O desterro de ser daqui

Exílio, resistência e decolonialidade na Literatura Brasileira Contemporânea

Palavras-chave: Violência, Exílio, Decolonialidade, Conceição Evaristo, Carola Saveedra

Resumo

A narrativa literária brasileira tem apresentado, especialmente nas últimas três décadas, discursos que dialogam com noções do amplo movimento de epistemologias decoloniais da América Latina, principalmente no que tange à (re/des)construção de estéticas orientadas pela hegemonia cultural europeia e à subversão da noção de experiência concebida pela Modernidade. Esses pressupostos guiam o presente estudo, que se dedica à leitura dos romances Becos da memória (2006), de Conceição Evaristo, e Com armas sonolentas (2018), de Carola Saavedra. Da perspectiva das protagonistas, mulheres que se enunciam a partir das subjetividades fronteiriças e se compõem pela vivência e saberes locais, emanam dessas narrativas vozes que, impregnadas pela experiência da violência e do exílio, esse entendido conforme as ressignificações de Said (2003), reinventam as próprias identidades com base na noção de coletividade, confrontando, por essa via, as estruturas hegemônicas e centralizadoras das políticas globalizantes. Além de constituírem severas críticas à retórica excludente da Modernidade, quando problematizam a relação eu/outro e o lugar de fala reservado ao homem branco, esses romances evocam as origens e a ancestralidade, questionando a cadeia de processos que estabelece os lugares de poder cultural e suas forjadas hierarquias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ilse M. R. Vivian, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil.

Doutora em Letras, Teoria da Literatura, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; mestre em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; pós-doutoranda na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM –PNPD/CAPES), RS, Brasil

Referências

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Obras Escolhidas, 1).

DALCASTAGNÈ, Regina. A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 26, p.13-71, jul./dez. 2005. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/9077/8085 Acesso em: 13 ago. 2021.

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. 3 ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma voz quilombola na literatura brasileira. In: PEREIRA, Edimilson de Almeida (Org.). Um tigre na floresta de signos: estudos sobre poesia e demandas sociais no Brasil. Belo Horizonte: Mazza, 2010.

GÓMEZ, P. P.; MIGNOLO. Estéticas y opción decolonial. Bogotá: Universidad Distrital Francisco José de Caldas, 2012.

MIGLIEVICH, Adélia R. O giro decolonial latino-americano: um movimento em curso. Maio, 2017. Disponível em: https://blogdosociofilo.wordpress.com Acesso em 08 ago. 2020.

MIGNOLO, Walter. Desafios decoloniais hoje. Epistemologias do Sul. Foz do Iguaçu, PR, V. 1 (1). PP. 12-32, 2017.

MIGNOLO, Walter D. Desobediência epistêmica: a opção decolonial e o significado de identidade em política. In: Cadernos de Letras da UFF - Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, 2008. Disponível em: http://www.cadernosdeletras.uff.br/joomla/images/stories/edicoes/34/traducao.pdf Acesso em 18 abr. 2020.

MORIN, Edgar. Cultura e barbárie europeias. Trad. Daniela Cerdeira. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

QUIJANO, Aníbal. Dom Quixote e os moinhos de vento na América Latina. Estudos Avançados, v.19, n.55. São Paulo, set./dez. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142005000300002 Acesso em 12 fev. 2020.

SAAVEDRA, Carola. Com armas sonolentas. 1ª edição. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SAID, Edward. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela Mão de Alice. O Social e o Político na Pós-Modernidade. 7º. ed. Porto: Edições Afrontamento, 1999.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Trad. Rosa Freire de d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SCHMIDT, Simone P. Posfácio: a força das palavras, da memória e da narrativa. In: EVARISTO, Conceição. Becos da memória. 3 ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

ŽIŽEK, Slavoj. Violência: seis reflexões laterais. Trad. Miguel Serras Pereira. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2014.

Publicado
2021-11-09
Como Citar
Vivian, I. M. R. (2021). O desterro de ser daqui: Exílio, resistência e decolonialidade na Literatura Brasileira Contemporânea. Letrônica, 14(3), e39189. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2021.3.39189
Seção
Identidade e subalternidade: exploração, exclusão e contextos diaspóricos