Entre o silenciamento e a busca por expressão

A representação da voz feminina subalterna em Lívia Garcia-Roza

Palavras-chave: Ficção feminina contemporânea, Relações amorosas opressivas, Silenciamento, Expressão

Resumo

De acordo com Zolin (2019), a ficção de autora feminina recente vive um momento de intensa produção, no qual as questões de gênero ainda aparecem mescladas a outras demandas das mulheres pós-modernas. Nesse sentido, o romance Meu marido, publicado em 2006, pela psicanalista carioca Lívia Garcia-Roza, traz como protagonista-narradora Bela, uma jovem de 30 anos, casada e mãe, que sofre com o esfacelamento de seu cotidiano familiar. Mesmo com uma personagem feminina sujeita à opressão, à tirania, ao silenciamento e aos constantes abusos físicos e psicológicos, infligidos pelo marido, o delegado Eduardo, a autora consegue dar visibilidade aos conflitos que permeiam o cotidiano de mulheres silenciadas pelas relações amorosas opressivas. Com efeito, esse artigo, que tem como objetivo uma reflexão sobre a representação da voz subalterna da personagem feminina no romance citado, respalda-se nos aportes teóricos dos estudos culturais e da crítica feminista, com estudos de, entre outros, Coelho (1993), Perrot (2005), Bonicci (2007), Bourdieu (2015) e Zolin (2019).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilma dos Santos Coqueiro, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Campo Mourão, PR, Brasil.

Doutora em Letras/área de concentração em Estudos Literários pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), em Maringá, PR, Brasil. Docente adjunta do colegiado de Letras da Universidade Estadual do Paraná/campus de Campo Mourão, em Campo Mourão, PR, Brasil.

Referências

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: O mito do amor materno. Tradução Waldensir Dutra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: fatos e mitos. Tradução Sérgio Milliet. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

BONNICI, Thomas. Teoria e crítica literária feminista: conceitos e tendências. Maringá; Eduem, 2007.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução Helena Künher. 13. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

COELHO, Nelly Novais. A literatura feminina no Brasil contemporâneo. São Paulo: Siciliano, 1993.

COLASANTI, Marina. Por que nos perguntam se existimos. In: SHARPE, Peggy (org.) Entre resistir e identificar-se: para uma teoria prática na narrativa brasileira de autoria feminina. Florianópolis: Editora Mulheres; Goiânia: editora da UFG, 1997.

GARCIA-ROZA, Livia. Meu marido. Rio de Janeiro: Record, 2006.

MAGALHÃES, Isabel Allegro. Os véus de Ártemis: alguns traços da ficção narrativa de autoria feminina. Colóquio Letras, Lisboa, n. 125/126, p. 152, jul-dez. 1992.

MUSZKAT, Malvina. Descasamento: a falência de um ideal. In: PORCHAT, Ieda. Amor, Casamento, Separação: a falência de um mito. São Paulo: Brasiliense, 1992. p. 85-102.

OLIVEIRA, Graziele. A nova luta das mulheres. Época, São Paulo: Globo, jan. 2014.p. 44-50.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Tradução Viviane Ribeiro. São Paulo: EDUSC, 2005.

SILVA, Jacilene Maria. Feminismo na atualidade: a formação da quarta onda. Recife: Independently published, 2018.

SOLNIT, Rebecca. Os homens explicam tudo para mim. Tradução Isa Mara Lando. São Paulo: Cultrix, 2017.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução Sandra Regina Goulart Almeida; Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

THERBORN, Göran. Sexo e poder: a família no mundo, 1900-2000. Tradução Elizabete Dória Bilac. São Paulo: Contexto, 2006.

WOOLF, Virgínia. Um teto todo seu. Tradução Vera Ribeiro. 2.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

ZOLIN, Lucia Osana. Literatura de autoria feminina. In ZOLIN, Lúcia Osana & BONNICI, Thomas (orgs.). Teoria literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. 4. ed. rev. e ampl. Maringá: Eduem, 2019.

Publicado
2021-11-09
Como Citar
Coqueiro, W. dos S. (2021). Entre o silenciamento e a busca por expressão: A representação da voz feminina subalterna em Lívia Garcia-Roza. Letrônica, 14(3), e38807. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2021.3.38807
Seção
Silêncios e gritos dos subalternos: violência e mecanismos de opressão