Lavouras de silêncios

Uma leitura das personagens Ana e André nas obras de Raduan Nassar e Luiz Fernando Carvalho

Palavras-chave: Subjetividade, Silêncio, Culpa, Lavoura arcaica

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir a ocorrência e os efeitos do silêncio nas obras Lavoura arcaica (1975), de Raduan Nassar, e no filme de Luiz Fernando Carvalho, intitulado LavourArcaica (2001). Tomamos como recorte a configuração das personagens Ana e André: sua inserção subalterna na família, sua ligação incestuosa, a culpa daí decorrente e como a psicanálise concebe o silêncio. Como a investigação é interdisciplinar, atravessando a literatura, o cinema e a psicanálise, buscamos fundamentos teóricos que contemplam as três áreas de estudo, de modo a considerar materializações do silêncio em duas linguagens semióticas distintas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jacqueline de Moraes e Silva, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil.

Mestra em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa, PB, Brasil.

Genilda Azerêdo, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil.

Doutora em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, SC, Brasil; com atuação no Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa, PB, Brasil; professora titular e pesquisadora PQ2 do CNPq desde 2009.

Referências

ANDRADE, Carlos Drummond de. Discurso de primavera e algumas sombras. Rio de Janeiro: José Olympio, 1977.

AZERÊDO, Genilda. Escritas e imagens do eu: a lírica lavoura de Raduan Nassar e Luiz Fernando Carvalho. In: AZERÊDO, Genilda. Olhares sobre o cinema brasileiro (2001-2016). Campinas: Pontes, 2016. p. 19-29.

BAZIN, André. Por um cinema impuro: defesa da adaptação. In: BAZIN, André. O que é o cinema? Tradução de Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Cosac Naify, 2014. p. 113-135.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

CANÇÕES do Exílio: a labareda que lambeu tudo. Direção: Geneton Moraes Neto. 2010. (1h31min).

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. São Paulo: Ed. Nacional, 1985.

CARVALHO, Luiz Fernando. Sobre o filme LavourArcaica. São Paulo: Ateliê Editorial, 2002.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Tradução de Vera da Costa e Silva et al. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

COLEÇÃO Grandes Mestres. Tradução de José Ruy Gandra. São Paulo: Abril, 2011. v. 1

COUTO, Raquel. Nosso diário. In: CARVALHO, Luiz Fernando. LavourArcaica. DVD edição especial. [S. I.]: Europa Filmes, 2007.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

DOANE, Mary Ann. A voz do cinema: articulação de corpo e espaço. In: XAVIER, Ismail (org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Edições Graal: Embrafilme, 1993, p. 457-475.

EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. Tradução de Waltensir Dutra. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FERREIRA, João Batista. Palavras do silêncio. Dimensões do silêncio: Caderno de Psicanálise-CPRJ, Rio de Janeiro, ano 31, n. 22, p. 13-36, 2009.

FOLHA DE S.PAULO. São Paulo, 8 maio 2008. Primeiro caderno, p. 10. Disponível em: http://acervo.folha.com.br/fsp/2008/05/08/2. Acesso em: 2013

FREUD, Sigmund. Totem e tabu e outros trabalhos (1913-1914). In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996. v. XIII.

HERNANDEZ, Juliana. O duplo estatuto do silêncio. Psicologia USP, [S. I.], v. 15, n. 1/2, 2004.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da adaptação. Tradução de André Cechinel. Florianópolis: Editora da UFSC, 2011.

JAKOBSON, Roman. Aspectos linguísticos da tradução. In: JAKOBSON, Roman. Linguística e poética. Tradução de Isidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1995. p. 63-72.

LACAN, Jacques. Observações sobre o relatório de Daniel Lagache: psicanálise e estrutura da personalidade. In: LACAN, Jacques. Escritos. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

LAVOURARCAICA. Direção: Luiz Fernando Carvalho. Intérpretes: Selton Mello, Raul Cortez, Juliana Carneiro da Cunha, Simone Spoladori, Leonardo Medeiros e Caio Blat. DVD edição especial. Europa Filmes, 2007.

