O que é história, o sentido da história e a historiografia

Palavras-chave: História, Historiografia, Filosofia da história, Filosofia, Ocidental

Resumo

Um dos grandes problemas das ciências em geral, é a constante busca por universalizações, generalizações e sistematizações dos seus objetos, dados, conteúdos e resultados. Talvez sejam ainda vestígios ou resquícios do positivismo ou a identificação com um possível cientificismo. Porém, ao se fazer isso, nega-se o próprio caráter, o papel, o sentido e a função da ciência, que é ser provisória, e não permanente ou eterna. Mesmo havendo em certos casos, a possibilidade de universalizações, generalizações e sistematizações, no qual também ainda permanecerão abertas e não fechadas em si. Logo, neste trabalho se procura debruçar e refletir sobre o que é história, o sentido da história e a historiografia por abordagens, aspectos e instrumentos da filosofia, da sociologia, da antropologia, da filosofia da história, da historiografia, da teoria da história, da escrita da história e dentre outros. Isso para que deste modo talvez possamos nos desvencilhar de certos mitos, conteúdos e produções de certa história e historiografia universalista. Uma vez que, em tal narrativa e escrita da história, produziram-se muitas interpretações equivocadas, míticas e generalizantes da história do mundo e dos povos em geral, onde, de modo arbitrário, o eurocentrismo, o europeísmo e o ocidentalismo assumiram a apresentação e representação da produção histórica e cultural do mundo, quase uma aculturação e homogeneização dos povos, culturas e etnias, descaracterizando-os nas suas próprias narrativas e processos históricos, isso dentro de um “pacote e produto histórico ocidental”. No qual a história foi colocada e reduzida a determinismos de diversos tipos e modos. Logo, um dos objetivos cruciais aqui, é justamente desconstruir tais narrativas, percepções e procedimentos de sorrateira aculturação e etnocentrismo da história mundial. Portanto, é necessário superar toda e qualquer narrativa, escrita e produção histórica que coloca grupos, etnias e culturas entre superiores e inferiores na produção histórica e na história, no qual os grupos superiores fazem a história e são os protagonistas dela, enquanto os grupos inferiores são os meros coadjuvantes no mundo, bem como na produção histórica. Isso ocorre porque a história e a produção da mesma são campos de disputas, conflitos e embates de ideais, mesmo pela produção científica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Barboza Duarte, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Mestre profissional em Educação, Gestão e Difusão em Biociências pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

ARANHA, M. L. A; MARTINS, M. H. P. Temas de Filosofia. São Paulo. Editora: Moderna, 1986.

ARISTÓTELES. Política. São Paulo: Martin Claret, 2004.

ARISTÓTELES. Política. Coleção Grandes Pensadores. São Paulo: Abril, 1986.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. São Paulo: Martin Claret, 2012.

BERTI, E. Aristóteles. In: PRADEAU, J. F. (org.). História da filosofia. Petrópolis: Vozes, Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2011.

BLOCH, M. Apologia da História ou O Ofício de Historiador. Rio de Janeiro. Editora: Jorge Zahar, 2002.

BURKE, P. A Escola dos Annales: 1929-1989. A Revolução Francesa da historiografia. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

BORGES, V. P. O Que é História. São Paulo. Editora: Brasiliense, 1996.

BOURDÉ, G.; MARTÍN, H. As Escolas Históricas. Belo Horizonte. Editora: Autêntica, 2016.

BOURDIEU, P. O poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Tradução de Mariza Corrêa. Campinas: Papirus, 1996.

BOURDIEU, P. In: ORTIZ, Renato (org.). Sociologia. Tradução de Paula Moreno e Alicia Auzmendi. São Paulo. Editora: Ática, 1986.

BOURDIEU, P. Questões de Sociologia. Lisboa. Editora: Fim de Séculos, 2003.

BOURDIEU, P. Le champ scientifique. Actes de La Recherche en Sciences Sociales, Lyon, n. 2/3, p. 88-104, jun. 1976.

CAMPO, A. L. Diccionario básico de Antropología. Equador: Abya-Yala, 2008.

CARR, E. H. Que é História. São Paulo: Paz e Terra, 1982.

CATROGA, F. Memória, história e historiografia. Rio de Janeiro: FGV, 2017.

CASSIRER, E. Ensaio sobre o homem. Introdução a uma filosofia da cultura humana. Tradução de Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

CHAUÍ, M. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2006.

CHAUÍ, M. O Que é Ideologia. São Paulo: Brasilense, 1980.

DELUMEAU, J. História do Medo no Ocidente (1300-1800) – Uma cidade sitiada. Tradução de Maria Lucia Machado e Heloísa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

GARCIA, M. M. A. O Campo das Produções Simbólicas e o Campo Científico em Bourdieu. Cad. Pesq., São Paulo, n. 97, p. 64-92, 1996.

GINZBURG, C. O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

GINZBURG, C. A micro-história e outros ensaios. Lisboa: Difel, 1994.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas e sinais. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

GUARINELLO, N. L. História Antiga. São Paulo: Contexto, 2016.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2008.

JAEGER, W. Paidéia – A Formação do Homem Grego. Tradução de Artur M. Parreira. São Paulo: Editora Martins, 1995.

JAPIASSÚ, H.; MARCONDES, D. Dicionário básico de filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

JASPERS, K. Introdução ao pensamento filosófico. Tradução de Leonidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. São Paulo: Cultrix, 2007.

KUHN, T. S. A Estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2004.

LARAIA, R. Cultura: Um Conceito Antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 2014.

LE GOFF, J. A civilização do Ocidente Medieval. Tradução de Monica Stahel. Petrópolis: Vozes, 2015.

MARX, K. O Capital. São Paulo: Nova Cultural, 2006. v. 1.

MARX, K. O Manifesto do Partido Comunista. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

MARX, K. Manuscritos Econômicos Filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2006.

PEGORARO, O. A. Sentidos da história: Eterno retorno - Destino - Acaso - Desígnio inteligente - Progresso sem fim. Rio de Janeiro: Vozes, 2016.

PROST, A. Doze Lições sobre História. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

Publicado
2021-05-12
Como Citar
Duarte, M. B. (2021). O que é história, o sentido da história e a historiografia. Oficina Do Historiador, 14(1), e38960. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2021.1.38960