Espaços urbanos em trânsito na poesia de Antonio Cicero

Palavras-chave: Poesia brasileira contemporânea, Espaços urbanos, Antonio Cicero

Resumo

A poesia brasileira contemporânea, sobretudo aquela produzida desde a década de 1980, tem apresentado relações diretas entre as paisagens citadinas e a subjetividade. Em poéticas assumidamente espaciais, o sujeito lírico é confrontado com novas experiências urbanas que ampliaram sua percepção de mundo na observância dos gestos que marcam o cotidiano. Nessas revelações, a poesia passa a investir na primeira pessoa endereçada ao promover a expansão da noção de sujeito lírico que, por sua vez, passa a se identificar com espaços e imagens visuais. Essas associações criam um sujeito fora de si que, por meio de seu contato com diferentes lugares, cria uma nova experiência do olhar que rompe com as fronteiras dentro/fora. Partindo da expansividade e o endereçamento poético aos diversos espaços urbanos, apresentamos uma leitura de alguns poemas presentes nos livros A cidade e os livros (2002) e Porventura (2012), do poeta Antonio Cicero.  Nessas obras, as experiências do tema urbano aparecem em poemas que evidenciam a relação poesia e paisagem e como essa relação, no poeta em questão, marca a imprecisão tempo-espacial da cidade contemporânea ao mesclar as paisagens da urbe a espaços e a tempos míticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Alberto da Silva Sales, Instituto Federal Goiano (IF Goiano), Hidrolândia, GO, Brasil.

Doutor em Estudos Literários pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, GO, Brasil. Possui estágio pós-doutoral em estudos literários, pela mesma instituição; docente da área de linguagens (língua portuguesa, língua inglesa e literaturas) no Instituto Federal Goiano (IF Goiano), em Hidrolândia, GO, Brasil; professor no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Língua, Literatura e Interculturalidade da Universidade Estadual de Goiás (UEG), GO, Brasil.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo? E outros ensaios. Tradução de Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos, 2009.

ALVES, Ida; ANCHIETA, Marleide. (org.). Apresentação. In: Grafias da cidade na poesia contemporânea (Brasil – Portugal). Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2015. p. 7-9.

ALVES, Ida. Cruzamentos urbanos na poesia portuguesa recente. Via Atlântica, v. 15, p. 205-222, 2010. https://doi.org/10.11606/va.v0i15.50433.

ANDRADE, Mário. Poesias completas. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1987.

CICERO, Antonio. A cidade e os livros. Rio de Janeiro: Record, 2002.

CICERO, Antonio. A poesia e a crítica: ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

CICERO, Antonio. Finalidades sem fim: ensaios sobre poesia e arte. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

CICERO, Antonio. Guardar: poemas escolhidos. Rio de Janeiro: Record, 1996.

CICERO, Antonio. O mundo desde o fim. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1995.

CICERO, Antonio. Porventura. Rio de Janeiro: Record, 2012.

COLLOT, Michel. La notion de paysage dans la critique thématique. In: Les enjeux du paysage. Bruxelles: Ousia, 1997.

COLLOT, Michel. La pensée-paysage. Versailles: Actes Sud, 2011.

COLLOT, Michel. O sujeito lírico fora de si. Tradução de Zênia de Faria e Patrícia Souza Silva. Signótica, v. 25, p. 221-241, 2013.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2010.

ERTHAL, Aline. Ruy Belo e João Miguel Fernandes Jorge: cidades de volumes e arestas. In: ALVES, Ida; ANCHIETA, Marleide (org.). Grafias da cidade na poesia contemporânea (Brasil – Portugal). Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2015. p. 13-32.

HESÍODO. Teogonia: a origem dos deuses. Tradução de Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 2011.

PEDROSA, Celia. Poesia, Crítica, Endereçamento. In: KIFFER, Ana; GARRAMUÑO, Florencia. Expansões contemporâneas: literatura e outras formas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014. p. 69-90.

PEDROSA, Celia; KLINGER, Diana; WOLFF, Jorge; CÁMARA, Mario. (org.). Indicionário do contemporâneo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018.

PORTAL, Marcela. O mundo desde o fim: a poética negativa de Antonio Cicero. 2017. 209 f. Tese (Doutorado em Ciência da Literatura) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017

Publicado
2021-05-19
Como Citar
Sales, P. A. da S. (2021). Espaços urbanos em trânsito na poesia de Antonio Cicero. Letrônica, 14(1), e37893. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2021.1.37893