A miopia como metáfora para o intelectual latino-americano

Vargas Llosa lê Os sertões, de Euclides da Cunha

Palavras-chave: Vargas Llosa, Euclides da Cunha, miopia, Latinoamérica

Resumo

Neste trabalho comparativo se discutirá como Mário Vargas Llosa trabalhou a metáfora da miopia para representar os intelectuais latino-americanos que, tal como Euclides da Cunha, decidiram romper com as representações estereotipadas sobre o sertão brasileiro, ao aproximarem-se da realidade analisada. Assim, em La guerra del fin del mundo, romance de 1981, Llosa trabalha esse signo com maestria, narrando a jornada de um jornalista míope pelo nordeste brasileiro, no epicentro da Guerra de Canudos. É, por conseguinte, a partir das exigências de sua miopia que essa personagem pôde realizar uma representação mais detalhada do sertão, que envolveu o encontro com um universo diferente e transformador. Também Llosa, intelectual míope, por não conseguir enxergar o sertão brasileiro sem as brumas que a distância cultural e política impunha, utiliza Os sertões: a campanha de Canudos (1902), a grande obra de Euclides, como lentes de aumento para ver além de Tordesilhas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Borges Pimenta Júnior, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG), Januária, MG

Mestre em Letras/Estudos Literários pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), em Montes Claros, MG; professor do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG), em Januária, MG, Brasil.

Elcio Lucas de Oliveira, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, MG.

Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP; professor da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), em Montes Claros, MG, Brasil.

Referências

ACHUGAR, Hugo. Planetas sem boca: escritos efêmeros sobre arte, cultura e literatura. Traduçãod de Lyslei Nascimento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006, 378 p. (Coleção Humanitas)

ASSIS, Machado de. Crônica do dia 11 de novembro de 1897. In: Obra completa: Poesia, crônica, crítica, miscelânea e epistolário. 1ª ed., Nova Aguilar, 1959.

ASSIS, Machado de. Machado de Assis: notas semanais. Organização de John Gledson e de Lúcia Granja. Campinas: Ed. da UNICAMP, 2008.

CANDIDO, Antonio. Iniciação à Literatura Brasileira: resumo para principiantes. São Paulo: Humanitas / FFLCH, 1999a. 100 p.

CANDIDO, Antonio. Literatura, espelho da América? Remate de Males, Campinas, SP, dez. 1999b, p. 105 – 113. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8635995>. Acesso em: 08 jan. 2020.

CORNEJO POLAR, Antonio. Una heterogeneidad no dialéctica: sujeto y discurso migrantes en el Perú moderno. Revista Iberoamericana, [S.l.], p. 837-844, dez. 1996. Disponível em: <http://revista-iberoamericana.pitt.edu/ojs/index.php/Iberoamericana/article/view/6262>. Acesso em: 08 jan. 2020.

CUNHA, Euclides da. Os sertões: a campanha de Canudos. Edição crítica e organização de Walnice Nogueira Galvão. São Paulo: Ubu Editora / Edições Sesc, 2016. 704 p.

CUNHA, Euclides da. Peru versus Bolívia. Rio de Janeiro: Typografia do Jornal do Commércio, 1907, 199 p.

CUNHA, Euclides da. Seleta: textos sobre o Brasil / Euclides da Cunha. – 1. ed. – Rio de Janeiro: Fundação Darcy Ribeiro, 2013b. 236 p. (Coleção biblioteca básica brasileira)

FREYRE, Gilberto. Perfil de Euclides da Cunha. Revista Brasileira, Rio de Janeiro, Fase VII, Ano VIII, n. 30, p. 29-36, jan./mar. 2002. Disponível em: <http://www.academia.org.br/sites/default/files/publicacoes/arquivos/revista-brasileira-30.pdf>. Acesso em: 08 jan. 2020.

GALVÃO, Walnice Nogueira. Euclidiana: ensaios sobre Euclides da Cunha. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. 326 p.

GALVÃO, Walnice Nogueira. No calor da hora: a Guerra de Canudos nos jornais – 4ª expedição. São Paulo: Editora Ática, 1974, 510 p. (Coleção Ensaios)

KLINTOWITZ, Jaime. A história do Brasil em cinquenta frases. São Paulo: Leya, 2014. Disponível em: https://books.google.com.br/books/about/A_hist%C3%B3ria_do_Brasil_em_50_frases.htmlid=i6KoAgAAQBAJ&printsec=frontcover&source=kp_read_button&redir_esc=y#-v=onepage&q&f=false. Acesso em: 27 abr.2020.

LIMA SOBRINHO, Barbosa. Intenções de um romancista. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, p. 5-5. 21 jun. 1953. Disponível em: <http://memoria.bn.br/DocReader/030015_07/30717>. Acesso em: 08 jan. 2020.

LLOSA, Mario Vargas. A festa do Bode. Tradução de Paulina Wacht e Ari Roitman. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011a, 450 p.

