“Comunicação não-violenta” pelas lentes da Linguística: embates no combate à intolerância

Palavras-chave: Linguagem para a paz, Cultura de paz, Discurso intolerante

Resumo

O presente artigo visa a analisar e discutir a proposta conhecida como “Comunicação não-violenta” (CNV) através das lentes da Linguística. Tal proposta tem sido utilizada em muitos países do mundo como ferramenta no combate ao discurso intolerante, mas é pouco conhecida, ou até desprezada, nos meios acadêmicos dos Estudos da Linguagem. Este artigo analisa os quatro componentes da CNV: “fato/observação”, “sentimento”, “necessidade” e “pedido”, de acordo com o postulado em Rosenberg (2006, 2019). As conclusões são que a contribuição teórica da Linguística, especialmente de conceitos como “discurso”, “simulacro”, “evidencialidade”, “princípio da cooperação conversacional”, entre outros, proporciona mais clareza e coerência para noções utilizadas sem rigor teórico pela CNV e podem, por isso, contribuir para o desenvolvimento da proposta. Em relação à Linguística, espera-se que o artigo contribua para que a disciplina esteja mais engajada na construção de um mundo menos violento, seja analisando propostas já existentes de linguagem para a paz, como o que se faz aqui, seja propondo novas abordagens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Raquel Motta, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp, Campinas, SP, Brasil), pesquisadora de pós-doutorado no Departamento de Linguística Aplicada da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, Brasil, com bolsa PNPD/Capes.

Referências

ABRAMOVAY, Miriam; RUA, Maria das Graças. Violência nas Escolas. Brasília: UNESCO, 2002.

AMOSSY, Ruth. Apologia da polêmica. Tradução de Mônica Magalhães Cavalcante. São Paulo: Contexto, 2017.

BANKS-LEITE, Luci. Aspectos argumentativos e polifônicos da linguagem da criança em idade pré-escolar. Campinas. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, 1996.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Traduçã o de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

EVENSEN, Lars Sigmund. A Linguística Aplicada a partir de um arcabouço com princípios caracterizadores de disciplinas e transdisciplinas. In: SIGNORINI, I. & M. Cavalcanti (org.) Linguística Aplicada e transdisciplinaridade. Campinas: Mercado de Letras, 1998. p. 81-98.

FAIRCLOUGH, Norman. Discourse and social change. Cambrigde: Polity Press, 1992.

FREGE, G. Sobre o sentido e a referência. Lógica e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Cultrix/USP, 1978 [1892]. p. 59-86.

GALTUNG, Johan. Violence, Peace and Peace Research. In: FERRARI; CABRAL (org.). Comunicação, Estudos para a paz e violência organizacional: uma perspectiva crítica. Organicom, São Paulo, a. 15, n. 28, p. 33-56, 1.º semestre/2018. https://doi.org/10.11606/issn.2238-2593.organicom.2018.150590

GANDHI, Mahatma. Non-violent resistance (Satyagraha). Nova Iorque: Schocken Books, 1961 [1951].

GRICE, Herbert Paul. Lógica e conversação. Tradução de João Wanderley Geraldi. In: DASCAL, Marcelo (org.). Fundamentos metodológicos da linguística. Campinas: Instituto de Estudos da Linguagem, 1982 [1967]. p. 81-103. v. 4 – Pragmática.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Tradução de Enio Paulo Giachini. Petrópolis: Vozes, 2017.

JAKOBSON, Roman. Linguística e Poética. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1974 [1963]. p. 118-162.

KOCH, Ingedore. Argumentação e Linguagem. São Paulo: Cortez, 2000.

LA TAILLE, Yves de. Moral e ética: dimensões intelectuais e afetivas. São Paulo: Artmed, 2006.

MAINGUENEAU, Dominique. Unidades tópicas e não tópicas. Tradução de Maria Cecília Pérez de Souza-e-Silva. Cenas da Enunciação. Organização de Sírio Possenti e Maria Cecília Pérez de Souza-e-Silva. Curitiba: Criar, 2006. p. 9-24

MAINGUENEAU, Dominique. Aforização – enunciados sem texto? Organização de Sírio Possenti e Maria Cecília Pérez de Souza-e-Silva. Doze conceitos em análise do discurso. Tradução Ana Raquel Motta. São Paulo: Parábola, 2010. p. 9-24.

