História, historiografia e historicidade

A morte de Lima Barreto

Palavras-chave: Lima Barreto, eugenia, racismo no Brasil, modernização brasileira.

Resumo

A partir do espetáculo teatral Traga-me a cabeça de Lima Barreto! (2017), um monólogo construído com fragmentos de memórias e textos ficcionais ou jornalísticos do escritor, o artigo explora os efeitos da encenação para iluminar a zona de sombra que se abateu sobre as décadas iniciais do século XX no Brasil, tanto na história nacional quanto na historiografia literária. São postos em evidência os elos entre racialismo, eugenia e biopolítica nas políticas públicas da modernização social e cultural estado brasileiro. Pretende-se, ao final, expor o racismo brasileiro como postulado estruturante da nossa sociedade moderna e a suas repercussões ou os efeitos do racismo na obra e, principalmente, na vida de Lima Barreto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eneida Leal Cunha, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Rio de Janeiro, RJ

Doutora em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; professora titular de Literatura Brasileira da Universidade Federal da Bahia (UFBA), BA, Brasil; e professora associada no Departamento de Letras da PUC-Rio, no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

KEHL, Renato. Eugenia e Medicina Social. São Paulo: Livraria Francisco Alves, 1920.

KERN, Gustavo da Silva. As proposições eugenistas de Roquette-Pinto: uma polêmica acerca do melhoramento racial no Brasil. XXIX SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, CONTRA OS PRECONCEITOS: HISTÓRIA E DEMOCRACIA. Brasília: ANPUH, 2017. Disponível em: https://www.snh2017.anpuh.org/resources/anais/54/1502721644_ARQUIVO_TextoFinalAnpuh2017.pdf

LACERDA, João Batista. Sobre os mestiços no Brasil. História, Ciências, Saúde, Manguinhos, Rio de Janeiro, v.18, n.1, p. 234-242, mar. 2011. (Conferência “Sur le métisau Brésil”, Premier Congrès Universel des Races: 26-29 juillet 1911, Paris).

LIMA BARRETO, Afonso Henriques de. O cemitério dos vivos. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1961.

LIMA BARRETO, Afonso Henriques de. Os Bruzundangas (1923). 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1961.

LIMA Barreto, Afonso Henriques de. Diário Íntimo. São Paulo: Brasiliense, 1956.

MARTINS, Liliana Al-Chueyr P. Herbert Spencer e o Neolamarckismo. In: MARTINS, Liliana Al-Chueyr P. et alii. 3o Encontro. Campinas: AFHIC, 2004. p. 281-89.

RAEDERS, Georges. O inimigo cordial do Brasil: o conde Gobineau no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

REIS, João José. Presença Negra: conflitos e encontros. In: Brasil, 500 anos de povoamento. Rio de Janeiro: IBGE, 2000.

ROMERO, Silvio. História da Literatura Brasileira. Fatores da Literatura Brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: H. Garnier, 1902. Tomo 1.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Previsões são sempre traiçoeiras: João Baptista de Lacerda e seu Brasil branco. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.18, n.1, p. 225-233, mar. 2011. https://doi.org/10.1590/S0104-59702011000100013

SOUZA, Vanderlei Sebastião de. As ideias eugênicas no brasil: ciência, raça e projeto nacional no entreguerras. Revista Eletrônica História em Reflexão, Dourados, v. 6, n. 11, jan./jun. 2012.

SOUZA, Vanderlei Sebastião de. Por uma nação eugênica: higiene, raça e identidade nacional no movimento eugênico brasileiro dos anos 1910 e 1920. Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 1, n.2, p. 146-166, jul.-dez. 2008.

STEPAN, N. L. Eugenia no Brasil, 1917-1940. In: HOCHMAN, G.; ARMUS, D. (org.). Cuidar, controlar, curar: ensaios históricos sobre saúde e doença na América Latina e Caribe. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2004.

Publicado
2020-03-24
Como Citar
Leal Cunha, E. (2020). História, historiografia e historicidade: A morte de Lima Barreto. Letrônica, 13(3), e37265. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.3.37265