A estilística como prática de ensino de língua materna

Embates entre as formas gramaticais e a vivacidade da língua criativa

Palavras-chave: Pensamento bakhtiniano, Ensino de língua materna, Abordagem estilística, Práticas de análise linguística

Resumo

No contexto escolar de ensino de língua materna, a forma da língua se sobrepõe à estilística. Contudo, uma abordagem estilística das formas gramaticais é possível e, mais do que isso, necessária, na prática educacional. Com o objetivo de compreender como a estilística pode contribuir no processo de (re)nascimento da individualidade linguística do estudante em resposta à hegemonia da impessoalidade da língua, este artigo se constrói pelo cotejamento das propostas de Mikhail Bakhtin (2013) acerca das questões de estilística no ensino de língua e das proposições de João Wanderley Geraldi (1997; 2006) acerca das unidades básicas do ensino de português, especialmente a análise linguística. Para tanto, tratamos de três pontos: 1) a contraposição feita por Bakhtin entre uma análise puramente gramatical e a abordagem estilística de língua materna; 2) cotejamento entre a abordagem estilística proposta por Bakhtin e as proposições de Geraldi acerca das práticas de análise linguística no ensino de língua materna; 3) compreensões acerca da abordagem estilística no ensino de língua materna como resposta à hegemonia da impessoalidade da língua. Este artigo busca atualizar o pensamento bakhtiniano, na medida em que coloca em diálogo as proposições teórico-metodológicas acerca da relação entre aspectos semânticos e estilísticos da língua construídas por Bakhtin – desenvolvidas no contexto do ensino de língua russa no interior do sistema educacional na União Soviética nos anos 1940 – com as práticas de análise linguística como uma das unidades básicas de ensino de língua portuguesa na contemporaneidade. Os dois autores constroem, por meio de proposições teórico-metodológicas de ensino da língua materna, um embate entre um ensino que reconhece e reproduz conceitos e terminologias e um ensino do uso da língua de modo criativo, no sentido de construir, com os estudantes, um olhar para o seu potencial criador de dizer sua própria palavra a partir das escolhas das formas linguísticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Caracelli Scherma, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Chapecó, SC, Brasil.

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em São Carlos, SP, Brasil. Professora da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) em Chapecó, SC, Brasil.

Valdemir Miotello, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, SP, Brasil.

Doutor em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) em Campinas, SP, Brasil. Professor aposentado da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em São Carlos, SP, Brasil.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução do russo Paulo Bezerra; prefácio à edição francesa Tzvetan Todorov. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. (VOLOCHÍNOV, V. N.). Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. Prefácio de Roman Jackobson. Apresentação de Marina Yaguello. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira, com a colaboração de Lúcia Teixeira Wisnik e Carlos Henrique D. Chagas Cruz. 13, ed. São Paulo: Hucitec, 2009.

BAKHTIN, M. Questões de estilística no ensino da língua. Tradução, posfácio e notas de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. Apresentação de Beth Brait. Organização e notas da edição russa de Serguei Botcharov e Liudmila Gogotichvíli. São Paulo: Editora 34, 2013.

BAKHTIN, M. Teoria do romance I – A estilística. 1. ed. Tradução, prefácio, notas e glossário de Paulo Bezerra. organização da edição russa de Serguei Botcharov e Vadim Kójinov. São Paulo: Editora 34, 2015.

BRAIT, B. Lições de gramática do professor Mikhail M. Bakhtin. In: BAKHTIN, M. Questões de estilística no ensino da língua. 1. ed. Tradução, posfácio e notas de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. Apresentação de Beth Brait. Organização e notas da edição russa de Serguei Botcharov e Liudmila Gogotichvíli. São Paulo: Editora 34, 2013. p. 7-18.

FENILLI, L. M. F. Questões de estilística no Ensino de Língua: possíveis encontros entre a prática de análise linguística e a metodologia do professor Mikhail Bakhtin. Signo. Santa Cruz do Sul, v. 44, n. 80, p. 166-177, maio/ago. 2019. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/signo/article/view/13257. Acesso em: 5 abr. 2021.

GERALDI, J. W. Portos de Passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

GERALDI, J. W. Concepções de linguagem e ensino de português. In: GERALDI, J. W. et al. (org.). O texto na sala de aula. 4.ed. São Paulo: Ática, 2006. p. 39-46.

GERALDI, J. W. Unidades básicas do ensino de português. GERALDI, J. W. et al. (org.). O texto na sala de aula. 4. ed. São Paulo: Ática, 2006. p. 59-79.

GERALDI, J. W. Ancoragens – estudos bakhtinianos. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

KUIAVA, J. O nascimento do livro: O texto na sala de aula. In: SILVA, L. L. M. da; FERREIRA, N. S. A.; MORTATTI, M. R. L. (org.). O texto na sala de aula: um clássico sobre ensino de língua portuguesa. Campinas, SP: Autores Associados, 2014.

PONZIO, A. Procurando uma palavra outra. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

SCHMECHEL, R. Contribuições da estilística para o ensino de língua portuguesa, 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Letras) – Universidade Federal da Fronteira Sul. Cerro Largo, 2017. Disponível em: https://rd.uffs.edu.br/bitstream/prefix/1195/1/SCHMECHEL.pdf. Acesso em: 5 abr. 2021.

SILVA, A. A.; SILVA, F. V. Inflexões de um Bakhtin professor: usos criativos da linguagem ou um apelo ao exercício da autoria. Travessias, Cascavel, v. 9, n. 1, p. 387-398, 2015. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/11464. Acesso em: 5 abr. 2021.

Publicado
2021-12-31
Como Citar
Scherma, C. C., & Miotello, V. (2021). A estilística como prática de ensino de língua materna: Embates entre as formas gramaticais e a vivacidade da língua criativa. Letrônica, 14(sup.), e42467. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2021.s.42467