LÉVI-STRAUSS, Claude. As estruturas elementares do parentesco. Tradução de Mariano Ferreira. Petrópolis: Vozes, 1982.

MACHADO, Irene. Escola de semiótica: a experiência de Tártu-Moscou para o estudo da cultura. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

McFARLANE, Brian. Novel to film: an introduction to the theory of adaptation. Oxford: Clarendon Press, 1996.

MARTIN, Marcel. A linguagem cinematográfica. Tradução de Lauro António e Maria Eduarda Colares. Lisboa: Dinalivro, 2005.

MORAES, Vinícius de. Antologia poética: Vinícius de Moraes. São Paulo: Companhia de Bolso, 2009.

NAREMORE, James (ed.). Film adaptation. New Brunswick: Rutgers University Press, 2000.

NASSAR, Raduan. Lavoura arcaica. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

NASSAR, Raduan. Cadernos de Literatura Brasileira. Número 2: Raduan Nassar. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 1997.

NERUDA, Pablo. Gosto quando te calas. In: NERUDA, Pablo. Vinte poemas de amor e uma canção desesperada. Tradução de Domingos Carvalho da Silva. Rio de Janeiro: José Olympio, 2004. p. 51.

O ARTISTA. Direção: Michel hazanavicius [Hazanavicius]. França: Paris Filmes, 2011.

O GRANDE silêncio. Direção: Philip Gröning. França, Suíça e Alemanha: 2005.

ORLANDI, Eni Puccinelli. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: Editora da UNICAMP, 2002.

PAVIS, Patrice. O teatro no cruzamento de culturas. Tradução de Nanci Fernandes. São Paulo: Perspectiva, 2008.

PAZ, Octavio. O labirinto da solidão e post-scriptum. Tradução de Eliane Zagury. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

PERRONE-MOISÉS, Leila. Da cólera ao silêncio. In: Cadernos de literatura brasileira, Número 2- Raduan Nassar. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 1997. p. 61-77.

PINTO, Leonor Souza. (Des)caminhos da censura no cinema brasileiro: os anos de ditadura. Disponível em: http://www.memoriacinebr.com.br. Acesso em: 7 ago. 2021.

PINTO JÚNIOR, Braz. A “fábula do faminto” em Lavoura arcaica: apropriações da obra de Ingmar Bergman por Luiz Fernando Carvalho. In: REICHMANN, Brunilda T. (org.). Relendo Lavoura arcaica. Curitiba: [s. n.], 2007. p. 189-199.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

QUE TEUS olhos sejam atendidos. Direção: Luiz Fernando Carvalho. [S. I.]: Bangbang Filmes, 1997.

SHAKESPEARE, William. Hamlet, Rei Lear, Macbeth. Tradução de Barbara Heliodora. In: Clássicos Abril coleções. São Paulo: Editora Abril, 2010. v. 10. p. 235.

STAM, Robert. Bakhtin da teoria literária à cultura de massa. Tradução de Heloísa Jahn. São Paulo: Editora Ática, 1992.

STAM, Robert. Beyond fidelity: the dialogics of adaptation. In: NAREMORE, James (ed.). Film adaptation. New Brunswick: Rutgers University Press, 2000. p. 54-76.

TEIXEIRA, Renata Pimentel. Uma lavoura de insuspeitos frutos. São Paulo: Annablume, 2002.

XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

XAVIER, Ismail (org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Edições Graal: Embrafilmes, 1983.

Publicado
2021-11-09
Como Citar
Silva, J. de M. e ., & Azerêdo, G. (2021). Lavouras de silêncios: Uma leitura das personagens Ana e André nas obras de Raduan Nassar e Luiz Fernando Carvalho. Letrônica, 14(3), e39186. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2021.3.39186
Seção
Silêncios e gritos dos subalternos: violência e mecanismos de opressão