MOTTA, Ana Raquel. Heterogeneidade e aforização: uma análise do discurso dos Racionais MCs. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem. Unicamp, Campinas, 2009.

MURCHO, Desidério. Ética e Direitos Humanos. Cadernos da Escola do Legislativo, Belo Horizonte, v. 12, n. 19, p. 37-56, jul./dez. 2010.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Paris: Assembleia Geral da ONU, 1948.

PALMA, Daniela et al. Produção de estórias e o gosto de afazer: exercícios de imaginação em escrita para a educação em direitos humanos. In: SILVA, Daniel Nascimento; PALMA, Daniela (org.). Dossiê temático Direitos humanos: perspectivas, mediações, práticas comunicativas. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, n. 57.2,. p. 699-730, maio-ago. 2018. https://doi.org/10.1590/010318138651914365851

PAVEAU, Marie-Anne. Linguagem e moral: uma ética das virtudes discursivas. Tradução de Ivone Benedetti. Campinas: Editora da Unicamp, 2015.

PÊCHEUX, Michel. Análise automática do discurso (AAD-69). In: GADET, Françoise; HAK, Tony (org.). Por uma análise automática do discurso. Tradução de Eni Pulcinelli Orlandi. Campinas: Editora da Unicamp, 1990.

PEREIRA DE CASTRO, Maria Fausta. Aprendendo a Argumentar: um momento na construção da linguagem. 2. ed. rev. Campinas: Unicamp 1996.

PERELMAN, Chaïm; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da Argumentação - A nova retórica. Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1996 [1958].

PINKER, Steven. The better angels of our nature: a history of violence and humanity. Londres: Penguin, 2011.

ROCHA, Janaína; DOMENICH, Mirella; CASSEANO, Patrícia. Hip Hop: a periferia grita. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001.

ROSENBERG, Marshall. Comunicação não-violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais. Tradução de Mário Vilela. São Paulo: Ágora, 2006.

ROSENBERG, Marshall. A linguagem da paz em um mundo de conflitos: sua próxima fala mudará seu mundo. Tradução de Grace Patrícia Close Deckers. São Paulo: Palas Athena, 2019.

SALGADO, Luciana Salazar; SILVA, Helena Maria Boschi da. Gênese discursiva da fórmula ‘cultura de paz’. Acta Scientiarum: language and culture, Maringá, v. 36, n. 2, p. 131-137, 2014. https://doi.org/10.4025/actascilangcult.v36i2.22567

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral. Tradução de Antônio Chelini; José Paulo Paes; Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1970 [1916].

SILVA, José Carlos Gomes da. Rap na cidade de São Paulo: Música, etnicidade e experiência urbana. Campinas. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Unicamp, 1998.

SILVA, Daniel Nascimento; PALMA, Daniela (org.). Dossiê temático Direitos humanos: perspectivas, mediações, práticas comunicativas. Trabalhos em Linguística Aplicada. Campinas, n 57.2, maio-ago. 2018. https://doi.org/10.1590/010318138652964411831

SOUZA, Raul Alves de et al. Do silêncio à ajuda: a experiência brasileira de combate ao bullying pela implantação das equipes de ajuda. XIII EDUCERE – CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Anais... Curitiba: PUC-PR, 2018. p. 17125-17137.

VENDRAME-FERRARI, Valéria. Oraçõ es complexas com verbos de percepçã o como forma de expressão da evidencialidade. Estudos linguísticos, São Paulo, v. 41, n. 1, p. 101-115, jan.-abr. 2012a.

VENDRAME-FERRARI, Valéria. Verbos de percepção em construções evidenciais de acordo com o modelo da gramática discursivo-funcional. Revista Linguística/Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 100-112, jun. 2012b.

Publicado
2020-02-28
Como Citar
Motta, A. R. (2020). “Comunicação não-violenta” pelas lentes da Linguística: embates no combate à intolerância. Letrônica, 13(2), e36001. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.2.36001