Entre Bom-Crioulo e Amaro

Pode um sujeito negro homossexual falar?

Palavras-chave: Subalterno, Literatura, Bom-Crioulo, Personagem negro homossexual

Resumo

Neste artigo, temos como objetivo discutir a representação do sujeito subalterno na literatura de Adolfo Caminha, a partir do romance Bom-Crioulo (1895). Para tanto, utilizamos o conceito de subalternidade com base nos pensamentos de Gramsci (1999; 2000) e Spivak (1987; 2014) em articulação com questões de raça, gênero e sexualidade e abordamos os movimentos literários Realismo e Naturalismo no Brasil, em diálogo com as questões sociais relativas ao final do século XIX, época em que a obra de Caminha foi publicada. Pautados nesses pressupostos teóricos, analisamos a construção do personagem Amaro, protagonista do referido romance, com foco na masculinidade negra e em questões de afetividade, considerando-se sua condição de sujeito subalterno por ser negro e homossexual.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Marinho Marcilio, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Mestranda em Relações Étnico-Raciais pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; especialista em Relações Étnico-Raciais e Educação pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; bolsista Cefet/RJ.

Elisamar Pereira Martins, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Mestranda em Relações Étnico-Raciais pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; bacharel em Comunicação Social pela Universidade Veiga de Almeida (UVA), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; bolsista Capes.
Yago José Eloi do Nascimento, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Mestrando em Relações Étnico-Raciais pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; especialista em Cultura Africana pela Faculdade Campos Elíseos (FCE), em Barueri, SP, Brasil; inspetor de alunos da Prefeitura Municipal de Itaguaí, em Itaguaí, RJ, Brasil.

Luciana de Mesquita Silva, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Doutora em Letras – Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Puc-Rio), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; mestre em Letras – Teoria da Literatura pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil; professora do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ), em Petrópolis e no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Difel, 2000.

CAMINHA, Adolfo. Bom-Crioulo. São Paulo: Ática, 1999.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 117-133, 2003.

COLLINS, Patrícia Hill. Pensamento feminista negro. Tradução de Jamile Pinheiro Dias. São Paulo: Boitempo, 2019.

COUTINHO, Carlos Nelson. Gramsci: um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

DALCASTAGNÈ, Regina. Bom Crioulo. In: Todavia. [S. I.]: 25 jul. 2019. Disponível em: https://todavialivros.com.br/visite-nossa-cozinha/bom-crioulo. Acesso em: 18 ago. 2020.

DUARTE, Eduardo de Assis. Por um conceito de literatura afro-brasileira. Terceira Margem, Rio de Janeiro, v. XIV, n. 23, p. 1-20, 2010.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade. Scripta, Belo Horizonte, v. 13, n. 35, p. 17-31, 2009.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: Edufba, 2008.

FAUSTINO, Deivison Mendes. O pênis sem o falo: algumas reflexões sobre homens negros, masculinidades e racismo. In: BLAY, Eva Alterman (org.). Feminismos e masculinidades: novos caminhos para enfrentar a violência contra a mulher. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. p. 75-104.

FILHO, Cícero João da Costa. Raça e evolucionismo, as Ciências Sociais no Brasil: querela entre Sílvio Romero e Manoel Bonfim em torno da herança portuguesa na formação brasileira. Intelligere: Revista de História Intelectual, São Paulo, v. 6, n. 6, p. 62-87, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2447-9020.intelligere.2018.140464. Acesso em: 30 maio 2020.

FIORIN, José Luiz. Introdução ao pensamento de Bakthin. São Paulo: Ática, 2006.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere: introdução ao estudo da filosofia e a filosofia de Benedetto Croce. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999. v. 1.

GRAMSCI, Antonio. A. Cadernos do cárcere: os intelectuais, o princípio educativo, jornalismo. Tradução de. Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. v. 2.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003. hooks, bell. Olhares negros: raça e representação. Tradução de Stephanie Borges. São Paulo: Editora Elefante, 2019.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios do racismo cotidiano. Tradução de Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Artes & Ensaios, Rio de Janeiro, v. 1, n. 32, p. 121-151, dez. 2016.

MENDES, Leonardo. O crítico Adolfo Caminha e as batalhas pelo reconhecimento literário. Fronteiraz, São Paulo, v. 1, n. 8, p. 94-103, jul. 2012.

MÉRIAN, Jean Yves. O negro na literatura brasileira versus uma literatura afrobrasileira: mito e literatura. Navegações, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 50-60, mar, 2018.

MONASTA, Attilio. Antonio Gramsci. Tradução de Paolo Nosella. Recife: Fundação Joaquim Nabuco:Editora Massangana, 2010.

OLIVEIRA, Luiz Fernando de; CANDAU, Vera Maria Ferrão. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 15-40, abr. 2010.

OLIVEIRA, Luiz Henrique Silva de; RODRIGUES, Fabiane Cristiane. Panorama editorial da literatura afro-brasileira através dos gêneros romance e conto. Em Tese, Belo Horizonte, v. 22, n. 3, p. 90-107, 2016.

PALMEIRA, Francineide Santos. Escritoras negras e representações de insurgência. In: FAZENDO GÊNERO, 9., 2010, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: Fazendo Gênero, 2010. p. 1-13. Disponível em: http://www.fg2010.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1278265153_arquivo_francineidepalmeirafg9.pdf. Acesso em: 1 set. 2020.

ROCHA, Décio. Representação e intervenção: produção de subjetividade na linguagem. Gragoatá, Niterói, v. 21, n. 1, p. 355-372, 2006.

ROCHA, Décio. Representar e intervir: linguagem, prática discursiva e performatividade. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 14, n. 3, p. 619-632, set./dez. 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1982-4017-140310-4513. Acesso em:20 jun. 2020.

SANTOS, Ricardo Augusto dos. Os intelectuais eugenistas: da abundância de nomes a escassez de investigação. (1917-1937). In: SIMPÓSIO NACIONAL ESTADO E PODER: SOCIEDADE CIVIL, 7., 2012, Uberlândia. Anais [...]. Uberlândia: Núcleo de Pesquisas sobre Estado e Poder, 2012. p. 1-15. Disponível em: https://www.historia.uff.br/estadoepoder/7snep/docs/046.pdf. Acesso em: 4 set. 2020.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. 2012. 160 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SCHWARCZ, Lilia. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e pensamento racial no Brasil: 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SILVA, Ari Denisson da. O Rio de Janeiro pelos olhos de Lima Barreto: a partir de uma literatura de Triste fim de Policarpo Quaresma. Leitura, Maceió, v. 1, n. 49, p. 109-133, jan./jul. 2012.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. In Other Worlds: essays in cultural politics. Nova York: Methuen, 1987.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

UM CORPO no mundo. Intérprete: Luedji Luna. Compositor(es): Um corpo no mundo. In: UM CORPO no mundo. São Paulo: Ybmusic, 2017. 1 CD, faixa 4.

Publicado
2021-11-09
Como Citar
Marcilio, C. M. ., Martins, E. P. ., Nascimento, Y. . J. E. do ., & Silva, L. de M. . (2021). Entre Bom-Crioulo e Amaro: Pode um sujeito negro homossexual falar?. Letrônica, 14(3), e39265. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2021.3.39265
Seção
Representações da Subalternidade em Épocas Passadas