 3. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

GALCHEN, Rivka. Atmospheric disturbances. Londres: Harper Perennial, 2008.

FREIRE COSTA, Jurandir. O vestígio e a aura. 5. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

HEGEL, Georg W. Leçons sur l’histoire de la philosophie. Paris: Gallimard, 2007.

IZQUIERDO, Iván. Memória. Porto Alegre: Artmed, 2002.

MONTARDO, Sandra; PASSERINO, Liliana. Espelhos quebrados no ciberespaço. Belo Horizonte, 2008. Disponível em: http://www.compos.org.br/data/biblioteca_413.pdf. Acesso em: 20 maio 2012.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

______. Genealogia da moral. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

RABINOW, Paul. Antropologia da razão. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

ROTH, Mark. The Rise of Neuronovel. n. 1, 2004. Disponível em: http://nplusonemag.com/rise-neuronovel. Acesso em: 20 maio 2012.

ROSE, Nikolas. The politics of life itself. Princeton: Princeton University Press, 2007.

Publicado
2013-05-23
Como Citar
Ferraz, M. C. F. (2013). Genealogia, comunicação e cultura somática. Revista FAMECOS, 20(1), 163-178. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2013.1.13640
Seção
Sociedade