O fazer poético autraniano no universo ficcional de Ópera dos mortos

Palavras-chave: Autran Dourado, Barroco, Tragédia grega, Narrador parabático

Resumo

Este artigo parte do objetivo de investigar o fazer poético de Autran Dourado, no seu romance Ópera dos mortos, de 1967. A intrigante relação estabelecida entre os membros do sobrado, criados a partir do universo ficcionista autraniano, resulta no comportamento ambivalente da protagonista, Rosalina. Esta, tem o seu final trágico já prenunciado, assim como todo o clã Honório Cota, demonstrando que é impossível ludibriar o destino. Autran Dourado soma a técnica machadiana do narrador parabático, ao que denomina falsa terceira pessoa, para estruturar um romance que se alia à tradição trágica. Esta trama, que foi inspirada na dramaturgia, se apoia na estética barroca para fazer a arquitetura do sobrado e a composição temperamental dos seus personagens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Graziela Dantas de Oliveira Almeida, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Mestranda em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

Referências

ARISTÓTELES. Poética. Introdução, tradução e comentários de Eudoro de Souza. Porto Alegre: Globo, 1966.

BOSI, Alfredo. História concisa da Literatura Brasileira. 44. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

CANDIDO, Antonio; CASTELO, J. Aderaldo. Presença da Literatura Brasileira: das Origens ao Romantismo. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1973. v. 1.

COUTINHO, Afrânio. A Literatura no Brasil. 7. ed. São Paulo: Global, 2004.

DOURADO, Autran. Ópera dos mortos. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

DOURADO, Autran. Uma poética de romance: matéria de carpintaria. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

DOURADO, Autran. Breve manual de estilo e romance. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

LEPECKI, Maria Lúcia. Ópera dos Mortos. Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 3, n. 105, p. 12, ago. 1968.

PENIDO, José Márcio. Ópera dos Mortos: a nova barca de Autran Dourado. Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 2, n. 51, p. 3, ago. 1967.

PÓLVORA, Hélio. Autran em tempo de ópera. Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 2, n. 71, p. 10, jan. 1968.

RENDEIRO, Amanda Garcia. A parábase grega em Machado de Assis. Garrafa, Rio de Janeiro, n. 22. p. 1-16, 2010. Disponível em: http://www.letras.ufrj.br/ciencialit/garrafa/garrafa22/amandarendeiro_aparabasegrega.pdf. Acesso em: janeiro de 2011. Acesso em: 1 jun. 2021.

SANTIAGO, Silviano. Mineiro Autran Dourado produziu uma narrativa original e cosmopolita. Disponível em: https://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,mineiro-autran-dourado-produziu-uma-narrativa-original-e-cosmopolita,940804. Acesso em: 1 fev. 2020.

SENRA, Angela Maria de Freitas. Literatura Comentada: Autran Dourado. São Paulo: Abril Educação, 1983.

SOUZA, Ronaldes de Melo. Atualidade da tragédia grega. In: ROSENFIELD, Kathrin Holzemayr (org.); MARSHALL, Francisco (colaborador). Filosofia e Literatura: o trágico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001. p.115-140.

SOUZA, Ronaldes de Melo. O romance tragicômico de Machado de Assis. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2006.

SOUZA, Ronaldes de Melo. Agonia e morte em Autran Dourado. In: SOUZA, Ronaldes de Melo (org.). Ensaios de poética e hermenêutica. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2010. 236 p.

Publicado
2021-08-18
Como Citar
Almeida, G. D. de O. (2021). O fazer poético autraniano no universo ficcional de Ópera dos mortos. Navegações, 14(1), e39833. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2021.1.39833
Seção
Ensaios