O meio dia recostado sobre a meia-noite

Sophia de Mello Breyner Andresen, ao sol; Ana Martins Marques, à sombra

Palavras-chave: Ana Martins Marques, Sophia de Mello Breyner Andresen, Tradição, Poesia, Citação

Resumo

A epígrafe do poema “Sophia e o sol”, de Ana Martins Marques (Belo Horizonte, 1977), presente no livro Da arte das armadilhas (2011), encaminha a principal proposta deste artigo-ensaio: aproximar a poeta mineira de Sophia de Mello Breyner Andresen (Porto, 1919 – Lisboa, 2004), seja pela via das citações diretas ou indiretas, seja pela identificação de “plágios”, “roubos” e “apropriações”, como se queira chamar, seja pela identificação daquilo que a própria Ana Martins Marques coloca como rastros de leitura. Propomos um exercício similar ao de Wilberth Salgueiro em  seu artigo “A tradição visível: poesia e citação” (2017): bem mais que uma passagem ou um trecho, consideramos como citação o próprio nome do autor, ou seja, partimos do dado objetivo da citação (da referência, da alusão, da nomeação) no corpo do poema. Reforçando nosso aporte teórico, recorremos, ainda, às contribuições de Antonie Compagnon, em O trabalho da citação (1996), e de Leonardo Villa-Forte, em Escrever sem escrever: literatura e apropriação no século XXI (2019).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Barcelos Natalino, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Mestra em Literatura Brasileira e doutoranda em Teoria da Literatura e Literatura Comparada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Integra o projeto de extensão “Poesia, ficção e crítica: exercícios com autor, exercícios de autor”: https://www.poesiaficcaoecritica.com.

Referências

ANDRESEN, Sophia. Coral e outros poemas. Seleção e apresentação: Eucanaã Ferraz. São Paulo: Companhia

das Letras, 2018.

AZEVEDO, Luciana; CAPAVERDE, Tatiana da Silva (org.). Escrita não criativa e autoria. São Paulo: E-galaxia, 2018.

BAPTISTA, Abel Barros. Ideia de literatura brasileira com propósito cosmopolita.

Revista Brasileira de Literatura Comparada, v. 11, n. 15, p. 61-87, 2009.

BRINGHURST, Robert. Os vivos nunca devem ultrapassar os mortos. Tradução de Virna Teixeira. Inimigo Rumor: revista de poesia. São Paulo: Cosac-Naify; 7 Letras, n. 17, 2º sem. 2014/ 1º sem. 2005.

CASTELO, Cláudia. O modo português de estar no mundo: o luso-tropicalismo e a ideologia colonial portuguesa: In: NUNES, Henrique Barreto; CAPELA, José Viriato (orgs.). O mundo continuará a girar. Prémio Victor de Sá de História Contemporânea: 20 anos (1992-2011). Braga: Conselho Cultural da Universidade do Minho/ CITCEM, 2011.

CESAR, Ana Cristina. Poética. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

CESAR, Ana Cristina. Crítica e Tradução. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

COMPAGNON, Antoine. O trabalho da citação. Tradução de Cleonice P. B. Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1996.

FIUZA, Solange; ALVES, Ida. Apresentação. In: FIUZA, Solange; ALVES; Ida (org.). Poesia contemporânea e tradição: Brasil – Portugal. São Paulo: Nankin, 2017. p. 7-13.

GELMINI, Juliana dos Santos. Paisagens da memória: uma leitura da poesia de Ana Martins Marques. 2018. 110 f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Literatura) – Instituto de Letras, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

GOULART, Beatriz. A elegância da poesia de Ana Martins Marques. Bravo!, 15 out. 2016. Disponível em: https://

medium.com/revista-bravo/a-eleg%C3%A2ncia-da-poesia-de-ana-martins-marques-98802d800fed. Acesso em: 20 jan. 2020.

HALL, Stuart. A identidade cultura na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guaracira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

LOURENÇO, Eduardo. A Nau de Ícaro e Imagem e miragem da lusofonia. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MARQUES, Ana Martins. A vida submarina. Belo Horizonte: Scriptum, 2009.

MARQUES, Ana Martins. Da arte das armadilhas. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

MARQUES, Ana Martins. O livro das semelhanças. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MARQUES, Ana Martins. O livro dos jardins. São Paulo: Quelônio, 2019

QUEIRÓS, Luís Miguel. Série Mar Português: Um mar de palavras. Publico, 3 out 2012. Disponível em: https://www.publico.pt/2012/10/03/culturaipsilon/noticia/serie-mar-portugues-um-mar-de-palavras-1565629. Acesso em: 22 set. 2020.

SALGUEIRO, Wilberth Claython Ferreira. A tradição visível: poesia e citação. In: FIUZA, Solange; ALVES; Ida (org.). Poesia contemporânea e tradição: Brasil – Portugal. São Paulo: Nankin, 2017. p. 203-217.

SANTIAGO, Silviano. Apesar de dependente, universal. In: SANTIAGO, Silviano. Vale quanto pesa: ensaios sobre questões político-culturais. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

SILVEIRA, Jorge Fernandes da. 20 anos sem Luiza, os meus, por ela mesma. In: ALVES, Ida (org.). Um corpo inenarrável e outras vozes: estudos de poesia moderna e contemporânea. Niterói: EdUFF, 2010. p. 11-29.

SISCAR, Marcos. Poesia e crise. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp, 2010.

TSVETÁEVA, Marina. O poeta e o tempo. Belo Horizonte: Editora Âyiné, 2007.

VILLA-FORTE, Leonardo. Escrever sem escrever: literatura e apropriação no século XXI. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; Belo Horizonte: Relicário, 2019.

Publicado
2021-05-05
Como Citar
Natalino, N. B. (2021). O meio dia recostado sobre a meia-noite: Sophia de Mello Breyner Andresen, ao sol; Ana Martins Marques, à sombra. Letrônica, 14(1), e37764. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2021.1.37764