Discursos de resistência à intolerância pela censura: o caso da propaganda do Banco do Brasil

Palavras-chave: Discurso intolerante, Censura, Ironia, Resistência

Resumo

O presente artigo se propõe a analisar a questão da intolerância pelo viés da censura, a partir da polêmica sobre uma peça publicitária do Banco do Brasil (BB) que teve sua exibição oficial impedida após avaliação negativa do presidente Jair Bolsonaro. Em nossas análises, a peça é retomada como condição de legibilidade e inteligibilidade dos discursos de resistência que circularam nas redes sociais dialogando com o veto da campanha do banco, e que são, também, nosso objeto de análise. Partindo da perspectiva teórico-metodológica da Análise do Discurso pecheuxtiana, observamos que o espaço virtual tem funcionado tanto como condição de produção do discurso intolerante, quanto como condição de produção de formas alternativas de resistência a esse discurso. As análises nos apontam para um funcionamento discursivo que coloca em jogo, de um lado, a intolerância pela censura e, de outro, as formas de resistência pela ironia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evandra Grigoletto, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE

Doutora em Teorias do Texto e do Discurso pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil. Docente e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE, Recife, PE, Brasil). Líder do Núcleo de Pesquisa em Práticas de Linguagem e Espaço Virtual (NEPLEV – www.neplev.com.br).
Atualmente, realiza pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Linguística da Unicamp, e coordena o projeto de pesquisa, financiado pelo CNPq (processo 422259/2018-7) intitulado Discurso político e políticas públicas a partir do acontecimento do impeachment: análise dos discursos sobre ciência, educação e cultura.

Thiago Alves França, Universidade do Estado da Bahia (Uneb), Barreiras, BA

Doutor em Letras em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE, Brasil. É professor assistente da Universidade do Estado da Bahia (Uneb, Barreiras, BA, Brasil), campus IX, no Departamento de Ciências Humanas, onde desenvolve o projeto de pesquisa Discursos de ódio em/na rede: (re)produção, circulação e resistência no espaço virtual.

Referências

AUTHIER-REVUZ, Jacqueline. [1980] Palavras mantidas a distância. Tradução de Heloísa Monteiro Rosário. In: CONEIN, B. et al. (org.). Materialidades discursivas. Campinas: Editora Unicamp, 2016. p. 201-226.

GRIGOLETTO, Evandra. O discurso nos ambientes virtuais de aprendizagem: entre a interação e a interlocução. In: GRIGOLETTO, Evandra; DE NARDI, Fabiele Stockmans; SCHONS, Carme Regina (org.). Discursos em rede: práticas de (re)produção, movimentos de resistência e constituição de subjetividades no ciberespaço. Recife: Ed. Universitária UFPE, 2011. p. 47-78.

GRIGOLETTO, Evandra; GALLO, Solange Leda. Sujeito e memória em textualidades digitais. In: INDURSKY, Freda; LEANDRO FERREIRA, Maria Cristina; MITMANN, Solange (org.). Análise do discurso: dos fundamentos aos desdobramentos (30 anos de Michel Pêcheux). Campinas, SP: Mercado de Letras, 2015.

LÉON, Jacqueline; PÊCHEUX, Michel. [1982] Análise sintática e paráfrase discursiva. Tradução Claudia Pfeiffer. In: Análise de discurso: Michel Pêcheux. Textos selecionados por Eni P. Orlandi. 2. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2011. p. 163-173.

ORLANDI, Eni. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 3. ed. Campinas, SP: Pontes, 2001a.

ORLANDI, Eni. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas, SP: Pontes, 2001b.

ORLANDI, Eni. Maio de 1968: os silêncios da memória. In: ACHARD, P. et al. Papel da memória. Tradução de José Horta Nunes. Campinas, SP: Pontes, 1999. p. 59-71.

PÊCHEUX, Michel. [1975] Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução Eni Orlandi et al. 4. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2009.

PÊCHEUX, Michel. [1969] Análise automática do discurso (AAD-69). Tradução de Eni Orlandi. In: GADET, F.;

HAK, T. (org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1997a, p. 61-161.

PÊCHEUX, Michel. [1982] Delimitações, inversões, deslocamentos. Tradução de José Horta Nunes. Cad. Estudos Linguísticos, Campinas, n. 19, p. 7-24, jun./dez. 1990.

PÊCHEUX, Michel. [1983a] O discurso: estrutura ou acontecimento. Tradução Eni Orlandi. 2. ed. Campinas, SP: Pontes, 1997b.

PÊCHEUX, Michel. [1983b] Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. (org.). Papel da memória. Tradução José Horta Nunes. Campinas, SP: Pontes, 1999. p. 49-57.

PÊCHEUX, Michel. [1984] Ousar pensar e ousar se revoltar. Ideologia, marxismo, luta de classes. Tradução Guilherme Adorno e Gracinda Ferreira. Décalages, v. 1. Iss. 4, p. 1-22, 2013. Disponível em: http://scholar.oxy.edu/decalages/vol1/iss4/15. Acesso em: 20 nov. 2019.

RECUERO, Raquel. A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina, 2012.

ROMÃO, Lucília Maria Souza. O fora da rede: (co-mando de) arquivos no arquivo. In: MARIANI, Bethania;

MEDEIROS, Vanise; DELA-SILVA, Silmara (org.). Discurso, arquivo e… Rio de Janeiro: 7Letras, 2011. p. 141-149.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à lava jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.

Publicado
2020-02-28
Como Citar
Grigoletto, E., & França, T. A. (2020). Discursos de resistência à intolerância pela censura: o caso da propaganda do Banco do Brasil. Letrônica, 13(2), e36069. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.2.36069