LLOSA, Mario Vargas. A guerra do fim do mundo. Tradução de Paulina Wacht e Ari Roitman. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011b, 791 p.

LLOSA, Mario Vargas. La fiesta del Chivo. Barcelona: Penguin, 2016c. E-book. Não paginado.

LLOSA, Mario Vargas. La tía Julia y el escribidor. Barcelona: Penguin, 2016a. E-book. Não paginado.

LLOSA, Mario Vargas. Sabres e utopias: visões da América Latina. Tradução de Bernardo Ajzenberg. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010a, 430 p.

LLOSA, Mario Vargas. Tia Júlia e o escrevinhador. Tradução de José Rubens Siqueira. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010b, 463 p.

LLOSA, Mario Vargas. La guerra del fin del mundo. Barcelona: Debolsillo, 2016b, 927 p.

LUCAS, Elcio. Amazônia – tempo e lugar: de onde falam Euclides da Cunha e Ferreira de Castro? 2005. 140 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa, Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

MACADAM, Alfred. Euclides da Cunha y Mario Vargas Llosa: Meditaciones intertextuales. Revista Iberoamericana, [S.l.], p. 157-164, mar. 1984. Disponível: <https://revista-iberoamericana.pitt.edu/ojs/index.php/Iberoamericana/article/view/3867/4036>. Acesso em: 08 jan. 2020. https://doi.org/10.5195/REVIBEROAMER.1984.3867

MERINO, Ximena Antonia Díaz. Reflexões sobre Mario Vargas Llosa e a construção discursiva da Amazônia peruana em El hablador. Nova Revista Amazônica, v. 6, n. 4, p. 39-49, 2018.

MOISÉS, Massaud. Machado de Assis: ficção e utopia. São Paulo: Editora Cultrix, 2011.

MONIZ, Edmundo. Canudos: a luta pela terra. 9 ed. São Paulo: Global Editora, 2001, 110 p.

OLIVEIRA, Vladimir S. Cartografias: da arte de fazer mapas aos mapas na arte. In: Cultura Visual, n. 18, dezembro/2012, Salvador: EDUFBA, p. 97-108.

RAMA, Ángel. A cidade das letras. Tradução de Emir Sader. São Paulo: Boitempo Editorial, 2015. E-book, não paginado.

RAMA, Ángel. Ángel Rama: literatura e cultura na América Latina. Organização de Flávio Aguiar e Sandra Vasconcelos, tradução de Raquel dos Santos e Elza Gasparotto. São Paulo: Editora da USP, 2001. (Ensaios latino-americanos;6)

RAMA, Ángel. Una obra maestra del fanatismo artístico: La guerra del fin del mundo. Revista de la Universidad de México, Ciudad de México, n. 14, p.08-24, jun. 1982. Disponível em: <http://www.revistadelauniversidad.unam.mx/ojs_rum/index.php/rum/article/view/11493/12731>. Acesso em: 08 jan. 2020.

RIBEIRO, Leo Gilson. O continente submerso: perfis e depoimentos de grandes escritores de nuestra América. São Paulo: Editora Best Seller, 1988.

ROCCA, Pablo. Prefácio à edição uruguaia. In: GRAHAM, Robert B. Cunninghame. Um místico brasileiro: vida e milagres de Antônio Conselheiro. Unesp, 2002.

CASTRO ROCHA, João Cezar de. Euclides da Cunha e banalidade do mal: por uma literatura comparada às avessas. Revista Brasileira de Literatura Comparada, v. 16, n. 24, p. 78-94, 2017. Disponível em: <http://revista.abralic.org.br/index.php/revista/article/view/324/328>. ACESSO EM 08 jan. 2020.

SAMPAIO, Teodoro. Recordando Euclides da Cunha (No décimo aniversário de sua morte). In: CUNHA, Euclides da. Um paraíso perdido : reunião de ensaios amazônicos. Brasília: Senado Federal. 2000, 393 p.

SEEMANN, Jörn. Mapas, mapeamentos e a cartografia da realidade. Geografares, Vitória, v. 4, p.49-60, jun. 2003. Disponível em: <http://www.periodicos.ufes.br/?journal=geografares&page=article&op=view&path%5B%5D=1080> Acesso em: 08 jan. 2020. https://doi.org/10.7147/GEO4.1080

ZILLY, Berthold. Um depoimento brasileiro para a História Universal: Traduzibilidade e atualidade de Euclides da Cunha. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, n. 9, p.5-15, out. 1997. Disponível em: <http://r1.ufrrj.br/esa/V2/ojs/index.php/esa/article/view/112>. Acesso em: 08 jan. 2020.

Publicado
2020-03-24
Como Citar
Borges Pimenta Júnior, P. ., & de Oliveira, E. L. (2020). A miopia como metáfora para o intelectual latino-americano: Vargas Llosa lê Os sertões, de Euclides da Cunha. Letrônica, 13(3), e36780. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.3.36780