Cinzas, sujeiras e porcos

Os trabalhadores subalternos de Ana Paula Maia

Palavras-chave: subalternidade, Trabalho, Ana Paula Maia, Violência, Marginalização

Resumo

A partir das reflexões sobre a subalternidade e como esse conceito é experienciado nas periferias do capitalismo, o presente artigo pretende analisar a temática do processo de marginalização das personagens da autora brasileira Ana Paula Maia. Para o intento desta pesquisa, o foco será nas obras que compõem a saga dos homens brutos, a saber: Entre rinha de cachorros e porcos abatidos (2009a), O trabalho sujo dos outros (2009b) e Carvão animal (2011). Para essa pesquisa, seguindo o rastro da subalternidade, é notória a formação desses personagens a partir da violência brutal que os acomete, a qual traz como consequência o esvaziamento e a desilusão do mundo. Consoante esse processo de deformação, o trabalho surge como motor de amoldamento impetuoso da identidade desses homens, pois, a partir do labor que exercem, o qual demanda desses personagens uma postura de submissão, começam a se assemelhar mais aos animais que aos humanos. Para a construção dessa cosmologia dos detritos dos grandes centros urbanos, investigaremos também como a autora consegue articular a temática da marginalização ao processo de deformação da humanidade dos personagens. Para o intento da pesquisa, traremos à baila as contribuições de Gayatri Chakravorty Spivak (2010) e Giorgio Agamben (2002).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Lima Ribeiro, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, PA, Brasil.

Mestra em Estudos Literários pela Universidade Federal do Pará (UFPA), em Belém, Pará, Brasil. professora efetiva de Língua Portuguesa na Secretaria Estadual de Educação do Pará (SEDUC-PA). Atualmente faz parte como colaboradora e tradutora do grupo de pesquisa Amazônia – Narratologia – Anthropocene (ANA), coordenado pelo professor Dr. Gunter Karl Pressler (UFPA). A pesquisa desenvolvida objetiva o aprofundamento teórico sobre o discurso narrativo, particularmente, sobre as grandes narrativas, Amazônia (espaço cultural) e o Antropoceno, a nova época geológica.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer I: o poder soberano e a vida nua. Tradução de Paulo Henriques Brito. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

BARBERENA, Ricardo Araújo. A hipercontemporaneidade ensanguentada em Ana Paula Maia. Letras De Hoje, Porto Alegre, v. 51, n. 4, p. 458-465, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.15448/1984-7726.2016.4.26163. Acesso em: 3 mar. 2020

CANDIDO, Antonio. Educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Editora Ática, 1989.

DALCASTAGNÈ, Regina. A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, [S. I.], n. 26, p. 13–71, jul./dez. 2005.

EAGLETON, Terry. Ilusões da pós-modernidade. Tradução de Elisabeth Barbosa. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2011.

GINZBURG, Jaime. O narrador na literatura brasileira contemporânea. Tintas: quaderni di letterature iberiche e iberoamericane, [S. I.], n. 2, p. 199-221, nov. 2012.

MAIA, Ana Paula. Carvão animal. Rio de Janeiro: Record, 2011.

MAIA, Ana Paula. Entre rinhas de cachorros e porcos abatidos. Rio de Janeiro: Record, 2009a.

MAIA, Ana Paula. O trabalho sujo dos outros. In: Entre rinhas de cachorros e porcos abatidos. Rio de Janeiro: Record, 2009b. p. 52-91.

PORTO, Ana Paula Teixeira. Submundo e desumanização do sujeito em Entre rinhas de cachorros e porcos abatidos de Ana Paula Maia. Brasil/Brazil, [S. I.], v. 29, n. 53, p. 51-63, 2016.

SCHØLLHAMMER, Karl Erik. Ficção brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

Publicado
2021-11-09
Como Citar
Ribeiro, N. L. (2021). Cinzas, sujeiras e porcos: Os trabalhadores subalternos de Ana Paula Maia. Letrônica, 14(3), e39278. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2021.3.39278
Seção
Identidade e subalternidade: exploração, exclusão e contextos diaspóricos