Becos da Memória

Identidade e memória na construção da narrativa e de personagens subalternas

Palavras-chave: Identidade, Memória, História, Diáspora, Conceição Evaristo

Resumo

O presente trabalho visa investigar a reconstrução de identidade e de memória de uma coletividade afrodiaspórica através da narrativa Becos da Memória, de Conceição Evaristo. Narrativas que se constituem a partir de experiências negras em diáspora suscitam concepções de subjetividades que desconstroem uma narrativa hegemônica e dominante. Por meio dessa obra, há a possibilidade de explorar as vivências desses sujeitos subalternos que clamam para que suas vozes sejam escutadas e suas narrativas modificadas a partir da consciência de sua realidade. Logo, explorar as distintas histórias dos personagens é enxergar o significativo e doloroso papel da diáspora na concepção desses sujeitos ficcionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raissa Lauana Antunes da Silva, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Graduada em Letras pela Universidade de Caxias do Sul (UCS), em Caxias do Sul, RS, Brasil; mestranda em Teoria da Literatura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; bolsista CNPQ; atua no grupo de pesquisa Crítica e produção literária no Caderno de Sábado (Correio do Povo (RS)): autoria feminina e masculina em pauta.

Jaísa Girardi Morais , Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Graduada em Letras Português pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; mestranda em Teoria da Literatura no Programa de Pós-Graduação em Letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Bolsista CAPES.

Referências

DEL PRIORE, Mary; VENÂNCIO, Renato. Uma breve história do Brasil. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2010.

DEUS, Zélia Amador de. Espaços africanizados do Brasil: algumas referências, de resistências, sobrevivências e reinvenções. In: DEUS, Zélia Amador. Caminhos trilhados na luta antirracista. Belo Horizonte: Autentica, 2020. p. 51-64.

EMECHETA, Buchi. Cidadã de segunda classe. Tradução Heloisa Jahn. Porto Alegre: Dublinense, 2018.

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

HALBWACHS, Maurice. Memória Coletiva. Tradução: Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2009.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Tradução: Jess Oliveira. Rio De Janeiro: Cobogó, 2019.

LE GOFF, Jacques. Memória. In: História e memória. Tradução: Irene Ferreira. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

LORDE, Audre. Idade, raça, classe e gênero: mulheres redefinindo a diferença. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2019. p. 239-249.

MORRISON, Toni. A origem dos outros: seis ensaios sobre racismo e literatura. Tradução de Fernanda Abreu. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

PEREIRA, José Maria Nunes. Cultura afro-brasileira. In: BELLUCCI, Beluce (coord.). Introdução à História da África e da Cultura Afro-Brasileira. Rio de Janeiro: UCAM: CEAA: CCBB, 2003. p. 119-126.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

Publicado
2021-11-09
Como Citar
Silva, R. L. A. da ., & Morais , J. G. . (2021). Becos da Memória: Identidade e memória na construção da narrativa e de personagens subalternas. Letrônica, 14(3), e39271. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2021.3.39271
Seção
Identidade e subalternidade: exploração, exclusão e contextos diaspóricos