Letramentos Críticos para a Utopia

Uma proposta para a elaboração de materiais e cursos abertos e on-line

Palavras-chave: Letramentos Críticos, Utopia, Cursos abertos e on-line

Resumo

Neste artigo, propomos a aproximação entre os conceitos de Letramentos Críticos e Utopia enquanto possibilidade teórico-metodológica para as práticas pedagógicas no âmbito da educação linguística, com ênfase na elaboração de materiais e cursos abertos e on-line para o ensino de línguas adicionais. A pesquisa está organizada da seguinte forma: em um primeiro momento, situamos o estudo no campo da Linguística Aplicada Crítica, bem como tratamos de alguns conceitos necessários à compreensão da investigação; em um segundo momento, discutimos concepções alternativas da pesquisa científica, com destaque para as noções de Epistemologias do Sul e de Revisão Narrativa da Literatura; por fim, apresentamos as considerações finais do presente estudo. Os resultados demonstram que é possível delinear, pela via da transgressão, uma proposta teórico-metodológica que busca romper com a conhecida dicotomia entre a teoria e a prática, associando tais categorias no desenvolvimento de um ensino de línguas comprometido não apenas com a problematização de linguagens e tecnologias para a denúncia de uma estrutura desumanizante, mas também para a construção de um outro mundo possível. Esse enfoque, que convencionamos designar como Letramentos Críticos para a Utopia, pode ser utilizado na elaboração de materiais e cursos abertos e on-line para o ensino de línguas adicionais, pelos quais temos especial interesse na presente pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Firpo Beviláqua, Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), Pelotas, RS, Brasil

Mestre em Letras – Linguística Aplicada pela Universidade Católica de Pelotas (UCPEL), em Pelotas, RS, Brasil; doutorando em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL), da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), em Pelotas, RS, Brasil, com bolsa Capes.

Vilson José Leffa, Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), Pelotas, RS, Brasil.

Doutor em Linguística Aplicada pela Universidade do Texas, em Austin, TX, Estados Unidos; professor visitante da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), em Pelotas, RS, Brasil

Referências

AMIEL, T. Educação Aberta: configurando ambientes, práticas e recursos educacionais. In: PRETTO, N. de L.; ROSSINI, C.; SANTANA, B. Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas e políticas públicas. Salvador: Edufba; São Paulo: Casa da Cultura Digital, 2012. p. 17-33.

ALTINPULLUK, H.; KESIM, M. The evolution of MOOCS and a clarification of terminology through literature review. In: Conferência Anual da Rede Europeia de Educação a Distância e E-learning, 16., 2016, Budapste. Anais da Conferência Anual da Rede Europeia de Educação a Distância e E-learning. Budapeste: Rede Europeia de Educação a Distância e E-learning, 2016. p. 220-231.

BACON, F. Nova Atlântida. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

BAKHTIN, M. El problema de los géneros discursivos. In: BAKHTIN, M. Estética de la creación verbal. Tradução Tatiana Bubnova. Ciudad de México: Siglo XXI Editores, 1999. p. 248-293.

BEVILÁQUA, A. F. et al. Ensino de Línguas Online: um Sistema de Autoria Aberto para a produção e adaptação de Recursos Educacionais Abertos. Calidoscópio, São Leopoldo, v. 15, n. 1, p. 190-200, maio 2017. https://doi.org/10.4013/cld.2017.151.15.

BEVILÁQUA, A. F. Linguagens e tecnologias a serviço de uma Ética Maior: a produção de Recursos Educacionais Abertos na perspectiva dos Letramentos Críticos. 2017. 114 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) - Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS, 2017.

BEVILÁQUA, A. F.; LEFFA, V. J.; KIELING, H. dos S. Espanhol como Língua Estrangeira (E/LE), Acción Poética e Xenofobia: uma experiência pedagógica com um Recurso Educacional Aberto na perspectiva dos Letramentos Críticos. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 2, n. 58, p.1-20, maio/ago. 2019. https://doi.org/10.1590/010318138655137504201.

BEVILÁQUA, A. F.; COSTA, A. R.; FIALHO, V. R. O poder está no touch: produção de Recursos Educacionais Abertos na perspectiva dos Letramentos Críticos. In: CARDOSO, R. M. et al. (org.). Tendências contemporâneas na pesquisa em Linguística e Literatura: Rede Sul Letras. Campinas: Pontes, 2019. p. 308-324.

BRASIL. Lei nº 11.161, de 05 de agosto de 2005.

BRASIL. Resolução CD/FNDE nº 60, de 20 de novembro de 2009.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017.

CASSANY, D.; CASSTELLÀ, J. Aproximación a la Literacidad Crítica. Perspectiva, Florianópolis, v. 28, n. 2, p. 353-374, jul./dez. 2010.

CANCLINI, N. G. Culturas Híbridas – estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. São Paulo: EDUSP, 1997. p. 283-350.

CHAUÍ, M. Notas sobre a Utopia. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 60, n. spe1, p. 7-12, jul. 2008.

CHAVARRO, D.; RÀFOLS, I.; TANG, P. To what extent is inclusion in the Web of Science an indicator of journal ‘quality’? Research Evaluation, [S. l.], v. 27, n. 2, p.106-118, 29 jan. 2018. https://doi.org/10.1093/reseval/rvy001.

CONGRESSO MUNDIAL SOBRE RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS. Declaração REA de Paris. Paris: UNESCO, 2012.

COSTA, A. R. et al. Contribuindo com o estado da arte sobre Recursos Educacionais Abertos para o ensino e a aprendizagem de línguas no Brasil. Veredas On-line, Juiz de Fora, v. 20, n. 1, p. 1-20, ago. 2016.

COSTA, Fabricio Veiga. Liberdade de cátedra do docente nos cursos de bacharelado em Direito: um estudo crítico da constitucionalidade do projeto de lei escola sem partido. Revista Jurídica - Unicuritiba, Curitiba, v. 50, n. 1, p. 374-397, jan. 2018.

FAIRCLOUGH, N. El análisis crítico del discurso y la mercantilización del discurso público: las universidades. Tradução Elsa Ghio. Discurso & Sociedad, [on-line], v. 2, n. 1, p.170-186, 2008.

FAIRCLOUGH, N. Language and power. London: Longman, 1989.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FONTANA, M. V. L.; LEFFA, V. J. LMOOCs: reflexões preliminares para o desenvolvimento de MOOCS comunicativos. Calidoscópio, São Leopoldo, v. 16, n. 3, p.460-468, 30 dez. 2018. https://doi.org/10.4013/cld.2018.163.10.

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se complementam. São Paulo: Cortez, 1989.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 54. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016

HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 2, n. 22, p.15-46, 1997.

HALLIDAY, M. A. K.; MATTHIESSEN, C. M. I. M. An Introduction to functional grammar. 3. ed. London: Routledge, 2013. https://doi.org/10.4324/9780203431269.

HORKHEIMER, Max. Teoría Crítica. Buenos Aires: Amorrortu, 1974.

HILTON, J. et. al. The four R’s of openness and ALMS analysis: frameworks for Open Educational Resources. Open Learning: the journal of open and distance learning, [S. l.], v. 25, n. 1, p. 37-44, 2010. https://doi.org/10.1080/02680510903482132.

LEFFA, V. J.; COSTA, A. R.; BEVILÁQUA, A. F. O prazer da autoria na elaboração de materiais didáticos para o ensino de línguas. In: FINARDI, K. R. et al. Transitando e transpondo (n)a Linguística Aplicada. Campinas: Pontes Editora, 2019. p. 267-297.

LEFFA, V. J. Nem tudo o que balança cai: Objetos de Aprendizagem no ensino de línguas. Polifonia, Cuiabá, v. 12, n. 2, p.15-45, 2006.

LITTO, F. M. Recursos educacionais abertos. In: LITTO, F. M; FORMIGA, M. (org.). Educação a Distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education, 2009.

MOITA LOPES, L. P da. Linguística Aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA LOPES, L. P. da. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006a. p. 85-107.

MOITA LOPES, L. P da. Uma Linguística Aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como linguista aplicado. In: MOITA LOPES, L. P. da. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006b. p. 13-44

MORE, T. Utopia. Prefácio: João Almino; Tradução: Anah de Melo Franco. Brasília: Editora Universidade de Brasília: Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais, 2004. (Clássicos IPRI).

PENYCOOK, A. Uma Linguística Aplicada transgressiva. In: LOPES, L. P. da M. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 67-84.

PRETTO, N. de L. Professores-autores em rede. In: PRETTO, N. de L.; ROSSINI, C.; SANTANA, B. Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas e políticas públicas. Salvador: Edufba; São Paulo: Casa da Cultura Digital, 2012. p. 91-108.

RAJAGOPALAN, K. Por uma Linguística Crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola, 2003.

SANTOS, A. I. dos. O estado da arte, desafios e perspectivas para o desenvolvimento e inovação. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2013.

SANTOS, B. de S. Aula 1: Por que as epistemologias do Sul? In: SANTOS, B. de S. Na oficina do sociólogo artesão: aulas 2011-2016. Seleção, revisão e edição Maria Paulo Meneses e Carolina Peixoto. São Paulo: Cortez, 2018. p. 24-54.

SOARES, M. B. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação [on-line], [S. l.], v. 1, n. 25, p. 5-17, abr. 2004. https://doi.org/10.1590/S1413-24782004000100002.

VAN DIJK, T. A. Discurso e Poder. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2017.

VETROMILLE-CASTRO, R. et al. Objetos de Aprendizagem de Línguas: uma proposta. In: VETROMILLE-CASTRO, R.; HEEMANN, C.; FIALHO, V. R. Aprendizagem de línguas – a presença na ausência: CALL, Atividade e Complexidade. Pelotas: Educat, 2012. p. 242-256.

ROTHER, E. T. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 5-6, jun. 2007. https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001.

SARAIVA, K.; VARGAS, J. R. de. Os perigos da escola sem partido. Revista Teias, [on-line], [S. l.], v. 18, n. 51, p. 68-84, 6 dez. 2017. https://doi.org/10.12957/teias.2017.30651.

SIEMENS, G et al. The MOOC Model for Digital Practice. 2010. Disponível em: http://www.elearnspace.org/Articles/MOOC_Final.pdf. Acesso em: 05 jun. 2020.

THE NEW LONDON GROUP. Multiliteracies: Literacy learning and the design of social futures. London: Routledge, 2000.

Publicado
2020-10-08
Como Citar
Beviláqua, A. F., & Leffa, V. J. (2020). Letramentos Críticos para a Utopia: Uma proposta para a elaboração de materiais e cursos abertos e on-line. Letrônica, 13(4), e37399. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.4.37399